Português | English

Cartas

VIREI GADARENA NA IGREJA E NA FAMÍLIA

VIREI GADARENA NA IGREJA E NA FAMÍLIA

 

 

 

 

---------- Forwarded message ----------
From: VIREI GADARENA NA IGREJA E NA FAMÍLIA
Date: 24/03/2006 16:12
Subject: estou no mundo...

 

Boa tarde, querido reverendo Caio Fábio!


Que a paz esteja contigo!!


tenho 26 anos e sou batizada na Quadrangular. Há muito tempo não sabia notícias suas. É a correria da vida, trabalho, faculdade, mestrado, casamento. Mas hoje eu achei o seu site. Sempre fui sua admiradora.

Vou te contar um pouquinho da minha vida. Preciso dividir isso com alguém.

Eu nasci em lar evangélico, mas batizei só aos 15 anos, depois de muito hesitar entre o "mundo" e a "igreja". Desde o início eu me engajei bastante nas atividades da igreja. Eu entrei no Coral, fiz solo na equipe de louvor, participava do grupo de dança e teatrinho.

Nunca deixei de lado as minhas amizades "do mundo" e sempre fui discriminada por isso. Minha mãe não me deixava ir ao cinema, ao treino esportivo, à piscina, às excursões com o pessoal da escola, com medo que eu me "contaminasse" com as coisas do mundo. Só comecei a curtir essas coisas depois de "velha" (hehehe). Eu fui à praia e usei meu primeiro biquíni aos 23 anos (tudo escondido).


Quando eu comecei a trabalhar, e depois quando eu entrei na USP, foi o maior "auê". Teve até pregação especial do pastor naquela noite, que era pra ser a minha noite de comemoração e acabou sendo a minha vergonha: "a faculdade e as coisas do mundo estão afastendo os jovens da igreja".

Também sempre gostei de ouvir música "do mundo", sempre gostei de cantar e dançar - o que considero muito importante pra minha formação musical. Mas junto com a música "do mundo" eu também ouvia as ameaças sem fim da minha mãe, dizendo que eu vou direto pro inferno com todos os meus CDs.

Saí da igreja porque fiquei muito decepcionada com umas coisas que vi, e prefiro não contar em detalhes. Das roubalheiras de dinheiro, nem preciso comentar. O pessoal do diaconato que era casado, batia na mulher em casa e ficava com cara de santo na igreja. A galera do grupo de jovens namorava, transava, fazia de tudo e tembém ficava com cara de santo na igreja. Todo mundo me julgando, porque eu estudava à noite e não ia aos cultos da semana. E porque as vezes a grana do mês era muito curta (eu tinha que comprar meus livros da faculdade e pagar as despesas de casa), eu não pagava o dízimo e as "campanhas", então meu nome não saía na famigerada "lista dos dizimistas".

Naquele tempo eu não fumava, eu não bebia, eu não transava. Eu era virgem aos 23 anos - idade que "chutei o pau da barraca", saí de casa e saí da igreja.

Amo a Deus, nunca vou deixar de amá-lo. Ainda tenho todos os meus discos Gospel, tenho a minha Bíblia, faço a minha oração de madrugada. Sinto muita falta de tomar Ceia. Mas me decepcionei muito com a instituição chamada Igreja.

Minha mãe continua evangélica - até demais - e diz que ora por mim. Mas faz questão de frisar, que às vezes as coisas na minha vida não dão certo porque eu "abandonei" Deus.

Tudo piorou depois que conheci meu namorado/marido, com quem vivo há dois anos. Foi algo mágico! nos amamos desde o primeiro instante. Foi com ele que perdi a virgindade, aos 24 anos (!!!) Desde que nos vimos pela 1a. vez, tive a certeza que meu casamento começou ali. Eu o amo muito, sou doida por ele, sou totalmente fiel. E somos muito felizes em tudo. Temos uma química de amor, uma a amizade e um respeito mútuo de fazer inveja a muitos casais "cristãos" por aí.

Desde o começo estamos usando aliança, e tamos fazendo o possível pra nos casar legalmente. Mas ele é estrangeiro (português), e as papeladas do casamento estão demorando muito pra sair. A última previsão que recebemos do consulado de Portugal pra chegar os papéis, foi maio de 2006.

Quando fui morar com ele, Caio (posso te chamar assim?), minha família me "excluiu". Hoje eu sou a perdida, a ovelha negra, a vagabunda. Eu sou a mulher mais feliz do mundo com meu marido, mas me sinto a pior das filhas, e a pior das cristãs. Há dois anos eu estou nessa nóia: apesar de estar em paz com a minha consciência, eu tenho vergonha de dividir essa felicidade com os meus amigos e minha família que ainda são "crentes".

Minha mãe sempre teve muitos problemas com meu pai em relação ao sexo. Eu tenho certeza que ela nunca foi feliz nessa esfera. Ela sempre quis conservar aquela aura de santidade em volta dela. Pra ela o sexo sempre foi algo que era pra "fazer filhos", Deus criou o sexo apenas pra isso. Quantas vezes eu não ouvi os meus pais brigando de noite, porque ele queria e minha mãe não queria. Eu ouvia ela se queixando com a minha avó, que meu pai queria fazer com ela "coisas que não estavam na Bíblia".

Ela nunca conversou sobre sexo comigo, essa que era a obrigação dela, de mãe. Apenas me dizia que eu tinha que me conservar "pura", e não devia deixar ninguém me "tocar" antes do casamento.

Graças a Deus eu encontrei um homem bom, que me ajuda em tudo e me faz muito feliz. Ele cuida de mim, sempre tem paciência comigo e com as minhas neuras, com os meus traumas. Mas eu tô pagando um preço muito alto, porque pra minha família eu praticamente "morri".

Eu ainda temo muito pela minha irmã mais nova, que ainda mora com ela e ainda sofre essa "lavagem cerebral". Ela é uma garota de opinião, tenho certeza que ela tem potencial para se libertar. Vamos ver o que o destino reserva pra ela.

Eu ainda sinto muita falta da comunhão da Igreja, mas não quero ir a um lugar onde as pessoas fiquem me julgando.

Hoje tive uma grata surpresa, quando eu estava navegando no Orkut. Eu me filiei a uma comunidade chamada "Movimento dos Sem Igreja" (comunidade pra quem já foi evangélico mas agora é chamado de "desviado" porque não vai mais a igreja), e hoje vi que uma das comunidades relacionadas era "Rev. Caio Fabio".

Por essa comunidade eu tive acesso à sua página, www.caiofabio.com. Eu estou lendo com avidez e ansiedade todas as mensagens, todos os artigos. Meu coração tá saindo pela boca e o meu rosto tá cheio de lágrimas.

Deus ainda me ama? Eu ainda agrado a Deus? então, eu ainda tenho perdão!!?? por favor, eu preciso de uma resposta para o meu coração ficar em paz.

Gostaria muito de poder te ver pessoalmente, e poder te abraçar, expressar o meu MUITO OBRIGADA.

Se o meu casamento puder receber uma bênção na sua igreja, eu ficarei ainda mais feliz. :)

Peço que ore por mim e pelo meu marido!


Um grande beijo,
_____________________________________


Minha querida filha: Graça e Paz!


Creio que posso chamar você de filha, posto que tenho 4 filhos mais velhos que você.

Graças a Deus você perdeu a “igreja” (nesse caso: “mundo”), mas não perdeu a sua alma!

Digo isto porque, ironicamente, a fim de se livra do mundo, e, assim, não perder a alma, os “crentes” acabaram por fazer a “igreja” virar “o pior dos mundos”.

“Mundo”. O que é mundo?

Nas Escrituras mundo é muita coisa; umas boas e essenciais (natureza, vida, ambiente, cosmos-universo, etc); outras danosas e perniciosas (mentiras, cobiças, invejas, facções, divisões, orgias, maldades, etc...).

Mundo, conforme Jesus, não é uma geografia, mas sim um modo de ver; um olhar; uma forma de entender. Para Jesus o mundo não é feito de poeira de chão, mas sim do pó de alma... ou dos bons materiais dela.

Se os olhos forem bons, todo o seu mundo será luminoso. Se porém os olhos forem maus, todo o seu mundo será trevas; mesmo que seja na cadeia das quatro paredes da “igreja”.

“Mundo”, no sentido negativo da palavra, é tudo aquilo que rouba o amor de Deus de nossos corações. Ora, nessa perspectiva, nos evangelhos, o “mundo” era muito menos o chão no qual Jesus comia e bebia com pecadores do que as fachadas de peseudo-santificação dos fariseus.

“Mundo-mau”, para o Evangelho, é feito de perversão de valores, indo do dinheiro à todas as falsas importâncias, pelas quais os homens dão seu sangue ou derramam o do próximo; ou, quando assim não fazem de modo literal, é o lugar-existencial no qual se julga o próximo; e, por assim se fazer, enche-se a alma de toda sorte de rapinas espirituais e psicológicas.

Ora, o mundo, como “mundo”, é esse lugar de fantasia e perversão do que vale na vida; e sempre nasce no coração. Desse modo pode-se dizer que antes de haver o olhar humano na Terra, não havia mundo; pois o mundo é feito pelo olhar; e pelas produções do coração dos homens.

Entretanto, sem que o percebesse, e em razão da malícia de seu próprio olhar, a “igreja” acabou por virar mais “mundo” que o mundo. E digo isto por uma única razão: ela se tornou, quase que como um todo, no povo da mentira!

Sim, porque a “igreja” é “cosmética”; visto que vive de fachada e existe num baile de máscaras. “Mundo” também é “cosmético”; afinal, é cosmos também; e isto no sentido não do cosmos-natural, mas sim do cosmos-artificial; feito daquilo que Jesus disse que era importante para os homens, mas uma abominação diante de Deus.

Música do mundo? Não há musica do mundo e musica de Deus. Há sim conteúdos bons e ruins; e isto até mesmo em hinos de “igreja”. Não é a mídia — seja o CD, DVD, etc — que faz o “mundo”, mas sim os conteúdos; e, sobretudo os do coração.

Quanto ao seu casamento, saiba: você já está casada. O mais será uma regulamentação formal e legal; nada além disso; mas que é importante quando pode acontecer, especialmente porque os filhos se beneficiam de tal segurança humana.

Se você desejar, e morar em Brasília, onde resido, pode me procurar no “Caminho da Graça” que terei prazer em realizar a cerimônia formal de seu casamento!

Com relação à sua família, não esquente a cabeça. Seja tão de Jesus que os constranja!

Quanto à Ceia, caso você more por aqui, venha e tome dela. Se não morar perto daqui, diga-me onde mora e eu indicarei um lugar onde você pode participar da Ceia. A Ceia é do Senhor. Portanto, quem é Dele pode fazer isto em qualquer lugar, até em casa; e até mesmo sozinho, caso não haja com quem compartilha-la.

Aproveite a sua juventude como mulher. Curta seu marido. Ame-o em reservas. Se entregue a ele com alegria. E sirva a Deus com naturalidade!

O mais, minha querida, é palhaçada humana; especialmente de gente adoecida pela religião.

Como sempre repito, aqui vai mais uma vez: Coam o mosquito e engolem o camelo! Isto sim é o espírito do “mundo”, e que foi aperfeiçoado pelos fariseus da religião!

Fique em Paz!

Que o Senhor seja com você e com toda a sua casa!


Nele, que só considera casados aqueles que se vinculam pelo amor; pois Deus é amor,


Caio