Português | English

Cartas

PERDI A ALEGRIA…

PERDI A ALEGRIA…

 

----- Original Message -----

From: PERDI A ALEGRIA…

To: contato@caiofabio.com

Sent: Saturday, March 28, 2009 11:32 PM

Subject: Olá querido amigo Caio!!!

 

Olá, Graça e Paz!

 

Me perdoe se te chamo amigo com tanta intimidade, mas é que, mesmo sem você me conhecer, nem me ter por amiga, eu o tenho como amigo, como companheiro de longa data e caminhada.

Digamos que uns vinte e cinco anos atrás.... tu passaste a ser meu amigo platônico.

Pois é, só agora tive a coragem de me revelar. Talvez pela angústia que nos une em cada livro lido, em cada mensagem. Até aos vinte e sete anos nascido e vivido no Rio de Janeiro, após dores profundas de morte e separação, mudei para o interior de São Paulo.

E foi lá que te conheci... VINDE SAT....aulas de teologia com um telão; e você, ali, com um sotaque que abafava o meu, discorria sobre a Bíblia; e eu boquiaberta, engolia cada Palavra.

Meu coração tinha muita sede de conhecimento de Deus, de Jesus, e descobri que havia muita coisa a aprender...

Convivi contigo através de seus livretos, cada um mais apaixonante...profundos....e eu te amei... Não como homem e mulher; mas, como um mestre e sua discípula.

Eu sorvia tudo que tu falavas e senti confirmado a cada dia a vocação de também pregar o evangelho. Mas, mulher, viúva, sozinha e mãe de três filhos...imaginas como me olhavam???? Mas não me importei e corri atrás do sonho... pregar o evangelho de Jesus. Apesar de assistir as aulas na Igreja Presbiteriana, eu era membro de outra Igreja também Histórica. Tive que mudar pra outra cidade (fiquei por lá 5 anos trabalhando e estudando) pra que a Igreja de lá me enviasse para a Faculdade de Teologia e me sustentasse até ser nomeada.

Não te via mais no telão, mas, eu te lia.

Até que tudo desmoronou na sua vida e na minha vida....senti a sua dor na separação, nos falatórios, nos preconceitos... mas não te abandonei.

Algo dizia em meu coração que Deus, o inventor do perdão, te levantaria e eu que buscava te ouvir, te ler, vi o silêncio cair sobre nós...

A caverna de Adulão foi o lugar que tu habitaste e levaste contigo não só eu, mas um grupo de pessoas que te amava e sentia o seu deserto... 

Perdas...dores e perdas..... Mas nada é para sempre e tu foste saindo; tentando não ficar cego com os holofotes dos opressores que te procuravam ainda querendo te tragar; como diz o nosso amigo salmista Davi, aquele que também pecou, mas ficou conhecido como o homem segundo o coração do Pai.

Isso pra deixar fariseus doidos hehehehee...

Na caminhada da vida, no caminho da graça te reencontrei.....

Não pessoalmente, pois, não tive essa graça; mas tenho te acompanhado hoje através da net.

Tuas palavras libertadoras me instiga a largar tudo de novo....

Sou uma pastora, pastoreio ovelhas e bodes... Estou ainda na Igreja Histórica, mas meu coração está preso.

Quero me libertar, mas não sei como...

Me acovardei; e tenho perdido os sonhos que faziam com que eu saltasse, me jogasse ao ar...

Estou com os pés pesados, fincados no chão e sofro com isso.

Me ajude amigo!

Com um beijo no coração, aguardo.           

________________________________________

Resposta:

 

Querida amiga: Graça e Paz!

 

Sei do que você está falando... Do amor por Jesus que foi ficando domesticado pela segurança do ministério em uma igreja forte e histórica; ao mesmo tempo em que o coração vai ficando velho de falta de sonhos; cansado de tantas Atas sem atos..., que a alegria de ser vai dando lugar apenas ao “dever cumprido” — o que é uma desgraça para o coração de quem um dia sonhou com alegria e sem medo.

Sei também do que significa ter filhos e responsabilidades a cumprir.

Sei ainda que há um tempo para todas as coisas debaixo do céu; inclusive para esta carta.

Entretanto, me pergunto:

O que posso dizer a você?

Digo apenas que pregue e pregue; e pregue apenas e tão somente o Evangelho, como ele é.

Ora, você verá que quando você apenas voltar a ser simples como antes e pregar o Evangelho da Graça, com todas as suas implicações e sonhos possíveis, seu coração se alegrará outra vez; e isso lhe trará a certeza de uma renovação de alma e espírito que lhe farão outra vez saltar como o boi selvagem e indomesticável pelos homens.

Então, se tolerarem o Evangelho, você ficará, e ficará alegre; posto que o importante não é o lugar ou a instituição, mas sim se as pessoas estão amando o Evangelho e dando liberdade para que ele flua.

Se, porém, não aceitarem a alegria libertadora do Evangelho, e, por assim fazerem e sentirem, desejarem coibir sua alegria na simples pregação da Palavra, com todo respeito, amor e dignidade, saia... —; e, então, comece a pregar apenas a Palavra; e, desse modo, logo você verá um grande numero de pessoas que não iam ouvir você lá..., começarem a se aproximar; ao mesmo tempo em que todos os que amam o Evangelho de Jesus em sua boca, sem que você os chame ou faça qualquer proselitismo, aproximar-se-ão de você outra vez.

Entretanto, como eu disse antes, a coisa não é estar aqui ou lá. Visto que o que de fato importa é apenas em como o Evangelho esteja em você; se tem em você liberdade consentida para crescer; e, através de você, para outros.

Isto é tudo o que importa!

Assim, busque alegria. Quem já viveu o Evangelho como alegria e liberdade para tudo o que edifica e convém, esse não consegue viver para sempre sem ser o que sabe ser o chamado de Deus para a vida; ou seja: para ser Nele.

Portanto, comece a pregar como quando você era apenas uma menina apaixonada pela Palavra. Sim! Antes da teologia engessar seu ser e abafar com liturgias sem vida a alegria simples de sua alma; que por sinal, não gosta de se repetir...

Era isto que de todo o coração eu senti que deveria dizer a você!

Obrigado por tanto carinho, respeito e amizade; sem proximidade, mas com a intimidade dos que se importam e oram sempre.

Receba meu amor no Senhor!

Com todo carinho, Nele, que nos chama a alegria sempre,

 

Caio

8 de abril de 2009

Lago Norte

Brasília

DF