Português | English

Cartas

SÍNDROME DO PÂNICO CONJUGAL!

SÍNDROME DO PÂNICO CONJUGAL!

 

----- Original Message -----

From: SÍNDROME DO PÂNICO CONJUGAL!

To: contato@caiofabio.com

Sent: Tuesday, March 24, 2009 4:14 PM

Subject: Caio, fala comigo !!

 

 

Olá Caio,

 

Gostaria de te chamar pelo nome!

A terapia tem me feito desabafar, mas a culpa me cobra um diagnóstico preciso e prescrito, para me justificar.

Já é a segunda carta que lhe escrevo.

Tenho ouvido você pregar. Estou sendo rasgado de dentro para fora, pensei que havia abandonado o Evangelho, mas abandonei a hipocrisia de não vivê-lo plenamente.

Disse a você que após muito tempo dizendo pra Deus o que eu achava que tinha que ser, passei a dizer o que sinto, penso, o que sou.

O primeiro e único relacionamento sério após uma conversão milagrosa ainda adolescente [pois tive uma adolescência parecida com a sua], me levou ao altar.

Culpo-me demais por não interrompido isso antes, porém decidi que a escravidão emocional que vivo era fruto da minha irresponsabilidade pelo casamento.

Decidi vegetar, não fiz mais amigos; os que tinha não cultivei. Apenas me sobraram silencio, angustia, sofrimento.

Dentro de tudo isso as pessoas que me conhecem de verdade relatavam que meus olhos não brilhavam mais, era necessário apenas me olhar para chorar comigo.

Por outro lado, em alguns pequenos momentos de alívio, as pessoas se apaixonavam por mim, queriam a minha presença, se emocionavam e até após relatos da minha angústia se viam amadurecidas diante da vida

Hoje temos dois filhos. Não queria o segundo filho, mas o controle que minha mulher exerce sobre mim é absurdo. Deixo de confrontá-la apenas para não ouvir sua voz.

Depois de 10 anos de casado e sendo sempre fiel, pois acredito no respeito pelo ser humano, mas não me respeito a ponto de dizer o que sinto — traí.

Enfim, me vi diante de uma única carona que dei para uma colega de trabalho, uma mulher linda e madura, separada e sozinha.

Havia ouvido alguns comentários sobre ela sair com outros homens e ser muito cobiçada por todos, mas nunca me interessei por vida extraconjugal.

A carona (mal-intencionada da minha parte sim, mas sem coragem de concretizar o fato), foi direto pro motel, depois de sugerir ser uma carona para casa mesmo, de sugerir parar em algum lugar para comer.

Depois de muita conversa e desabafos da minha parte ela me pediu um beijo e muito depois estávamos transando.

Nossa, cheguei em casa arrasado, querendo me livrar daquele peso, queria contar tudo, mas não consegui.

Acordei morrendo de saudade dela e nisso já se passaram nove meses.

Que mulher incrível, a cada dia me surpreendo com ela, com sua compreensão e modo de agir e pensar diante da vida, com sua simpatia e alegria contagiante, com o amor que ela me oferta e me faz livre.

Percebi uma pessoa carente e sincera que acabou sempre sendo escolhida, pois é muito bonita.

 

Depois de pouco tempo de nossos encontros e como era obvio devido ao meu comportamento, minha mulher descobriu. Nossa !!!!, o mundo desabou sobre ela.

Logo depois, decidi sair de casa e contar tudo para minha mulher, não motivado por ficar no novo relacionamento, mas decidido a me encontrar antes de tudo, a buscar o tempo de anulação que eu vivi.

No dia em que contei, ela me surpreendeu dizendo que já sabia e que perdoava e me queria em casa. Após minha recusa ficou transtornada e me chantageou dizendo que faria um escândalo no meu trabalho; e eu cedi.

Depois de uma semana em casa saí novamente dizendo que não aceitaria isso e o fiz.

Ela estava grávida e a situação ficou muito complicada, então voltei para casa com o objetivo de não causar problema e a minha filhinha nasceu bem; e foi o que aconteceu.

Enquanto isso o silêncio reina entre nós e age como se tudo estivesse normal.

Temos um ótimo apartamento em Belo-Horizonte; a família dela mora toda perto, meu filho estuda a 450 metros de casa; têm piscina, brinquedos; dou Graças a Deus por toda estrutura física que eles tem.

Ser pai para mim é muito sério e muita responsabilidade. Esse mundo está caído e apesar da minha esperança em Cristo, a nossa jornada por aqui e muito dura.

Quando penso em sair de casa e recomeçar minha vida, não consigo concretizar a idéia de vender o apartamento e tirar meus filhos do lugar de conforto que estão, mesmo pensando em ficar com uma pequena parte para comprar uma kitinet — visto que sei que vou reduzir o padrão de conforto que conquistei para eles.

Estou endividado, meu salário está 100% comprometido e não tenho condições de alugar nada pra morar.

Não tenho como morar com meus pais.

Hoje, minha tristeza e angustia é TÃO GRANDE!

Até a pessoa que me fez acreditar na vida novamente perguntou se não estava na hora de acabar tudo, pois eu também não estou inteiro para ela.

Foi o que eu fiz, depois de ouvir sua mensagem do último domingo.

Não estou sendo HOMEM o suficiente para tomar uma DECISÃO. Fazer um corte, uma cisão. Estou aprisionando às duas.

Cheguei para minha mulher e disse que não deitaria mais na mesma cama (apenas dois corpos no mesmo lugar, sem contato nenhum – QUE ABISMO NOS SEPARA) enquanto não tomasse uma decisão.

Cheguei para minha “amante” e disse que não ia mais encontrá-la enquanto não tomasse uma decisão no meu casamento.

Estou morrendo de saudade da minha namorada, companheira, confidente e ao mesmo tempo fiz isso para ouvir o silêncio, a voz do meu coração, a voz de Deus.

Não sinto culpa em estar com ela, mas sinto culpa de estar em casa e encontrando com ela.

Não consigo enfrentar minha mulher. Tivemos duas conversas nesses meses e ela insiste tanto em reconstruir, em mudar. Falta eu dizer que não quero mais, mas não faço.

Fico com medo de estar indo “contra a vontade de Deus” não dando uma segunda chance.

Quero ficar longe da minha mulher, me sinto refém. Mas não tenho raiva, não quero fugir das minhas responsabilidades até porque ela não trabalha.

Essa é minha luta!

____________________________________________

 

Resposta:

 

Meu irmão amado: Graça e Paz!

 

Se o Espírito de Cristo habita em mim, e Ele habita, digo a você o seguinte:

Se Jesus estivesse sendo indagado por você em meio ao caminho, sei que Ele diria:

Ninguém pode servir a dois senhores, pois, ou amará a um e desprezará ao outro, ou devotar-se-á a um enquanto aborrecerá ao outro.

Esses dois lugares em luta dentro de você são dois senhores poderosos. Laceram e não deixam ninguém vivo.

De um lado uma ilusão, uma linda fantasia, um harém particular, uma terapeuta sexual e amiga de risadas na cama das levezas e dos prazeres...

De outro lado a sua esposa, seu casamento irrefletido sendo você quase ainda menino; e todos os desgastes resultantes de ter casado sem vontade de casar ou sem a consciência do que estava decidindo, em razão da imaturidade. Entretanto, há anos de convívio e dois filhos amados, além de uma vida, com rotinas importantes.

Todavia, olhando para esses dois cenários, dá para perceber que seu problema não é esse.

A amante é pura ilusão. É a Disney para um homem que nunca andou de montanha russa e sempre sonhou em ter essa emoção chocante. É suco de adrenalina com a fruta do tesão proibido. A amante não existe. E só é tão linda por não existir. As verdadeiras amantes são as que subsistem nas rotinas de uma existência que não acontece dentro do Motel, mas sim do zoológico da existência insana.

Se a amante sobreviver à jaula das rotinas, então, saiba: ela é mesmo amante, pois, ama.

Assim, só se conhece uma amante nos ambientes que não são os dos “amantes”, pois, no ambiente dos “amantes” não dá para se saber do amor, mas apenas do prazer e da alegria fugidia do momento.

Portanto, somente depois de muitos anos como esposa que goza e faz ter vontade de gozar apesar de tudo, é que uma mulher poderá ter se provado como uma verdadeira amante — e o mesmo vale para o homem, é óbvio.

Este é o paradoxo dos “amantes”.

Porém, existe a esposa. O que é a sua esposa para você? Hoje é apenas a mãe de seus filhos, mas não é sua mulher. De fato ela foi sua companheira de prisão, sua múmia amiga no sarcófago que foi o casamento de vocês; isso segundo você disse.

Sobretudo, existem os seus filhos. Filhos que estão ainda na idade de estar bem mesmo quando nem tudo está bem com os pais.

Por ultimo vem o dinheiro. A impossibilidade de manter dois lugares.

Mas seriam estes os problemas?

Na realidade há um só problema:

Você não quer ficar com ninguém e está sem vontade de dizer isto a você mesmo.

Na realidade você cansou e está gritando por socorro, por ar, por um balão ou baloa de oxigênio, por um lugar de refugio.

Ou seja: é uma espécie de Síndrome do Pânico Conjugal.

Provavelmente você tenha se esgotado no poder de viver a conjugalidade com a mãe de seus filhos; por não amá-la, e por ter tido a certeza sensorial de que você poderia experimentar uma droga mais forte: sexo como nunca antes e uma pessoa para rir na cama.

O problema da amante é que o universo dela é, para você, apenas uma cama. É um espaço muito pequeno para caber toda a existência. Me desculpe o Drummond.

A menos que a pessoa nada queira além de uma cama, uma boa cama, mas sem camas a serem arrumadas como rotinas do dia a dia!

Entenda tudo como parábola, por favor.

O que Jesus diria mais a você?

Penso que diria que sem amor todo convívio conjugal faz mal.

Penso que diria que entre duas senhoras ou senhores nenhum homem encontrará a verdade.

Penso que diria que o seu melhor caminho agora é renunciar a tudo e buscar em primeiro lugar o reino de Deus.

Penso que diria que os temas da angustia são reais e humanos, mas que o mais importante agora é buscar o amor de Deus como experiência de renovação de sua consciência.

Voltando à vaca fria.

Se não der para conviver sem uma definição, e se não der para sair para seu próprio lugar, proponha divorcio, porém, explicando a necessidade da coabitação na casa, até que você possa sair.

Tem ela tal capacidade?

Entretanto, não se iluda com amante. Ela é “amante”, mas, tudo indica que não seja exatamente amante.

E não digo isto pela fama dela, pois, não acredito em famas. Digo apenas pela resolução dela, naquela hora, naquele momento, que, de duas, uma: ou diz que “o gato subiu no telhado”; ou, então, diz que “se você não se resolver logo, é melhor a gente não se ver mais...”.

Na realidade, seja qual for a versão, saiba: quem diz isto mantém o gato sempre de prontidão no telhado.

O que para você é vida, para ela pode não ter o mesmo peso e gravidade.

Por isto, digo a você:

Não ande sob o pastoreio emocional das ilusões e das fantasias. Pois, a vida só se mostra verdadeira no tempo e no espaço, em todos os ambientes da existência; e não nos lugares escuros dos prazeres sem contas a pagar, sem famílias a administrar, sem dissabores a serem comidos juntos, um dia depois do outro.

Amor de motel só “sofre tudo” quando o parceiro é sem jeito ou quando a pessoa é masoquista.

Entretanto, se sua esposa não aceitar a proposta, e se você vir que não tem volta para você, então, proponha uma solução muito boa para ela e os filhos, e que seja mínima para você ter seu canto e prosseguir.

Mas saiba:

Duvido que angustiado, sem grana, em uma kit, a amante se candidate a deixar tudo pra ir com você.

Além disso, não creio que ela irá lhe oferecer moradia com ela e os filhos dela.

Portanto, vá bem de pacito, pois as surpresas nem começaram.

O importante, no entanto, é o trabalho que Deus está fazendo em você em meio a isso tudo.

Não perca o embalo e vá fundo!

É enquanto sobre a terra há fogo, fumo e vapor de fumo, que diz a Palavra que o Espírito é derramado sobre toda carne.

Ora, o fogo, o fumo e o vapor de fumo estão aí.

E o Espírito parece estar querendo se derramar sobre você.

Não perca o manjar eterno e duradouro em razão das lutas que existem entre a tristeza do passado e uma ilusão do presente.

Encha-se de Deus, em primeiro lugar, e as demais coisas, todas elas, uma a uma, irão para o seu próprio lugar.

Receba todo o meu carinho!

Espero abraça-lo logo.

 

Nele, que conhece os corações dos homens, e sabe quando o erro não cria um ser errado, antes o põe no caminho da verdade,

 

 

Caio

24 de março de 2009

Lago Norte

Brasília

DF