Português | English

Cartas

URGENTE: AOS FILHOS “SIM” DA VEM & VÊ TV: Como é? É ou não é? - Caio

URGENTE: AOS FILHOS “SIM” DA VEM & VÊ TV: Como é? É ou não é? - Caio

 

 

 

 

 

URGENTE: AOS FILHOS “SIM” DA VEM E VÊ TV: Como é? É ou não é? - Caio

 

 

 

Queridos amigos e irmãos que se inscreveram na Vem e Vê TV: Graça e Paz!

 

 

No que concerne à VVTV, primeiro lancei uma pesquisa no site perguntando: “Caso tivéssemos uma televisão na web, ao valor de R$30,00 por mês, você se interessaria em ter o canal?” — e mais de mil pessoas disseram “sim”.

 

Depois passamos os meses seguintes “montando a televisão” e informando todos os “pré-inscritos” acerca de tudo o que estava acontecendo. Muitos, entretanto, se mostravam impacientes e desejavam “pagar logo” e garantir sua assinatura do canal.

 

Uma vez no ar, a partir do início de maio, mesmo antes do dia 11, quando seria a “inauguração oficial”, liberamos gratuitamente o sinal para todos os que já estavam pré-inscritos e, também, a todos os que desejavam se inscrever a fim de ter “um gostinho” do canal. E isso pelo prazo de quase um mês.

 

Tudo de graça, tendo sido pago por um irmão amado que desejava que déssemos a chance a todos de terem uma experiência; tipo: irem usando a fim de prepararem-se em termos de “banda de internet” a fim de bem receberem o canal.

 

Avisamos (através do software da televisão, cerca de seis dias antes do prazo de expiração da validade da “assinatura gratuita”) que antes do fim daqueles dias cada um deveria escolher seu modo de assinatura e fazer o pagamento.

 

A data expirou, mas apenas um terço dos assinantes originais pagaram até aqui, e, assim validaram sua assinatura. Os demais estarão sendo “desabilitados” caso não respondam a esta carta.

 

Meu desejo, como todos sabem, seria o de oferecer o canal completamente de graça. Entretanto, como não tenho tais meios, preciso cobrar dos que desejam o canal e seus conteúdos, a fim de que paguem de modo diligente e responsável, pois, aqui, tudo é “bem contado”, e não sobra recurso para nada.

 

Minha tristeza nesta hora é sempre a mesma: quase todos são filhos “sim”, que dizem “sim”, mas não fazem nada.

 

Enquanto isso... surgem, para minha surpresa, os filhos “não”, mas que ao final são o que efetivamente dizem “sim”, na prática, às coisas que os demais celebram e não aproveitam.

 

Leia o texto no link abaixo e você entenderá o espírito acerca do qual estou falando:

 

A PARÁBOLA DOS FILHOS “SIM” E “NÃO”

 

Pois bem, o prazo expirou, e, para os que acham que é somente “mais um prazo”, saiba: fizemos tudo aqui crendo em sua palavra inicial, a qual foi confirmada por você muitas vezes.

 

Desse modo, peço a você que cumpra o que você mesmo determinou, ou então nos diga com sinceridade e clareza, pois, de fato, não podemos fazer nada baseados em compromissos de gente que diz “sim” querendo dizer apenas “se der” ou, ainda, “quem sabe!”

 

Se isto não é sério para você, saiba: para mim é muito sério, e não tenho tempo na vida a perder com quem diz o que não está disposto a levar adiante.

 

Portanto, se é, é; mas se não é, então, diga que não é. Mas não brinque de que “pode ser”.

 

Contratamos pessoas, compramos equipamentos, gravamos programas, acabamos de produzir documentários novos em Israel, adquirimos enorme quantidade de material para entretenimento, iniciamos novos programas, que estão sendo gravados por pessoas em outros lugares — tudo para cumprirmos séria e responsavelmente a nossa parte com você.

 

Agora é sua vez de falar! E sua forma de falar é assinando o canal, ou, então, pelo menos, nos dizendo que você desistiu e não quer. O que não podemos é ficar contando com aquilo que você promete mas não cumpre, se esse for o seu caso.

 

Se esse for o seu caso, por favor, escreva um e-mail para chico@caiofabio.com dizendo que você começou a construir a torre mas não avaliou as implicações, por isto, agora, você não quer ou não pode. Porém, não nos deixe no silêncio.

 

Este é meu pedido de homem a homens e mulheres que já não são meninos!

 

 

Um forte abraço!

 

 

 

Nele, que nos ensina a ver bem o que queremos,

 

 

Caio

 

01/06/08

Lago Norte

Brasília

DF