Português | English

Cartas

SEM MARIDO E FILHOS? QUE SENTIDO?

SEM MARIDO E FILHOS? QUE SENTIDO?

 

 

 

 

----- Original Message -----

From: SEM MARIDO E FILHOS? QUE SENTIDO?

To: contato@caiofabio.com

Sent: Sunday, January 04, 2009 7:54 PM

Subject: SEM BARGANHAS COM DEUS

 

 

Eu demorei muito para querer ler seu livro SEM BARGANHAS COM DEUS porque achava que já sabia do que se tratava. Acontece que me mudei para o exterior e aqui não tem nada pra fazer; e então eu pedi vários livros seus emprestados para ler de uns brasileiros que moram no lugar. Estou quase acabando de ler.
 

SEM BARGANHAS - O LIVRO



Acontece que quanto mais eu leio o que você escreve, mais eu me sinto perdida; todas as minhas certezas se foram; a cada página eu me deparo com um grande defeito meu, alguns tão enraizados que não sou capaz de dizer que estarei livre deles.
 
Descobri que venho barganhando com Deus desde criança. Me lembro que me achava sempre muito boazinha e por isso merecia o melhor que vinha de meu pai... A esfera apenas mudou; continuei a ser "perfeitinha" e a achar que isso me faria ser merecedora de toda a Graça (que eu não sabia que vinha de graça); até que levei um horrível tombo na minha vida, que foi ver meu noivado acabar na véspera do meu casamento.
 
Eu nunca entendi de fato o que aconteceu comigo: me achava tão correta e perfeita que nunca poderia ter recebido da vida essa paga.
 
Acontece que hoje começo a entender quem eu sempre fui; e o pior: não sei se consigo ser renovada e verdadeiramente nascer de novo.

 

Ainda sonho com a minha própria família, mas meus defeitos são sempre os mesmos; sou sempre muito rigorosa com o comportamento de todo homem que conheço.

 

Acontece que ouço e vejo tanta coisa louca que já não consigo determinar onde estou certa e onde não estou.
 
Estou muito confusa e sem discernimento pra vida, o que antes nunca me aconteceu, pois, apesar da conseqüência da solidão ser grande, eu sempre estive certa do que fazia.

 

Faço terapia há uns tempos porque estou disposta a ser diferente, pois, nada valerá nesta vida para mim se não puder amar e ser amada, construindo minha família.

 

Isso tem um significado pra mim maior que minha própria vida (sei do exagero, mas é o que sinto).
 
Sei que hoje não consigo fazer isso sozinha, pois sou arraigada em regras. Nunca antes havia ouvido que o que está Escrito não é maior que o que foi Dito... Às vezes acho que estou ficando louca, pois para mim sempre foi o contrário... Na vida, no trabalho e em todas as minhas relações, valeu sempre o que estava escrito!
 
Bom, preciso começar tudo de novo e estou perdida.
 
Nem sei porque estou escrevendo, talvez para que Deus o ilumine a me dizer algo que me possa tirar do lodo que me sinto estar.

 

Sinto como se fosse ter um infarto tamanha é a dor do meu peito em saber o quão difícil é ter algum discernimento sobre o que eu fiz da minha vida até agora e não saber pra onde andar.
 
Muito do que eu leio soa como controvérsia. Se eu leio dois textos seus eu enxergo controvérsias e fico perdida. Eu não estou conseguindo enxergar o Caminho.
 
Eu preciso que saiba que eu o amo muito! Pela sua vida, pelo que representa para a verdade do mundo Cristão que se perdeu; por tudo que sei ter feito por muitos ao longo desses anos da sua vida; por entender aos poucos o que você têm feito por nós do Caminho da Graça; e por conseguir enxergar que a forma que você fala e interpreta o evangelho vem da pureza do coração de Deus!!

 

Isso é indiscutível!
 
Eu acho muito difícil que eu consiga ter a clareza que você tem para entender o mundo, eu só gostaria de entender e consertar o meu, e conseguir ser feliz nessa caminhada.

 

Obrigada.
 
Deus te abençoe,
______________________________ 

Resposta:

 

Minha querida amiga: Graça e Paz!

 

 

O livro “Sem Barganhas com Deus” é a coisa mais simples possível de ler, pois, de fato, ele é apenas a explanação do Evangelho e de seu significado conforme Jesus, os Apóstolos e o ensino do Novo Testamento.

 

Nada há novo nele, mas apenas de-novo através deles.

 

O que está acontecendo é que o processo iniciou em você.

 

Ora, o processo da consciência da fé [conforme o Evangelho] nasce de uma profunda convicção de pecado e de pecados; os quais não têm nada a ver com as “listas de pecados da religião”.

 

Afinal, na religião você estava “bem e sem angustias” desse tipo.

 

Mas a convicção do Espírito não é segundo os mandamentos das exterioridades, porém conforme a certeza que Ele nos dá acerca de que é pela pratica do amor que fazemos a Sua vontade.

 

E mais:

 

A convicção do Espírito Santo também nos garante que podemos ter uma relação intima com Deus, como Paizinho, não porque sejamos “os filhinhos”, mas apenas porque Ele é Bom e Sua misericórdia não tem fim.

 

Assim, sua confusão e seu estado de perdição decorrem apenas da remoção de seu antigo e falso senso de “justiça própria”, a qual, agora, você ficou sabendo que não passa de “trapo de imundícia”.

 

Desse modo, sua atual perdição é sua salvação, se você a transformar em entrega humilde e quebrantada a Deus, não mais barganhando com Ele, mas tão somente aceitando o que de graça nos vem da parte Dele; e sempre para além de tudo o que de bom possamos sonhar para nós mesmos.

 

O problema é que a religião também faz do casamento um mito de felicidade, sem cuja realização o homem ou a mulher estão incompletos na Terra.

 

Você disse:

 

“Isso tem um significado pra mim maior que minha própria vida (sei do exagero, mas é o que sinto).”

 

Veja que seu Deus é seu sonho de casar, ter filhos e ter uma família.

 

Sinto informar, mas se tais forem os pilares de suas expectativas de felicidade você morrerá infeliz!

 

Você crê que, para você, sem casamento não há felicidade. De fato, você não deixa transparecer que seja sem homem, mas de fato sem marido, filhos e uma família.

 

Ora, nesse caso o nosso modelo de homem, o Filho do Homem, Jesus, teria de ser considerado um infeliz, pois, Seus filhos todos são adotivos e nenhum deles nasceu de uma relação sexual de Jesus com alguma santa concubina.

 

Paulo também seria outro desgraçado. E a ele ajunte-se João Batista e provavelmente quase todos os apóstolos, os quais se dedicaram à causa do Evangelho de tal modo, que não mais lhes sobrou tempo para as felicidades do imediato.

 

Pela leitura de sua carta percebi que tão importante quanto o noivo era o noivado, e que tão ou mais importante que o marido seria a família e a procriação.

 

Tendo tais expectativas como alvos de esperança e realização na vida, sinceramente acho que você morrerá irrealizada, mesmo que case, tenha filhos, constitua uma família e tenha netos.

 

Por quê?

 

Ora, é que tendo tudo isto você logo descobre que isto não é tudo, embora possa ter muita importância.

 

Marido, filhos, família, casa, etc. — são dons de Deus para nós, mas não são o Dom de Deus para a vida.

 

Enquanto o alvo de seu existir for o casamento, a família e os filhos, saiba: você não os terá; e se os tiver, não os aproveitará; pois, os casados devem ser como se não fossem casados; e os que têm filhos, como se filhos não tivessem; e os que compram casas, como se casas não possuíssem; posto que todas essas coisas são bênçãos no tempo e no espaço, mas não são as mantenedoras de nossa alegria perene no ser.

 

Para ser feliz com alguém é preciso que antes se seja feliz sem ninguém!

 

Felicidade que depende de outros não é felicidade.

 

Creio que o melhor que você poderia fazer agora seria reler o “Sem Barganhas”, pois, certamente, numa primeira leitura, o que se estabeleceu foi o movimento de demolição de enganos, e, agora, após o primeiro choque, sei que se estabelecerá a certeza na Graça, a qual é vida, confiança, alegria e paz.

 

Notei que você também lê pouco o site, sabendo dele, lendo textos aqui e ali, mas não tendo ainda “mergulhado” nele.

 

Ora, se você não tem Internet em casa, sugiro que você vá a uma Lan House e passe a ler o site como você conseguir.

 

Logo, logo todas as confusões estarão decantadas e estabelecidas como fé.

 

E mais:

 

Quando disse no livro “Sem Barganhas” que “estava escrito, mas não era o que estava dito”, eu citava as perversões de interpretações do texto bíblico escrito, e não dizia que o que estava escrito não estava de fato dito, mas sim que o que estava escrito fora corrompido para se tornar algo diferente do que estava dito.

 

Leia com calma e você entenderá tudo!

 

A leitura é simples. O difícil é admitir que o Evangelho não é, em muitos casos, aquilo que nos havia sido ensinado.

 

Receba meu carinho!

 

 

Nele, que nos leva ao entendimento que traz paz, se amarmos mais a Ele do que aos nossos sonhos e fantasias,

 

 

Caio

5 de janeiro de 2009

Lago Norte

Brasília

DF