Português | English

Cartas

VOLTEI PARA CASA CONSOLADO--Rômulo Mendonça

VOLTEI PARA CASA CONSOLADO--Rômulo Mendonça

-----Original Message----- From: Rômulo Mendonça Sent: segunda-feira, 29 de março de 2004 20:48 To: Caio Fabio D'Araújo Filho Subject: QUE VIAGEM! QUE CONSOLAÇÃO! Meu Querido, Fiquei perplexo quando você me ligou dizendo pra eu não ir pro Rio. Você disse choramingando "O meu Lucas morreu; o meu filhinho morreu". Não consegui dizer nada, e desliguei o telefone. Corri do banheiro pra meu quarto, pra ver a Doró, e depois fui ver os meus filhos deitados. Me deu uma dor profunda no coração. Uma fisgada que me fez levar as mãos ao peito e depois à boca. Chorei ... Pensei o que fazer ... como ajudar. Disse à Doró: " Vou". Vou dar um abraço nele... Peguei o meu irmão e partimos pra o Aeroporto. Dois dias antes, quando nos falamos, estava sentindo uma necessidade de te ver. Na verdade poderíamos tratar das coisas do site pelo telefone e/ou via internet. Mas senti de te ver. Uma certa urgência em te encontrar. Pensei comigo que você poderia estar com alguma dificuldade maior. Já tinha tentado contatá-lo, mas não tinha conseguido. Resolvi ir. Por fim, consegui falar e confirmar minha ida até você. Mesmo você estando em viagem, em Vitória, você falou do Lucas. Da alegria que seu filho vinha te dando, principalmente nos últimos meses. "O Lucas está descobrindo alegrias na vida que nunca viveu..." Você estava feliz.... No avião pensei várias coisas pra te dizer, mas nenhuma fazia sentido. Pensava no Lucas e pensava nos meus filhos. Meu Deus o que eu faria? meu Deus eu não dou conta! Quando chegamos no cemitério, abracei a Adriana e a Aninha. Entrei pra ver o corpo. Olhei pra o Lucas e vi que ele estava bem. Vi que ele estava com o Senhor. Senti novamente uma dor no coração. Senti a sua dor... A dor de pai. Saí pra andar um pouco. Quando voltei você já estava lá. Te abracei e não consegui dizer nada. O seu choro era profundo e você quase uivava de dor. Saí e vi a Alda chegando. Depois a abracei, e também seus outros filhos. Em tudo vi muito choro, mas um choro com muita paz. O velório foi lindo. O mais bonito que já vi. Não foi por causa do jardim, que também era lindo. Mas aqueles momentos ali na capela me sublimaram pra uma realidade celestial. Tanta dor e tanta paz. Tanta dor e tanta adoração. Quanta convicção!!! Quanta entrega sem desespero, sem medo, sem fuga e com tanto realismo. Chorei. Chorei por ti, pela Alda, pelos filhos, pelos amigos. Chorei pelos meus filhos. Entreguei-os ao Senhor com todo o meu coração. Faça-se a Tua vontade! O meu irmão disse: "Viemos aqui pra consolar o Caio e é ele quem nos consola". Caio, saiba que te amamos muito. Mas é muito mesmo. TE AMAMOS! Que o nosso Senhor maravilhoso esteja com todos vocês nestes dias e que o amor que Ele nos deu por você possa ser percebido em toda sua plenitude. Grande abraço, como você diz sempre... Nele. Rômulo Mendonça _________________________ Resposta: Rômulo, amado, Você e toda a sua família são profundamente responsáveis por tudo de bom que nos tem acontecido. Deus sabe o significado que vocês todos, e você, meu amigo, têm para a minha alma. Um beijo eterno pra vocês! Caio