Português | English

Cartas

VOCÊ ME ENCANTA ATÉ NA DOR!

VOCÊ ME ENCANTA ATÉ NA DOR!

-----Mensagem original----- De: VOCÊ ME ENCANTA ATÉ NA DOR! Enviada em: segunda-feira, 17 de maio de 2004 16:03 Para: cafecomgraca Assunto: ESTOU AQUI...ACOMPANHANDO SUA DOR COM A MINHA Querido Caio, Não deveríamos ter de perder nada: nem saúde, nem afetos, nem pessoas amadas. Mas a realidade é outra: experimentamos uma constante alternância de ganhos e perdas. Vejo o quão egoísta eu sou. Queria te ler, ainda que fosse para saber de sua dor. Brindo-me com o que leio, fico a imaginar que espécie de criatura és... sensível, demasiadamente humano, generoso; enfim como te traduzir? Sei que sou tola em meu vão esforço. Você é Você; e a mim isto deveria bastar. Parece que você rompeu a linha que nivela os mortais... Visito o seu site na tentativa de me aproximar de teu universo, ainda que seja de modo contemplativo. És tão sábio; digo porque o conhecimento sem o Espírito de Deus é completamente inválido para entender e fazer com que os outros absorvam a verdade acerca da Palavra. O apóstolo Paulo referindo-se aos que não têm o Espírito de Deus chama-os de “homens naturais”; e aos que têm o Conhecimento segundo Deus, chama-os de “bem –aventurado.” A saúde é justamente o equilíbrio das partes... Tenho concluído que o seu aprendizado nunca se estabilizará; porque seu conhecimento não está sujeito a insipidez dos acadêmicos e das academias, mas sim à “fonte que nunca seca”. Fui informada que seu filho Lukas morreu; não tenho recursos para te dizer algo; logo você que me ajudou muito a superar os primeiros dias extremamente difíceis para mim, quando minha única filha Laura morreu?! Você me abasteceu com o combustível da Palavra, da reflexão, do consolo. Reconheço que a maturidade te ensinou coisas boas e belas (e eu nem sempre aprendo bem a lição); eu ainda estou na U.T.I. emocional na qual a perda me colocou; me sinto mutilada; sinto aqueles espaços vazios que não voltarão a ser ocupados; ando meio às cegas...tateando entre os desafios de cada dia viver sem Laura. O tempo é apenas um devorador de dias e horas; não é um enfermeiro eficiente. Gostaria de arrastar a cadeira para fora da zona de sombra, e sentar-me um pouco ao sol; mas não tenho forças; no meu vazio interior ainda sopra o vento da revolta e da amargura. Quero reafirmar o meu apreço por você’; tudo que você escreve, me toca, me assombra e me comove. Você enfrenta tudo com uma lucidez absurda; e ao contrário de mim, não perdeu sua força, não se deixou aniquilar pelo acontecimento. Desejei que eu fosse tomada por essa força. Lian ____________________________________________________________ Resposta: Lian, querida no Senhor: Paz! Obrigado pela carta amiga e consoladora; e por todos os estímulos que ela trouxe! A dor é a dor! Ela não desiste...então gente a enfrenta! Esse fim de semana, ardido de saudades como eu estava, decidi vestir as roupas dele. Ele tinha um excelente gosto, e tinha muitas sutilezas nas apreciações estéticas. Então, as roupas dele, foram distribuídas entre os manos, conforme os gostos e os tamanhos de cada um. Eu fiz minha seleção prévia das coisas que tinham a carinha dele, e fiquei com todas essas que pareciam com ele demais...até os perfumes. Esse fim de semana preguei vestido com jaquetas dele...está frio aqui. Me agasalhei dele... Estranhamente a partida dele, como disse meu pai, trouxe um espírito novo para todos. Para mim também. Sei que essa dor não vai...ela apenas se transforma...e é nesse processo que estou. Assim, minha amiga, você com a Laura e eu com o Lukas, nos tornamos mais próximos e mais conscientes um do outro como seres humanos. Receba meu carinho e minha orações. Um abraço no seu esposo. Nele, em que nosso filhos dançam, Caio