Português | English

Cartas

POR QUE A GENÉTICA TERIA ALGUMA COISA A VER COM A HOMOSSEXUA

POR QUE A GENÉTICA TERIA ALGUMA COISA A VER COM A HOMOSSEXUA

-----Original Message----- From: POR QUE A GENÉTICA TERIA ALGUMA COISA A VER COM A HOMOSSEXUALIDADE? Sent: quinta-feira, 18 de dezembro de 2003 14:45 To: contato@caiofabio.com Subject: Dúvidas sobre homossexualismo. Reverendo Caio, Li as seguintes frases em sua resposta à carta "AS PEDRADAS DE UM SEVERO" e li outras, na seção Cartas, que também tratam sobre homossexualismo: "Eu não tenho dúvida de que em muito breve ficará definitivamente provado—e já se caminha com muita rapidez para isso—que a homossexualidade tem como fator preponderante a genética." "Nunca conheci um gay completamente feliz." Reverendo, caso seja comprovado "que a homossexualidade tem como fator preponderante a genética", então ela deverá ser encarada como uma anomalia, uma doença ou como algo inerente a natureza humana, ou seja, a existência de o "terceiro sexo"? Nesse caso, qual o propósito de Deus em criar um ser de natureza feminina em um invólucro de macho? Há algum texto nas Escrituras que corrobore esse conceito (pensei em Rm 1.18-32, mas ao invés de especular, prefiro lhe perguntar). Reverendo, Jacó era suplantador, enganador. Porém ele sabia que a condição do caráter dele não era o ideal do Criador para o ser humano. Acredito que isso o deixava insatisfeito. Entretanto, somente por meio de uma experiência, indizível, com o sagrado foi que ele conseguiu a transformação almejada em seu caráter. Sendo assim, penso que um homossexual pode ficar livre das práticas homossexuais se tiver, de fato, um encontro com o Sagrado - não paliativos da Glória, ou da presença, de Deus, como são oferecidas nas igrejas, mas uma experiência singular, aquela que muda a sorte de quem a tem. Conheço cristãos homossexuais, irmãos em Cristo, amigos – que não conseguem deixar, definitivamente, a sodomia. Às vezes se abstêm por longos períodos, mas acabam por vacilar novamente. Também sinto compaixão por essas pessoas, mas creio que elas possam ser plenamente felizes e livres em Cristo - como poderia ser diferente para alguém que possui gozo, paz ("gomos" do fruto do Espírito)? Entretanto, para tentar ajudá-las, penso que seja necessário compreender o que é, de fato, o homossexualismo, separando-o de sua prática: a sodomia... Sei que as Escrituras condenam a sodomia. Paz! *************************************************** Resposta: Querido amigo: Paz e Bem! Esta é uma questão delicada. Os cristãos a tratam do pior modo possível, colocando um peso de perdição eterna sobre os implicados, o que somente aumenta mais as pulsões que têm sua culminância na “prática” cada vez mais promíscua. Outro dia alguém disse que minhas resposta pacificavam a muitos, e afligiam a outros quando o tema é esse. Posso entender! Além disso, há também aqueles que se horrorizaram quando eu disse que é possível que se venha a provar que a homossexualidade possa ter um fator preponderantemente genético. Deve ter soado para muitos assim como soava a afirmação de que muitas possessões não eram "possessões", mas doenças neurologicamente explicáveis. Ou também como quando se comprovou que as doenças da mente poderiam ter sua origem no cérebro. A alma é o softer. O cérebro é o hardwear. Um não funciona sem o outro. Também já disse que em minha opinião Rm 1: 18-32 não serve para explicar a homossexualidade, serve sim para explicar a perversão do caminho humano que se entrega à uma disposição mental reprovável—nesse caso as surubas romanas são a ilustração desse processo de desumanização, conforme o texto de Paulo. No entanto, a mesma disposição mental reprovável gera outros comportamentos, alguns completamente pudicos, porém, aos olhos do Criador, igualmente pervertidos. Se dependesse dos cristãos Mateus 23 teria sido escrito para homossexuais, não para religiosos fariseus. Nenhum discurso de Jesus foi mais forte do que aquele que Ele dirigiu aos religiosos. O que mostra que para Ele a grande “perversão” habitava o coração com mania de “colar” perversão no próximo. Quando afirmei que creio que ainda ficará estabelecida essa forte ligação entre homossexualidade e genética, não estava afirmando que o homossexualismo é genético. Homossexualidade é a qualidade daquilo que é pertinente ao ser homossexual. Homossexualismo é uma ideologia político-filosófica. São duas coisas completamente diferentes. A primeira é uma condição. A segunda é um modo de ver a vida, e que faz uma propaganda de si mesmo. Ou seja: o homossexualismo é moralista na medida em que advoga um comportamento. A absolutização da imoralidade é também um ato moralista, pois moralismo é toda tentativa de estabelecer um comportamento como sendo “norma”, ou como “valor”. Sobre o que Deus está dizendo com "isto"—ou seja: com a existência dessa realidade na natureza, se é que se estabelecerá o vínculo disso com a genética—, de fato, eu não sei. Sei apenas que não vivemos mais no Jardim do Éden faz tempo. Sei que deste lado de fora do "Jardim" o mundo é caído, e que anomalias acontecem nele a todo instante. Deve ser horrível ser mulher e, ao mesmo tempo, carregar um pênis entre as pernas, como acontece com mulheres hermafroditas. Ou o oposto com homens. A natureza, em seu presente estado, geme, aguardando o dia da redenção. De fato, nunca vi um homossexual se livrar se não de seu comportamento homossexual. Mas nunca vi ninguém se livrar, completamente, de sua condição homossexual interior; ou seja: da inclinação. Vejo muitos casarem e terem filhos, mas não os vejo nunca completamente livres da detecção de suas inclinações em seus próprios corações—fazendo ou não coisas que se vinculem ao ato sexual em si. A conversão pode alterar o comportamento. E quando se aprofunda pode "pacificar" o coração, aquietando a inclinação. Nesse último estado—o da pacificação—é onde a alegria de viver prevalece sobre o conflito e a culpa do sentir. Na minha opinião a ênfase que a igreja dá na “conversão desses estados”, como se fossem troféus dados ao poder de Deus, apenas adoece ainda mais as pessoas. Quanto mais se glorificar tais "testemunhos", mais se criará uma industria, e mais os "seres-produto" ficarão doentes com o passar do tempo, pois a maioria consegue até conter as práticas, mas continua tendo que lidar com a inclinação—no melhor dos aspectos—ou com a pulsão, na pior perspectiva do conflito. Isto porque muitos tentam ser parte desse “sucesso total” propalado como sinal de que Deus tem poder. Mas com o passar do tempo começam a sentir as pulsões voltarem, e como para eles aquilo já não deveria mais estar ali, então, de duas uma: ou adoecem neuroticamente de culpa; ou, então, entregam-se às sombras, lugar onde tudo cresce muito mais; e de tal modo adoecem que acabam tornando-se sodomitas alucinados. Creio que na Graça de Deus tudo pode se transformar para a glória de Deus, conforme Jesus disse acerca do cego de nascença (Jô 9). Alguém pode ser completamente curado, assim como o cego de nascença foi. Mas a maioria esmagadora dos cegos de nascença têm é que aprender a lidar com sua anomalia, e encontrar uma ética de sobrevivência. Ética vem de ethos—da coisa que é em-si. Também deriva-se da idéia de algo que "cobre", como um telhado. Nesse sentido ética é um lugar onde a vida é coberta e se torna possível. Não existe vida sem ética, nem verdadeira ética que não torne a vida algo melhor. Todavia, enquanto nossas questões forem acerca do "sábado", o homem vai ficar no buraco. Jesus ensinou que o homem é maior que o sábado, e a lei; e que estes devem existir para tirá-lo do buraco, não para abismá-lo lá. Ora, a única lei que tira um filho de Deus do buraco contra os rigores exteriores de leis sem ética, é a Lei da Graça. Mas leia aqui no site outros textos acerca do assunto. Há vários. Agora eu terei que sair, pois já estou atrasado. Desculpe a pressa na resposta. Um beijão, Caio