Português | English

Cartas

SEM UM PÚLPITO NÃO SOU NINGUÉM!

SEM UM PÚLPITO NÃO SOU NINGUÉM!

 

----- Original Message -----

From: SEM UM PÚLPITO NÃO SOU NINGUÉM!

To: contato@caiofabio.com

Sent: Thursday, February 19, 2009 4:42 PM

Subject: frustração e decepção

 

Prezado Pastor Caio Fábio!

 

Recentemente fiquei sabendo do seu site.

 

E na medida do possível tenho acompanhado e lido suas orientações através das cartas que lhe são enviadas.

Vamos direto ao assunto. Sou um dos pastores de uma comunidade evangélica. Faz alguns anos que cometi adultério; resultando em divórcio. Mas o que ocorre é que fui afastado por conta dos acontecimentos.

Atualmente estou  integrado no ministério; era muito atuante; hoje sou mais um no meio da multidão...

Ministrava nos cultos, e confesso gostaria de voltar a pregar, mas a sensação que tenho é que não haverá mais esta oportunidade.

Bem sei que a pregação não é tudo, mas esta minha ociosidade (digo geladeira) tem levado a comunidade a não reconhecer meu ministério.

Algumas vezes tenho ministrado em um curso teológico em nossa igreja, mas sinceramente desejaria voltar a pregar; ou seja: ser mais atuante.

Desculpe pela minha ousadia e pretensão, e diria carnalidade em me julgar superior e melhor que os demais pastores que ministram.

Diante desta situação o que vc me sugere que faça, até porque estou muito decepcionado com tudo com o que tenho me deparado no meio evangélico; digo: facilidades apresentadas...; tipo: a partir do momento que me torno um cristão serei próspero e estou livre das lutas e etc...

Outrossim, amo a igreja e os irmãos. Diante desta situação como proceder?

Um abraço

__________________________________

 

Resposta:

 

Meu irmão amado: Graça e Paz!

 

hoje sou mais um no meio da multidão...

 

Sua ansiedade não é espiritual, é psicológica; e é semelhante ao que sente um deputado que perdeu o mandato, e sofre com saudades do tempo em que era levado no andor do reconhecimento público.

Digo isto porque o que você sente é o que sente todo aposentado. Mas não é o que sente um pregador do Evangelho.

Tanto o político quanto o aposentado são enquanto estão nos seus postos, mas um pregador só deixa de ser pregador se deixar de ser e de pregar.

Ora, Jesus não disse:

“Eis que vos darei púlpitos e platéias, e, assim, com emprego ou oportunidade atrás do santo púlpito, vós vos realizareis pregando o evangelho, e, havendo chance, batizando os novos prosélitos e fazendo seus casamentos e enterros”.

Digo isto porque a sua carta soa algo coerente com o que acima propus como uma não-fala de Jesus.

Mano, quem tem o que pregar — não quem aprendeu a falar de Jesus na frente dos crentes —, prega; e prega sempre; e prega mesmo quando nada diz; e, nunca consegue não pregar, posto que a Palavra o inunde e nele transborde.

De tal modo que a pessoa não tem o seu conflito enquanto existir gente andando na rua, na praça, no bar, na praia, no trabalho, no ônibus, no táxi, na festa, e, creia: até no ambiente físico da “igreja-templo”.

O problema é que vocação evangélica fala de ir pregar na China, desde que lá haja um púlpito.

Parece até que o que se diz é:

“No Principio era o Púlpito, e o Púlpito estava com Deus, e o Púlpito era o único lugar de onde se poderia pronunciar a Palavra de Deus!”

Nunca entendi essa necessidade de receber esse suposto imantamento do poder e da autoridade que procede do “santo púlpito”.

Comecei a pregar nas ruas, aos amigos, aos malucos, aos zangados pais de ex-namoradas, aos que antes me temiam, aos que eu havia dado surras, aos que um dia tinham me amado, aos que eu amava como parentes e gente importante para mim, etc.

Quando todos reconheciam que eu pregava porque pregava, então, passaram a também me convidar para pregar, mas apenas porque eu pregava com ou sem eles.

Essa fixação no púlpito chega a ser fetichista!

Assim, mano amado, se você ama pregar, viva e pregue; e não há porque se frustrar, pois, neste país há pelo menos 160 milhões de não-evangélicos, e também todos os evangélicos — e creia: todo mundo precisando conhecer a Palavra.

Assim, não sei qual é o seu problema. Afinal, você tem tudo: a mensagem, a vontade, o mundo carente, e está vivo.

Portanto, mano querido, comece a pregar. Só depende de você.

No entanto, se você só pensa em pregação como algo que aconteça atrás de um púlpito — então, sugiro que você não pregue; posto que sendo este o caso, você não é um pregador da Palavra, mas apenas um ator de púlpito, e que anda com saudades do andor.

Espero que você não me ache duro. É que não tenho como ser objetivo sem ser objetivo.

Penso no que lhe disse e sonde diante de Deus as motivações.

Púlpito e platéia [com tudo o que daí decorre] viciam mais que heroína.

De fato, para quem considera tais coisas essenciais, creia: platéia e púlpito se tornam drogas das mais sérias.

Receba meu carinho e meu amor sincero.

 

Nele, que pregava enquanto ia... — e que ordenou que conosco fosse igual: “Indo por todo o mundo, preguem o Evangelho...”

 

Caio

19 de fevereiro de 2009

Lago Norte

Brasília

DF