Português | English

Cartas

Rapaz Desejoso - II

Rapaz Desejoso - II

-----Original Message----- From: Rapaz Desejoso - II Sent: terça-feira, 2 de setembro de 2003 To: contato@caiofabio.com Subject: Tudo está ficando calmo... Mensagem: Oi Caio, Sou aquele "Rapaz Desejoso" que perguntou sobre masturbação e viver abrasado. Você me instruiu a conversar com minha noiva sobre o assunto, e escrevermos para você. Como não temos computador e escrevo do trabalho ou da faculdade, escrevo por nós. Quando você disse para conversar sobre isso com ela, achei que não ia conseguir, já que se tratava de um segredo mórbido que mantinha, e morria com ele. Mas, pelo Espírito, me veio coragem e falei com ela sobre isso. Fiquei aliviado. Naturalmente, ela ficou chocada. Não achava que eu utilizasse esses recursos (a masturbação), já que ela, pelo que me disse, até tentou quando era adolescente...mas não levou adiante. Ela me perguntou quando fazia isso, desde quando, se ela era culpada, enfim... Expliquei a ela que o problema era meu, e estava abrindo a ela por orientação sua. Desde então, oramos juntos sobre isso e, às vezes, ela me pergunta como estou indo. E eu respondo sinceramente, às vezes deixando ela triste. Mas graças ao Espírito Santo minha freqüência reduziu bastante. E Deus se fez mais presente em minha vida desde que trocamos e-mails, pois sua abordagem me foi frutífera, me levando a buscar na Bíblia, com outros olhos, o discernimento; coisa que eu não fazia, já que masturbação (diretamente) é um assunto um tanto obscuro na Bíblia. Mas, estudando a Palavra, percebi que o que Jesus pede é apenas obediência, pureza e dedicação a Ele. Então percebi que quanto mais me aprofundo em Deus, menos tempo mental e físico tenho para pensar em “pecados”; inclusive meu interesse pela "coisa" em um modo pecaminoso já perde intensidade. Estou tentando ser honesto com Deus sobre minha condição humana, de virgem, com namorada virgem (ela tem 28, cristã desde criança, e também se guardou), e eu tenho 27 anos (recém completos);e que estamos nos amando e nos sentindo prontos para casar. Por esse contexto, tenho certeza de que isso não faz parte de minha alma e espírito sob o poder de Deus, e que minha carne extrapola assim essa condição. Uma coisa percebi: o Espírito reduz essa atividade em mim quanto mais O busco; e agora sei que nisto está a resposta. Por isso, querido pastor, agora só peço sua oração para que minha paixão pelo Senhor Jesus Cristo aumente sem parar, assim como no coração da minha namorada. Quero te agradecer pela ajuda inspirada que me prestou. Que o sangue de Jesus permaneça como uma cachoeira sobre você, te purificando constantemente para o Ministério que você tem. Abraços ************************ Resposta: Meu amado irmão: Fico feliz em saber que você está aliviado. O Evangelho tem que realizar o fruto da verdade, e sua aplicabilidade tem que fazer bem. Diga a sua noiva que ela deveria se sentir feliz; afinal, ela é desejada! Ela só não avalia ainda o significado do desejo. O desejo de um homem pela mulher e da mulher pelo homem, é dom de Deus. Você já imaginou o inferno de ter que ter relações sexuais sem desejo? Vocês não sabem que inferno que é! Lamento muito o fato do “cristianismo” ter se tornado um fenômeno religioso sem desejo franco, livre, aberto e santificado pela verdade de nossa própria natureza—criada por Deus! O diabo não criou nada neste mundo—e em nenhum mundo. Até o inferno foi criado para ele e seus anjos. Cada parte do corpo humano, com todas sensações que ele pode carregar, é dádiva do Criador. Sentir é uma benção! Não sentir é um horror! No tempo próprio, conforme a consciência de vocês, cada palavra que aqui escrevo aumentará em significado. Quanto mais você descansar na Graça de Deus, mais leve e livre desses pesos você ficará. Mas não mate o desejo. Apenas o guarde com carinho, e prepare-o para derramar-se no cálice de sua amada, quando o dia do banquete chegar. Continue andando em paz e em descanso. Tudo ficará suavemente natural, até que você já nem se lembrará disso como tentação. A tentação é fruto da “necessidade” que se transforma em obrigação, ou em inimigo a ser vencido pela própria carne. Quem está em jejum há quarenta dias e quarenta noites, sempre sente fome... Foi assim com Jesus. A tentação não foi sentir fome. A tentação era usar de quaisquer meus para debelar a fome—mesmo que fosse fazendo um saque dos recursos da Graça divina a fim de transformar pedras em pães. Mas quando a mesa está pronta, a fome é uma benção. Receba meu carinho. Nele, Caio