Português | English

Cartas

PENA QUE VOCÊ NÃO CRÊ NA REENCARNAÇÃO

PENA QUE VOCÊ NÃO CRÊ NA REENCARNAÇÃO



-----Original Message----- From: Marcelo Sent: sexta-feira, 7 de novembro de 2003 12:46 To: revcaiofabio@terra.com.br Subject: Confissões de um pastor. Acabei de ler o livro “Confissões de um Pastor”. Parabéns. Não desanime e compreenda que Deus não perdoa ninguém, porque a Ele nada fizemos. Todas as nossas atitudes são de nossa inteira responsabilidade. Nós mesmos é que colhemos os frutos do que plantamos, bons ou ruins, doces ou amargos. É uma pena que você não aceite a reencarnação. Nela tudo se explica: as diferenças sociais, as doenças de nascença, a personalidade de cada um, e as leis divinas na sua mais pura perfeição. Desculpe tomar seu tempo, talvez esta nem chegue a você. Marcelo. ___________________________________________________________ Resposta: Marcelo: sou eu mesmo, Caio, quem responde! Se existe um cara no meio cristão que não transfere a responsabilidade de suas ações para Deus e nem para o diabo, esse cara, meu amigo, sou eu. Sempre vivi consciente das implicações de minhas ações e decisões. E assim como não tenho barganhas a fazer com Deus—está Pago na Cruz—, também não tenho queixas. De fato, nunca as tive! Queixar-se de Deus ou responsabilizar o diabo ou mesmo os homens, é coisa de criança. Sobre o tema da reencarnação, de fato, você está certo: eu realmente não creio na reencarnação! Mas creio na mão soberana de Deus, guiando minha vida—mesmo nos meus equívocos—, e fazendo com que já Hoje, todas as coisas cooperem para o meu bem, para o crescimento de minha consciência acerca de mim mesmo, da vida e de Deus. Não preciso de muitas outras existências. Esta já me basta. O que me aguarda não é uma outra existência, é vida eterna. Aqui na Terra tenho a chance de viver outra vida a cada Dia. Não preciso re-encarnar. Posso encarnar coisas novas todos os dias. Não preciso pagar contas de e nem tampouco em outras vidas: Jesus pagou a conta por todas as vidas que já vivi e pelas que ainda viverei—aqui na Terra, entre meu berço, no Amazonas, e minha sepultura, não sei onde. Colho tudo o que semeio. E o que colho é vida. Não sou discípulo de ninguém “bem-sucedido.” Meu Senhor plantou o bem e colheu o bem—mesmo que humilhado, descartado e rejeitado entre os homens. Sabe qual é a diferença? Provavelmente você creia que o volume de “coisas ruins” que me aconteceram seja proporcional ao volume de “coisas ruins” que um dia eu fiz. Mas sabe, é o contrário: elas são proporcionais ao volume de coisas boas que Deus me permitiu ser e fazer; e as tragédias vieram apenas para me fazer mais bem ainda. A vida de um homem é mais que o alimento, as vestes, a glória, o sucesso, e a sua própria tranqüilidade. De fato não vim ao mundo para viver tranqüilo, mas para viver a tranqüilidade de saber para o que aqui estou: para a Glória de Deus! Os discípulos de Jesus viram um cego de nascença e perguntaram ao Mestre: “Senhor, quem pecou? Este ou seus pais, para que nascesse cego?” “Nem ele pecou, nem seus pais, mas assim foi para que nele se manifestem as obras de Deus”—respondeu Jesus. Meu querido amigo, gostei muito de receber seu e-mail, e gostei muito de seu modo leve de dizer as coisas. De fato, amei você! É por isto que estou escrevendo isto. O Preço foi Pago. Não ficou nada para eu purgar. Estou livre para viver. E posso encarnar a cada novo dia uma nova vida. E em cada dia as responsabilidades de todas as coisas são minhas. Que você não aguarde a reencarnação. Creia na Encarnação de seu Senhor, Jesus, e viva a benção de poder encarnar a você mesmo, em versões cada vez melhores de seu próprio ser, ainda aqui, no dia Chamado Hoje. Receba meu beijão, Caio Escrito em 2003