Português | English

Cartas

VIBRO COM ABERRAÇÕES EVANGÉLICAS…

VIBRO COM ABERRAÇÕES EVANGÉLICAS…

 

 

 

----- Original Message -----

From: VIBRO COM ABERRAÇÕES EVANGÉLICAS…

To: contato@caiofabio.com

Sent: Thursday, September 13, 2007 19:34

Subject: Eu vibro quando vejo as aberrações dos crentes.

 

 

Como vai Caio?

 

 

Eu vibro quando vejo as aberrações dos crentes.

 

Hoje eu me senti muito triste comigo mesmo.

 

O que acontece é que, ao invés de me entristecer e orar para que haja mudanças no meio do povo evangélico, eu tenho é ficado feliz e cheio da “razão”.

 

Eu sempre digo pra mim mesmo e às vezes a pessoas próximas a mim que compartilham da mesma opinião: “Olha! Eu estou mesmo certo de ter saído do meio desse povo medíocre”. E geralmente isso vem acompanhado de boas gargalhadas.

 

Às vezes eu tenho como divertimento ficar na internet pesquisando coisas desse tipo só pra ficar mostrando para os meus amigos críticos e juntos ficarmos “descendo a lenha”. Minha motivação é sempre provar pra mim mesmo que eu estou é certo de ter saído desse meio.

 

Contudo hoje, pela primeira vez eu me entristeci. Eu estava vendo algumas coisas de um desses "aproveitadores da fé alheia" e mostrando ao meu irmão daí ele disse: “Não to gostando nem de ver essas coisas mais, por que isso me deixa triste e perdido”.

 

A resposta dele me causou um baque, pois, de fato essas coisas são tristes.

 

Acho que esses sentimentos vibrantes são fruto de anos na igreja que foram fechados com uma chave de decepção muito grande.

 

Eu fui um jovem que dedicou grande parte da minha adolescência e juventude à igreja. Embora eu fosse filho de um pastor desviado, isso não serviu para abalar o meu desejo por me tornar pastor um dia. Cresci ouvindo as pessoas dizerem que eu era uma benção. Minha mãe me vestia como um “pastorzinho” e aquilo eram bonito para as pessoas.

 

Todos diziam: “Esse menino ainda vai ser um pastor...”; e eu gostava e deseja muito isso. Logo que conclui o ensino médio já me inscrevi num vestibular de uma Faculdade Teológica e fui investir no “chamado”.

 

Comecei a me envolver em ministérios da igreja e fui me empolgando cada vez mais. Parecia ser uma vontade pura e verdadeira, mas com um tempo eu fui percebendo que minhas motivações foram mudando e eu já começava a ver que em primeiro lugar eu tentava agradar ao pastor e aos meus lideres a fim de crescer no conceito deles.

 

Isso foi acontecendo de uma forma quase que imperceptível. Eu me lembro que até dor no estomago me dava quando eu pensava que tinha cometido algum erro que poderia desagradá-los. Era uma pressão terrível!

 

Lembro logo que um dos pastores  da igreja que eu freqüentava chegou dos EUA aconteceu um alvoroço na igreja. Só se falava em prosperidade, curas, poder e coisas desse tipo. Eu entrei nessa onda e comece a reproduzir como um papagaio o que ele dizia... “Eu sou o que a bíblia diz que eu sou, eu posso... eu tenho... eu faço... bla bla bla...”.

 

Eu também criticava as pessoas que eram pobres, doentes e as taxava de sem fé.

 

Eu lembro que nessa época a gente estava enfrentando dificuldades financeiras em casa e eu dizia a minha mãe que ela precisava ir aos cultos do pastor "Pop Star" para aprender sobre “fé” e assim nós juntos poderíamos sair daquela situação que o "diabo havia nos colocado".

 

De tanto falar, um dia ela topou ir ao culto do pastor "Pop Star". (esse foi o começo do meu fim para o “evangelho”)

 

Nesse culto ele estava pedindo ofertas e fez um apelo dizendo: “Ofertar é um ato de fé. Você tem que fazer prova de Deus. Se você deixar aqui no altar uma quantia e se em uma semana você não receber 10 vezes mais do que o valor ofertado você poderá vir aqui e me chamar de mentiroso”.

 

Minha mãe trabalhava também como manicure e tinha recebido R$ 10,00 naquele dia e deu tudo lá no “altar”. Ela está esperando até hoje os 100,00 prometidos, mas acho com juros e correção monetária o valor deve ter subido um pouco mais.

 

A partir desse dia eu comecei a questionar essas coisas, mas ainda assim persisti na igreja por mais três anos até chegar ao limite extremo que ocorreu quando fui trabalhar como “funcionário” da igreja.

 

Fui convidado para trabalhar como diagramador e designer gráfico do jornal da igreja. Foi nessa que eu percebi que ser “evangélico” não era o que eu queria pra mim. Estando nos bastidores eu vi tanta coisa errada, tanto oportunismo, tanta coisa tão parecida com o que vemos no cenário político brasileiro que me causava nojo.

 

Era insuportável trabalhar a semana toda lá com aquela gente e depois vê-los domingo no culto com a cara mais lavada do mundo pregando amor e outras coisas que eles não vivem no seu dia-a-dia.

 

Enfim, eu já andava incomodado com tudo isso e o pior ainda viria.

 

Por questões de politicagem e puxa-saquismo a direção do jornal mudou de mãos (prejudicando a muita gente boa que trabalhava no jornal) e então fomos demitidos. Lá é comum quando os funcionários são demitidos, mesmo sem carteira assinada, eles receberem um acerto financeiro.

 

Quando eu fui correr atrás do meu acerto, ninguém teve a hombridade de conversar comigo e acertar as pendências. Botaram-me pra falar com um mané que não sabia de nada para simplesmente me dizer que eu não era reconhecido como funcionário da igreja... E por aí foram uma série de desgastes que me dá preguiça de contar.

 

Vale dizer que meu dízimo era descontado no ato do pagamento.

 

Enfim, chutei o balde e não quis mais saber desse povo e, a partir daí, meu prazer foi de ficar falando mal.

 

Só quero que saiba que a visão que tenho hoje de evangelho é algo parecido com o que você tem pregado. Tanto é verdade que sempre leio seu site e foi por isso que tive vontade de lhe escrever.

 

Contudo não acho nada útil ter uma boa visão de evangelho e não viver. Não vale nada pra mim! Eu quero viver esse evangelho na sua plenitude mais me encontro desmotivado.

 

Se você tiver um tempo ai, me responda? To precisando de animo pra começar de novo.
 
Abraços
 
Leandro

 

[todos os nomes de pessoas e da igreja, que é das mais conhecidas, foram retirados].

___________________________________________

 

Resposta:

 

 

 

Meu querido irmão: Graça e Paz!

 

 

É compreensível que a alma humana naturalmente se sinta como a sua sentiu-se ante constatações desse nível.

 

Entretanto, o que eles fazem é o que eles fazem, e já é assim desde o princípio, pois, houve o altar de Abel, mas o de Caim também; houve o Enoque arrebatado por Deus, mas houve um outro, da linhagem de Caim, que era muito perverso; houve Abraão e houve Ló; houve Isaque e houve Ismael; houve Jacó e houve Esaú; houve José e houve seus irmãos; houve as serpentes de faraó e houve a serpente de Moisés; houve Arão e houve Dotan, Corã e Abirão; houve Josué e houve Balaão; houve fogo santo e houve fogo estranho; houve profetas e muitos falsos profetas; houve Jesus e houve Barjesus; houve Pedro e houve Simão de Samaria; houve onze apóstolos e houve Judas; pois, há Cristo e há anticristos.

 

Você, entretanto, era um cordeirinho precisando de cuidados e foi cair num “Pop Ardil”.

 

Todavia, por mais sincero que você fosse, você estava ali com a alma, e não com o espírito [você está começando a discernir com o espírito agora]; pois, a julgar pelo que ali se prega, se ensina e se crê, quem quer que dali tire seu alimento, ficará conforme aquele que serve o veneno e conforme o veneno faz ficar.

 

A experiência religiosa da alma é sempre infantil ou pagã.

 

A sua experiência tinha apenas sido de alma, de emoção, de paixão religiosa, de empolgação psicológica e social, de expectativas de melhoria de vida financeira, de entrega sincera aos gritos de guerra locais, de crença do tipo “O Segredo”.

 

Ora, com o tempo só fica nessa farsa quem se torna tão dormente e demente que já não mais discerne entre a mão direita e a esquerda.

 

Esses são os escândalos dos quais Jesus falou. E “ai daquele” que assim peca contra a alma do próximo. No entanto, tal fato não dá ao “pequenino” escandalizado o álibi para matar e odiar.

 

Foi por essa razão que Jesus disse que os fariseus davam a volta ao mundo para fazer um clone religioso, e, depois, tornavam esse indivíduo duas vezes mais filho do inferno do que eles mesmos.

 

Essas pessoas são Mestres do Pior!

 

Desse modo, ficar expostos aos intestinos desses “escândalos” andantes, cantantes e pregantes — é um horror.   

 

E mais: ver o resultado da exploração acontecer na pureza de sua mãe, certamente deixou você além de culpado [você a induziu], muito raivoso também.

 

Assim, o trabalho nos bastidores foi a gota d’água para o que se instalou em você. Eu sei por que uma das coisas que mais fiz na vida foi andar em bastidores podres pelo odor da mentira, do engano e da hipocrisia religiosa; e sempre nos mais altos escalões.

 

O melhor lugar que o diabo tem para acabar com a fé natural de um ser humano é a “igreja”, e, nela, o lugar mais excelente para tal desgraça é o bastidor do circo dos cultos de purpurina sem glória.

 

Entretanto, estamos falando de uma “igreja”, de um "Pop-pastor”, de uma Mega entidade, e de um devoto com crença pagã em Jesus.

 

Sim! Até aqui é apenas um jovem empolgado e que se decepciona. Por isso, vai trabalhar para a Decepcionante; e, em tal emprego, perde o emprego da fé. Assim, demanda direitos no mesmo espírito com o qual os Decepcionantes tratam tudo e todos: no uso e no abuso. Nesse ponto até os pagãos fazem o mesmo; tanto quem engana como quem enganado busca se vingar.

 

Então sua alma decidiu se vingar em cada fracasso deles; especialmente nas coisas e áreas da vida na qual eles exploram o próximo e enganam o povo.

 

Ora, qualquer pagão justo e amargurado sente do mesmo modo em sua alma.

 

Entretanto, viver com tais sentimentos é uma droga para a alma; sem falar que mantém o espírito morto em nós.

 

Aí, então, veio a fase que na Bíblia tem uma séria advertência, conforme o texto a seguir:

  

 

A todos os que se alegram com a tragédia dos outros, assim diz o Senhor:

Ezequiel 25 e 26

Assim disse Ezequiel:

De novo veio a mim a palavra do Senhor, dizendo:

Filho do homem, dirige o teu rosto contra os filhos de Amom, e profetiza contra eles.

E dize aos amonitas: Ouvi a palavra do Senhor Deus: Assim diz o Senhor Deus: Visto que tu disseste: Bem-feito! contra o meu santuário quando foi profanado, e contra a terra de Israel quando foi assolada, e contra a casa de Judá quando foi para o cativeiro; por isso eis que te entregarei em possessão ao povo do Oriente, e em ti estabelecerão os seus acampamentos, e porão em ti as suas moradas. Eles comerão os teus frutos, e beberão o teu leite.

Porque assim diz o Senhor Deus: Visto como bateste palmas com as tuas mãos, e sapateaste de alegria com os pés, e te regozijaste com todo o despeito do teu coração contra a terra de Israel; portanto eis que eu tenho estendido a minha mão contra ti, e te darei por despojo às nações, e te arrancarei dentre os povos, e te destruirei dentre os países, e de todo acabarei contigo; e saberás que eu sou o Senhor.

Assim diz o Senhor Deus: Visto como dizem em Moabe e Seir: Eis que a casa de Judá é como todas as nações; portanto, eis que eu abrirei o lado de Moabe desde as cidades, desde as suas cidades que estão pela banda das fronteiras, a glória do país, Bete-Jesimote, Baal-Meom, e até Quiriataim, e ao povo do Oriente, juntamente com os filhos de Amom, eu o entregarei em possessão, para que não haja mais memória deles.

Executarei juízos contra Moabe; e saberão que eu sou o Senhor.

Assim diz o Senhor Deus: Pois que Edom se houve vingativamente para com a casa de Judá, e se fez culpadíssimo, vingando-se deles; portanto, assim diz o Senhor Deus: Também estenderei a minha mão contra Edom, e arrancarei dele homens e animais; e o tornarei em deserto desde Temã; e cairão à espada até Dedã. E exercerei a minha vingança sobre Edom, pela mão do meu povo de Israel; e farão em Edom segundo a minha ira e segundo o meu furor; e conhecerão a minha vingança, diz o Senhor Deus.

Assim diz o Senhor Deus: Porquanto os filisteus se houveram vingativamente, e executaram vingança com despeito de coração, para destruírem com perpétua inimizade; portanto assim diz o Senhor Deus: Eis que estendo a minha mão contra os filisteus, e arrancarei os quereteus, e destruirei o resto da costa do mar.

E executarei neles grandes vinganças, com furiosos castigos; e saberão que eu sou o Senhor, quando eu tiver exercido a minha vingança sobre eles.

Ora sucedeu no undécimo ano, ao primeiro do mês, que veio a mim a palavra do Senhor, dizendo:

Filho do homem, visto como Tiro disse no tocante a Jerusalém: Bem-feito! está quebrada a porta dos povos; está aberta para mim; eu me encherei, agora que ela está assolada; eu o Senhor destruirei a Tiro.



Ora, a simples leitura deste texto é auto-explicativa.

Amom, Moabe, Edom, Filistia e Tiro haviam se regozijado com o juízo de Deus sobre Judá.

Deus estava se entendendo com Judá.

Há anos que os profetas advertiam acerca daquele dia.

Deus contratara a Nabucodonozor como “navalha alugada” a fim de executar Seu juízo sobre Judá.

Mas mesmo Nabucodonozor não poderia exagerar no juízo. Se o fizesse, Deus acertaria a diferença depois.

Ora, se o “contratado” seria assim tratado, o que dizer dos que se aproveitaram para celebrar a tragédia?

O que dizer de Amom e Tiro dizendo Bem-feito?

O que dizer de Amom batendo palmas e sapateando de alegria pela queda de Judá?

O que dizer de Moabe, que dizia: Viram? Judá é só mais um outro. Não nada de especial entre ele e Deus!

O que dizer de Edom que se houve vingativamente contra Judá, fazendo-se culpadíssimo quando aproveitou e se vingou também?

O que dizer dos filisteus, que com desprezo de alma executaram a vingança?

E o que dizer de Tiro, que não apenas disse Bem-feito, mas também disse: A porta da riqueza agora é minha?

Ai daquele que se meter entre Deus e Seus filhos.

Judá está sofrendo?

Você não gosta dele?

Acha que ele merecia?

Não se regozije!

Poderia ser você!

Aprenda com Judá, em silencio!

E saiba: se Judá está apanhando é porque Deus o ama. Deus disciplina a quem ama. Os bastardos é que vão indo, sempre sem a disciplina, até que é tarde...

Sendo assim, aproveite a lição. E seja grato!

Vingança, amargura, inveja, disputas malignas, aproveitamento da desgraça, regozijo com o mal — sempre voltam sobre quem os pratica; mesmo que seja apenas no falar, no celebrar, no dançar de alegria, ou no esfregar de mãos, dizendo: Agora é meu dia de verdade!

Cuidado!

Deus não precisa fazer nada.

Essas coisas voltam sempre, basta que Deus não as impeça de voltarem.

Tem gente que pensa que a ira de Deus é uma ação de Deus.

Se Deus “agisse” não haveria nem mesmo tempo de haver profecias.

Nada sobra quando Deus abaixa a mão em ira.

A
ira de Deus não é o pesar da mão de Deus.


A ira de Deus e o afastar Deus a Sua mão que nos protege sempre.

Para que eu experimente a ira de Deus, Ele não tem que fazer nada contra mim; basta deixar de fazer em meu favor!

Todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam. Amam a Deus.

Se amam a Deus, amam a seus irmãos.

Amam até o inimigo; e amar o inimigo é não tratá-lo como o fizeram Amom, Moabe, Edom, Filistia e Tiro.

A conspiração do bem é em favor de quem ama, não de quem odeia.

E quem pode dizer que ama, se odeia?

E quem pode dizer que ama a Deus se odeia a seu irmão?

E quem pode estar cheio de Deus se está cheio de ódio?

Se você vir Deus “tratando” de alguém, não se regozije; antes, tema, e seja grato; afinal, você está tendo a chance de “aprender”, não de julgar, muito menos de se regozijar!

Deus é amor!

Ele não abençoa a inveja, a amargura, o oportunismo, e o regozijo pela tragédia.

Não se engane: nessas festas o DJ é próprio Diabo.

E ele adora o espírito homicida.

Afinal, ele foi homicida desde o princípio.

Portanto, mano, o que houve é que você estava sendo tragado para um poço de absinto e nele existiria em mórbida alegria, caso Deus não amasse até o seu engano, e torna-se sua alegria de morte em susto, quando seu mano disse que aquilo estava fazendo muito mal a ele.

 

Eu conheço o poder desses sentimentos, pois, em meu coração, luto contra eles sempre; pois, meu espírito sabe que em Jesus só há caminho em Graça e em muita misericórdia; ainda que sem concordar com o erro jamais.

 

Tem gente que pensa que sou contra a “Igreja Evangélica”. Não! Eu servi 30 anos com amor genuíno que poucos a ela deram, de verdade e de coração. Entretanto, depois de nela ter todos os tipos de influencia, vi que o que ela gostava mesmo era de influencia e não de conversão e de mudança conforme o Evangelho.

 

Ora, deixei de ser “evangélico” apenas porque sou Evangélico!

 

Mas dói-me genuinamente o coração ver o pregresso avassalador da metástase desse câncer que não pára de crescer; e que não só se enraizou no corpo todo, mas também encheu o cérebro de tumores, de modo que até quem pensa, delira e nada diz.

 

Minha oração é para que se convertam — para que todos se convertam; e oro com a mesma esperança por muitos católicos também; assim como esta é minha oração em favor de todos os homens.

 

Aconselho você a procurar uma Estação do Caminho da Graça aí na sua cidade. Entre no site e veja a lista de Estações e seus respectivos endereços e horários de encontro.

 

O que você precisa mesmo é crescer no entendimento do Evangelho e deixar de vez de ser escandalizável. Somente aquele para quem Deus ainda é objeto de barganha é que se escandaliza com coisas como essas. Elas são feias. Mas o homem espiritual discerne todas as coisas e segue seu caminho; e segue sem escândalo.

 

Ora, já é tarde e tenho que descansar!

 

 

Um beijo pra você!

 

 

Nele, que nos chama a apenas desejar o bem a todos os homens,

 

 

Caio

 

14/09/07

Manaus

AM