Português | English

Cartas

QUE ALÍVIO ENCONTRAMOS AQUI!

QUE ALÍVIO ENCONTRAMOS AQUI!

----- Original Message ----- From: Fernanda To: cafecomgraca@caiofabio.com Sent: Monday, May 10, 2004 1:23 PM Subject: QUE ALÍVIO ENCONTRAMOS AQUI! Mensagem: Querido Caio, Mais uma vez lhe escrevo, e isso é um grande prazer. Você tem sido meu pastor; meu e de meu esposo. Quero te agradecer do fundo do meu coração, porque através dos seus livros e deste site MARAVILHOSO, nossos olhos foram abertos. Freqüentamos por quatro anos uma "igreja"; dessas que é um verdadeiro manicômio. Foi um tempo muito difícil para mim, principalmente porque me converti em uma igreja tradicional, mas meu esposo gostava da tal "igreja avivada"; e eu o acompanhei; então vi muita coisa. Minha oração sempre foi para que Deus guardasse a mim e meu esposo durante todo esse tempo. Até que Deus nos deu você. Lemos juntos seus livros (Confissões do Pastor e A Síndrome de Lúcifer, além de muitos artigos aqui do site). Hoje, graças à Deus, estamos numa boa igreja há um mês. Nunca senti tanta paz, e tanto amor de Deus. Hoje vejo como o Senhor cuidou de nós em meio à tanto desespero, desamparo, loucuras e outras coisitas a mais... Obrigada pastor Caio. Você tem parte nisto. Um grande e carinhoso abraço. Fernanda ____________________________________________________________ Resposta: Minha querida Fernanda: Graça e muita Paz! Fico mais que feliz quando recebo uma carta como a sua. Que bom! Creio de todo o coração que Deus há de prover meios para que todo aquele que deseja comunhão a encontre. Também creio que estamos para ver um derramar muito diferente e profundo do Espírito de Deus. Sim, uma coisa realmente nova; cheia de amor e misericórdia se derramando. Todos os dias me alegro com o testemunho de tantos que escrevem contando a mesma coisa. Sobretudo, fico grato a Deus quando ouço as pessoas dizerem que estão respirando, alguns pela primeira vez na vida de fé. A Graça de Deus faz isto: nos concede ar, oxigênio para o ser. A Lei, todavia, é como uma sucuri do Amazonas: dá o bote, se enrosca, aperta até onde pode, e fica quieta, esperando a vítima respirar; quando expira o ar velho, a bicha aperta antes que a presa inspire outra vez. Assim, cada vez que busca ar, mais apertado fica; e logo a vitima perde o poder de responder “de dentro para fora”, e acaba por se deixar quebrar... Espero que vocês caminhem firmes na Graça de Deus, e que nunca mais se tornem escravos de homens. Vivam a vida em comunidade com amor e bom senso, e nunca se deixem tornar gente da religião, pois, nesse dia, infelizmente, terei que dizer que vocês deixaram de andar como hebreus...para frente...de modo leve e tabernacular...sempre se renovando no entendimento...e jamais sendo juizes do próximo... Quero poder ter a bem-aventurança de ver cada um ser como um refugio contra a tempestade, um abrigo contra o vento, e como a sombra de uma grande rocha em terra sedenta. Nele, que nos faz ver depois que a gente crê, Caio.