Português | English

Cartas

QUERO..., MAS NÃO QUERO!... Você sabe o que quer mesmo?...

QUERO..., MAS NÃO QUERO!... Você sabe o que quer mesmo?...

 

 


De: QUERO..., MAS NÃO QUERO!... Você sabe o que quer mesmo?...
Assunto: NÃO QUERO MAIS PREGAR! DESISTI DO MEU MINISTERIO!
Para: "Caio Fabio"
Data: Quinta-feira, 1 de Outubro de 2009, 9:13

 

Olá Pr Caio.
Vou resumir ao máximo minha historia...
Aceitei Jesus com 16 anos; hoje tenho 26. Sempre fui visto como exemplo aos jovens. Comecei a pregar desde então. Sempre preguei em encontro de jovens, eventos etc.
Era diácono na minha igreja... Tudo estava bem até o dia que caí... (há dois meses...)...

Pequei (adultério); e como morava numa cidade pequena teve grandes repercussões... Enfim... Foi um grande escândalo. Fiquei muito triste (sei que tudo foi minha culpa). Hoje, morando em outra cidade, e apesar de ter recebido o perdão da minha esposa, estou me sentindo frustrado e sem vida! Minha esposa descobriu que está grávida e isso me alegrou muito.
Mas perdi o desejo de pregar, de continuar meu ministério... Fiquei muito triste com todos que me cercavam (apesar de saber que a tristeza que causei a eles talvez tenha sido maior que a minha). Estou longe dos meus "amigos", da minha igreja, meu pastor...; e as pessoas do ministério nunca nem sequer ligaram pra mim nesse tempo todo... (parece que nem tenho mais alma ou deixei de ser ovelha).

Enfim, depois de toda essa tempestade perdi todo o desejo de servir na igreja, de pregar, etc.
Continuo buscando a Graça e a misericórdia de Deus e sei que Ele me perdoou; mas sofro com a implacável ira dos homens... com essa religiosidade sem misericórdia.
Já pensei até na possibilidade de aqui nascer uma Estação do Caminho... Mas às vezes tenho duvida se é isso que mesmo que Deus quer...
Já escrevi outras vezes, mas não obtive resposta...
Fico no aguardo de uma orientação...
Nele, que nunca deixou de se compadecer por um pecador realmente arrependido...

_____________________________________

 

----- Original Message -----

From:

To: Caio Fabio

Sent: Monday, October 05, 2009 8:40 AM

Subject: Frustrei-me!!! O que fazer?

Olá Pr Caio...
Olhe eu aqui mais uma tentativa...
Acompanho sempre seu site e já é a terceira vez que lhe escrevo... Se vc ler o e-mail que enviei antes vai entender o porquê...
Tenho vivido um momento que nem sei descrever.. Como relatei no outro e-mail, às vezes me sinto frustrado com tudo que aconteceu! Frustrei-me comigo, com meu ministério, com a minha igreja, etc.
Estou há quase três meses sem pregar (isso é um verdadeiro castigo), pois sempre foi o que mais amei fazer!
Por outro lado nesses últimos dias tenho sentido cada vez mais forte o ardor da Palavra e do meu chamado queimando em mim. (embora eu tenha tentado fugir dele)! Mas como cumprirei esse chamado? Não vejo se quer possibilidades de fazê-lo da forma que a minha igreja me vê agora... Tenho passado noites em claro, nem consigo dormir...
Preciso de um milagre e de uma orientação...
Nele, que nunca nos deixa perder a esperança aliada a fé..

_______________________________________

Resposta:

 

Meu querido amigo: Graça e Paz!

 

Uma é a dor do pecado, da traição à sua mulher, não ao seu ministério...

Sua 1ª traição foi a você mesmo, depois foi traição à sua mulher; mas a menos que a “igreja” seja sua esposa também [bigamia?], não há porque nenhuma “igreja” tratar os crentes como se houvesse uma relação conjugal entre cada crente e a “igreja” — num verdadeiro caso de bigamia: casado com duas, com a esposa e com a Senhora Igreja, a Nossa Senhora de Todos os Quase Santos “Evangélicos”... 

Mano, não tenho mais o que dizer sobre “igreja” e seus modos de tratar gente... Realmente não tenho mais nenhuma palavra a dizer depois das bilhões que já escrevi neste site... www.caiofabio.com

Ficar falando as mesmas coisas seria e é doença; e doente eu não sou!...

De fato, para mim, já mais do que Basta... Na realidade o que digo é apenas um forte Chega!...

O fato é que você está deprimido e arrebentado por você mesmo; pois, “dessa igreja”, pergunto pela milésima vez: O que você esperaria?...

Ora, se quem apenas prega o Evangelho já é perseguido na “igreja”, quanto mais quem viola a Lei do Adultério, que é a Lei Áurea dos Crentes na Igreja!?...

Por outro lado, devo dizer a você, com todo amor, algumas coisas:

1.    Que seu desejo não é ainda pregar o Evangelho, mas pregar algo que seja evangelho a partir do púlpito da “igreja”... Sim, pois aquele para quem a Palavra que se prega não é o sermão feito no púlpito, mas a Palavra que se prega vivendo e no caminho, na estrada, no mundo, no ir... — esse nunca sente que a ausência de púlpito para pregar signifique nada além de que a nossa mensagem não precisa ficar contida atrás do mobiliário do templo... Portanto, se sua saudade é de pregar, pregue; o que não falta é gente para ouvir... Mas se seu problema é o palco da pregação, então, mano amado, eu espero que você fique sem púlpito para sempre, até que sua alma seja da Palavra e não do sermão, seja do Caminho e não do Templo, seja do Evangelho e não da “igreja”... Pois, caso você seja atendido na sua saudade de pregação/púlpito, sua alma ficará religiosa para sempre, como ainda hoje é o caso, mesmo que você não saiba disso com clareza... Sua carta, no entanto, não me deixa enganado a respeito de sua dor...

2.    O “Caminho da Graça” não é uma alternativa para frustrados com a “igreja”... Aliás, gente frustrada com a “igreja”, de mim recebe o conselho que não venha para o “Caminho da Graça”; pois, entre nós, não queremos queixosos, nem amargurados, nem gente com saudades das cebolas do Egito... Portanto, mano, a menos que você ande o caminho da cura e do entendimento, não vejo a menor possibilidade que você comece um grupo do “Caminho da Graça” em sua cidade; pois, se eu com tal coisa consentisse [...] seria irresponsável com tudo o que no “Caminho” é principio não negociável [...] ensinado por mim a todos os candidatos a mentores do “Caminho” ou a iniciadores de grupos...

3.    Você ainda é uma pessoa da “igreja”, e, portanto, seria muito infeliz no “Caminho da Graça”. Digo isto porque entre nós só seja quem é; diferentemente da “igreja”, na qual há cargos, ministérios, serviços que pertencem a uns e não a outros...; sem falar que sua ênfase no “ministério” — palavra que em ambas as cartas aparecem bastante — estabelece um afã em sua alma que no “Caminho da Graça” não existe...; e mais: do qual se foge...

 

Com isto, mano amado, digo a você que sua frustração só existe porque você “caiu” em adultério [segundo suas palavras], pois, caso nada tivesse acontecido, você estaria feliz a garboso no seu “ministério”...

Na realidade a sua carta é uma carta de saudade raivosa... E, com esta motivação, o “Caminho da Graça” seria apenas uma fuga...

O “Caminho da Graça” somente lhe seria um caminho se seu coração estivesse desgostoso da “igreja” não por sua própria causa [e você é a causa de sua própria dor], mas sim em razão de que o Evangelho não esteja sendo vivido, ensinado e praticado...

Portanto, mano, veja bem as suas motivações; posto que sua depressão não seja pela falta de pregar a Palavra, mas sim pela falta de púlpito; não seja em razão de seu pecado, mas sim da falta de afeição e carinho da “sua igreja”; não seja porque a “igreja” tenha se afastado do Evangelho, mas sim porque por tal afastamento não tratou você com Graça quando você precisou; ou seja: não foi algo que veio a você como iluminação do Evangelho quando “estava tudo bem” com você, mas sim em razão do que não veio a você quando você estava precisando...

Assim, mano, sugiro-lhe de duas uma coisa:

1.    Volte para a sua “igreja”, peça perdão e fique quieto o tempo que eles mandarem... [pois é assim que a banda toca na “igreja”];

2.    Vá para outra “igreja”, e busque continuar seu ministério...

Entretanto, no “Caminho da Graça”, caso você estivesse em um lugar onde houvesse um grupo, eu sugeriria que você freqüentasse, mas, com o coração saudoso como está o seu, eu jamais o estimularia a começar um grupo do “Caminho”...

Mano, antes de tudo, o que você precisa é esquecer isso tudo...; o tal do ministério, dos jovens [que no seu caso parecem só existir entre as quatro paredes do templo/igreja, e não na vida...]; e, ao assim fazer, sugiro que você busque a Deus para você mesmo; sim, que você se entregue a Jesus; que o ame; que ame Sua Palavra como bem para a sua vida, antes de ser para os outros ou um “bem de púlpito”...

E mais: sugiro que você pregue nas ruas, nos encontros, às novas amizades, enquanto você vai...

Se você tem saudade de pregar a Palavra, pergunto a você: quem o impede de abrir a boca e pregar?... Ou para você “pregação” é apenas o que acontece atrás daquele móvel sagrado das “igrejas”?...

Assim, meu mano querido, peço a você que examine suas motivações; e ainda que considere o fato que sua dor é saudade do que você deixou sem vontade de deixar...

O essencial, todavia, é conhecer a Deus para você; para o bem do seu ser; ao invés de sentir saudade de pregar ou do ministério...

Deixe o Evangelho ser o seu bem, e, então, você verá que o mundo inteiro é uma paróquia..., e que nele somente não prega quem está pregado à “igreja” como um prego em uma estaca morta...

Entretanto lhe digo: quando o Evangelho, e não a sua dor, trouxer a você a consciência do Evangelho, então, pode considerar o “Caminho da Graça” um lar para você.

 

Nele, que já perdoou você, que não o impede de pregar, mas que deseja despregar você dessa cruz de dor religiosa e da amargura que não é consciência e nem fé...,

 

 

Caio

6 de outubro de 2009

Lago Norte

Brasília

DF