Português | English

Cartas

SOBRE LOBOS E PASTORES

SOBRE LOBOS E PASTORES

-----Original Message-----
From: Pastores e Lobos
To: contato@caiofabio.com
Subject: Como diferenciá-los?

Mensagem:

Prezado Caio,

Li sobre a “Quebrando a Quebra de Maldições".

Na verdade, as dependências se criam no meio cristão, por medo mesmo e falta de uma fé, são totais.

Veja, como alguém pode prescindir de uma igreja para se firmar na fé? Ou como pode escolher entre tantas? Essa sempre foi minha pergunta. Tanto é, que depois de ter sido alcançada (quase sempre é pelo trabalho de uma igreja, de gente dedicada a uma "obra"), fiquei um ano sem me congregar, perguntando pra Deus onde ir para servi-Lo.

Não me sentia e não me sinto ainda em condições de decretar uma independência da igreja, a capacidade de me alimentar inteiramente sozinha. Isso evitaria correr o risco de ser enganada. Por outro lado, como os Coríntios, Efésios e Gálatas preciso da figura de um Paulo para me dar o leite, e a comida mais sólida. Isso é sim, estar na dependência de quem quer que sejam estas pessoas; se pastores de fato (e apóstolos como Paulo), ou mercenários.

Graças a Deus por homens maduros que se alimentam sozinhos e podem até oferecer o alimento-palavra a outros — alimento des-contaminado e puro. Quero ver assim (como homens maduros) os meus pastores diretos, e aqueles que constituem a igreja. Mesmo quando reconheço neles um pouco de certas atitudes descritas no seu artigo, faço esforço por vê-los melhor. Por isso e oro pra que eles sejam assim, apenas pastores.

Afinal, a igreja é um mal necessário? Insurgir-se não é uma rebelião contra uma ordem estabelecida (congregar-se)? E ir pra que lado, meu Deus? É uma salada!

Prefiro ficar quieta e buscar mais fé, não para me insurgir, mas também para não me deixar escravizar... mas para crer como Cristo ensinou e amar como Ele amou a própria igreja....

Sei que Deus e igreja não são a mesma coisa, mas vejo que muitos não percebem isso.

Estou numa linha divisória entre viver a liberdade verdadeira de Cristo e obedecer ao projeto da igreja sem causar escândalo. Será isto possível?

Abraços.



Resposta:

Querida irmã: Paz!

Na verdadeira Igreja não há essa contradição entre ela e Cristo!

Há, sim, seres humanos imperfeitos, mas que sabem disso, e, portanto, não fazem propaganda de "seu poder", mas da Graça de Jesus.

A “igreja” é outra coisa. Ela é que impõe esse dilema. Mas se você andar com Jesus, andará também com os irmãos, e saberá a diferença. E se conhecer Jesus, saberá identificar quem é pastor e quem é lobo. E aqui não se fala de um concuros de juízos --isso é pecado--, mas sim de clara demonstração de sinceridade, a qual só se manifesta como expressão de amor e de humanidade.

É simples: o pastor dá a vida e ensina a Graça que faz amar a Cristo. O pastor ensina a Palavra, não a última moda; e nunca se oferece como o exemplar encarnador do Evangelho, mas apenas como um irmão caminhando na mesma Graça. Portanto, quem lê e busca o discernimento na Palavra não será enganado.

O lobo, todavia, vive para pedir e explorar. E sempre usa o medo e a tirania para gerar dependência. O lobo ensina que as pessoas têm que se submeter a ele, aos seus ensinos, e não ajuda nunca as pessoas a andarem com as próprias pernas. Para o lobo, a consciência e a liberdade são sempre uma grande ameaça ao domínio dele.

Congregue-se. Não devemos deixar de nos congregar, diz Hebreus. Mas junte-se às ovelhas, e seja ajudada por pastores que sejam gente boa de Deus, e não camelôs da venda de suas próprias pseudovirtudes.

Fuja do campo dos lobos. É muito fácil saber a diferença. Não para separar "joio do trigo", mas apenas para comer trigo ao invés de se submeter a uma venenosa diata de joio.

Portanto, não se trata de julgar a alma dos outros, mas sim de alimentar a sua alma com a Palavra da Graça de Deus.


Um abração,


Caio