Português | English

Cartas

VOCÊ É O CULPADO. MAS NÃO ODEIO VOCÊ

VOCÊ É O CULPADO. MAS NÃO ODEIO VOCÊ

 

 

 

  

 

----- Original Message -----

From: VOCÊ É O CULPADO. MAS NÃO ODEIO VOCÊ!

To: contato@caiofabio.com

Sent: Sunday, July 13, 2008 8:05 PM

Subject: desabafo

 

A paz do eterno para tua vida,

 

Conheci você através de um amigo, que, aliás, não é mais...

 

Certa vez ele escreveu para você contando que estava apaixonado pela paixão. Sabia que esta paixão sou eu? [ APAIXONADO PELA PAIXÃO ]

 

Hoje ele se afastou de mim, e não é mais nem meu amigo...

 

Engraçado! Quando falaste para ele que não valia apenas deixar uma família tão linda como a dele para fica com uma paixão, hoje escuto que você se separou de sua esposa. Engraçado não acha?

 

Ele não podia fazer isto? E você como homem de Deus, conhecendo a verdade, fez; não é mesmo?...

 

Vou te contar um pouco de minha História, vai ser com H maiúsculo, pois é totalmente verdadeira...

 

Moro há 15 anos com meu marido e tenho uma filha linda. Já não sinto amor... Não suporto quando me toca, quando fala comigo... Já mandei ele ir embora e ele não vai...

 

Vejo nele um homem medroso que dá vontade até de matar... Só não faço isto porque sei que vou para o inferno...

 

Amo aquele homem que me deixou... Mas não foi homem suficiente para ficar comigo... Vejo isto não só nele, mas em alguns crentinhos que sobem no púlpito da igreja pregando aquilo que não vivem... Não sinto nem vontade de ir à igreja mais... Faz tempo que não piso na minha igreja por causa dele e de outros assuntos.

 

Amado irmão: não tenho raiva de você, só não gosto de ouvir pessoas falarem para outras que não é assim... que não pode.... que a Palavra de Deus é assim...— quando na verdade essas pessoas não conhecem realmente a Palavra. Fique com o salmo 119 para sua meditação...

 

Deus é misericordioso...

_______________________________________

 

Resposta:

 

 

Querida amiga: Graça e Paz!

 

 

 

Graças a Deus o que Dele se pode esperar sempre é misericórdia, a qual dura para sempre!

 

Felizmente ele não ficou com você. Sua carta me deu a certeza de ter dado a ele o conselho certo. Sim! Pois quem diz que por amor odeia, nunca amou e nem sabe o que amor é.

 

Você não ama a nenhum desses homens. Ao seu marido você desejaria matar, não o fazendo por temer ir para o inferno. Já a “sua paixão”, é apenas “paixão”, loucura, obsessão, fixação, posse, controle e desgraça.

 

Para você ambos são covardes por não fazerem o que você quer; ou seja: que seu marido se vá [e creio que tendo você ao lado ele deveria ir antes de morrer!...] e a sua “paixão” destrua tudo e se una a você no espírito do ódio e da morte.

 

Quem um dia conheceu o amor já não odeia. E quem odeia jamais conheceu o amor!

 

Simples assim!...

 

Se ele, sua paixão, tivesse ficado com você logo saberia que desgraça lhe teria acontecido por ter seguido o apelo da mulher de Provérbios seis e oito.

 

Quanto ao conselho que dei a ele, o dei por muitas razoes:

 

1ª. Porque tendo errado e pecado à semelhança dele, aprendi o significado prático de buscar qualquer que seja a felicidade à custa da dor de quem quer que seja;

 

2ª. Porque no passado já não cabe mais nada, mas no futuro ainda cabe tudo;

 

3ª. Porque prego o Evangelho e não a mim mesmo; e jamais faria outra coisa, não importando que erro eu tivesse cometido em minha vida;

 

4ª. Porque senti que ele se arrebentaria todo ao seu lado, conforme hoje você me faz crer;

 

5ª.Porque “seja Deus verdadeiro” e Caio Fábio “mentiroso”, mas a Palavra de Deus não será em minha boca pervertida.

 

Agora, leia Provérbios e me diga se sua alma se parece ou não com a da mulher descrita.

 

 

    

 

Filho meu, guarda as minhas palavras, e esconde dentro de ti os meus mandamentos. Guarda os meus mandamentos e vive; e a minha lei, como a menina dos teus olhos. Ata-os aos teus dedos, escreve-os na tábua do teu coração. Dize à sabedoria: Tu és minha irmã; e à prudência chama de tua parenta, para que elas te guardem da mulher alheia, da estranha que lisonjeia com as suas palavras. Porque da janela da minha casa, olhando eu por minhas frestas, vi entre os simples, descobri entre os moços, um moço falto de juízo, que passava pela rua junto à sua esquina, e seguia o caminho da sua casa; no crepúsculo, à tarde do dia, na tenebrosa noite e na escuridão.

 

E eis que uma mulher lhe saiu ao encontro com enfeites de prostituta, e astúcia de coração. Estava alvoroçada e irriquieta; não paravam em sua casa os seus pés. Foi para fora, depois pelas ruas, e ia espreitando por todos os cantos; e chegou-se para ele e o beijou. Com face impudente lhe disse: Sacrifícios pacíficos tenho comigo; hoje paguei os meus votos. Por isto saí ao teu encontro a buscar diligentemente a tua face, e te achei. Já cobri a minha cama com cobertas de tapeçaria, com obras lavradas, com linho fino do Egito. Já perfumei o meu leito com mirra, aloés e canela. Vem, saciemo-nos de amores até à manhã; alegremo-nos com amores. Porque o marido não está em casa; foi fazer uma longa viagem; levou na sua mão um saquitel de dinheiro; voltará para casa só no dia marcado.

  

Assim, o seduziu com palavras muito suaves e o persuadiu com as lisonjas dos seus lábios. E ele logo a segue, como o boi que vai para o matadouro, e como vai o insensato para o castigo das prisões; até que a flecha lhe atravesse o fígado; ou como a ave que se apressa para o laço, e não sabe que está armado contra a sua vida.

 

Agora pois, filhos, dai-me ouvidos, e estai atentos às palavras da minha boca. Não se desvie para os caminhos dela o teu coração, e não te deixes perder nas suas veredas. Porque a muitos feridos derrubou; e são muitíssimos os que por causa dela foram mortos. A sua casa é caminho do inferno que desce para as câmaras da morte.

 

Você me chamou de “irmão amado” e disse “não me odiar”. Engraçado digo eu! Sim! Como pode da mesma fonte jorrar o que é doce e o que é amargo?

 

Sua alma está em fel de amargura e presa em laços do diabo!

 

Acorde! Você está cavando o mal com as próprias mãos e ficando triste com a sua chance de salvação.

 

Se eu pudesse falar com seu marido, diria a ele que se afastasse de você o quanto antes, para o bem dele e da filha dele.

 

Ficar ao seu lado, enquanto você for assim, é viver com a morte!

 

Ouça o que lhe digo, e não busque nivelar a sua vida pelo pior, e sim pelo melhor!

 

Sou um pecador, mas não sou escravo do pecado e nem estou refém dele. Esta é a diferença!

 

Que Deus a ilumine e dê a você um coração humilde e quebrantado, do contrario, muito ruim será o que lhe aguarda.

 

 

 

Com amor, tremor e temor, Nele, que nos ama e não leva em consideração a nossa estupidez,

 

 

Caio

 

14 de julho de 2008

Lago Norte

Brasília

DF