Português | English

Cartas

QUANDO O SITE VIRA MÚSICA:  de Jorge Camargo

QUANDO O SITE VIRA MÚSICA: de Jorge Camargo



----- Original Message ----- From: QUANDO O SITE VIRA MÚSICA: de Jorge Camargo To: contato@caiofabio.com Sent: Thursday, August 04, 2005 9:01 AM Subject: saudades Querido Caio Segue o texto de uma nova canção, inspirado nas reflexões de teu site. Forte abraço, Jorge ____________________________________________________________ Favor Todo o bem no mundo Toda a paz na vida Toda a luz da graça Pra te iluminar Possibilidades Novos pensamentos Permeiem teus passos Pra te encaminhar Ao melhor que existe E está reservado Desde para sempre Sempre a teu favor Ambicioso sonho: Estar pacificado Coração banhado No mais puro amor ___________________________________________________________ Resposta: Amado Jorge: Graça, Paz e Eterna Poesia em sua alma! Há irmãos e irmãos! Passei boa parte da vida tendo que tratar com ambos. Entre os que eu chamaria de “irmãos”, há os que claramente querem tirar “casquinhas” quando você está bem; há os que são inseguros, e fazem tudo para chegar até você apenas para depois declararem que “conhecem muito” você; há os que são “oportunistas” e carregam consigo uma agenda de interesses ocultos; há os que são “políticos”, e, pelo sim e pelo não, correm atrás de você com muitos louvores; há os que nada têm de Deus em suas vidas, mas são profissionais das Relações Públicas com cristãos em evidência; e há os “falsos irmãos”, que são aqueles que se achegam apenas para ver se têm como prejudicar você, conforme o testemunho de Paulo. Ora, o interessante é que no cotidiano da “vida pública” a gente passa a maior parte do tempo dando atenção a esses “irmãos”, posto que são “entrões”, “insistentes”, e têm a capacidade de se “fazerem íntimos” sem que você saiba que “loucura” é aquela... visto que a praticam de tal modo, que mesmo o mais displicentemente sorriso a eles dado, se transforma no direito a “entrada” deles em sua vida: são seres híbridos, com partes de morcego, carrapato, e são lisos como lesmas. Como disse, há irmãos e irmãos. Ora, com você, desde a primeira vez que o vi em São Paulo — quando Sérgio Pimenta ainda estava entre nós —, amei seu jeito, seus modos, sua discrição, sua sutileza, sua seriedade leve, sua capacidade musical, sua poesia, e sua piedade carregada de misericórdia e silêncio, posto que de você jamais ouvi nada que não fosse “do bem”. A ironia é que tal afeição jamais pôde passar de abraços carinhosos e saudações rápidas, tendo nós tido a chance de usufruir de nossa genuína fraternidade apenas umas poucas vezes; e, ainda assim, nos ambientes dos Congressos de Pastores. Na realidade foi a Internet que nos permitiu expressar um pelo outro o carinho que nós dois sempre exalamos um na direção do outro. Jorge, gostaria de divulgar suas músicas aqui no site. De modo que pode me enviar banners de seus trabalhos, pois creio que a comunidade da fé precisa voltar a alimentar a alma com cânticos espirituais de verdade. Receba meu beijo, carinho, e admiração! Nele, que me fez seu irmão, querido Jorge, Caio