Português | English

Cartas

PASTOR QUE MATA PASTOR TEM... O QUÊ?

PASTOR QUE MATA PASTOR TEM... O QUÊ?

 

 

 

 

 

 

 

----- Original Message -----

From: PASTOR QUE MATA PASTOR TEM... O QUÊ?

To: contato@caiofabio.com

Sent: Monday, September 15, 2008 10:13 PM

Subject: pastores do inferno!

 

Caio, o que você acha disso?

 

http://www.eunaotenhonome.com.br/jornaldaalterosa/video/playvideo?tv_vid_id=18715

 

 

Lucas

 

___________________________________________________________ 

 

Resposta:

 

 

Meu irmão: Graça e Paz!

 

 

O que eu acho?

 

Acho que é o fim dos tempos!

 

Acho que é como o sol escurecer e a lua não mais dar a sua claridade!

 

Acho que o que eles fazem em oculto, o só referir é vergonha!

 

Acho que a mera existência de tais coisas já é a condenação!

 

Acho que não é possível misturar fé em Jesus e política partidária feita pela “igreja”, pois, o resultado SEMPRE é o mesmo; e temos DOIS MIL anos de testemunho de tal realidade.

 

Acho que a “igreja” comeu o fermento de Herodes, já que o fermento dos fariseus ela já come desde quase o berço.

 

Acho que esses pastores são ateus!

 

Acho que eles viraram lobos!

 

Acho que não têm qualquer temor de Deus!

 

Acho que todo aquele que odeia nunca conheceu a Deus!

 

Acho que aquele que odeia a seu irmão é assassino!

 

Acho que nenhum assassino tem a vida eterna em si mesmo!

 

Acho que onde há ódio, aí há diabo!

 

Acho que ter tido algum conhecimento do Evangelho e deixá-lo, faz a pessoa se tornar, dependendo da utilização que faça do Evangelho, um demônio.

 

Acho que assim como é o “sacerdote”, assim se torna o povo!

 

Sim! Acho apenas tudo o que Jesus, os apóstolos e os profetas dizem de gente que fica assim!

 

Conheço alguns deles há mais de 30 anos. Um deles pelo menos sempre foi mauzinho. É uma pena, mas parece que só ficaram piores com o tempo.

 

No entanto, para mim, não há surpresas. Afinal, sempre cri e disse a mesma coisa; e o fiz até contra mim, quando me envolvi no desgraçado Dossiê Cayman, e, afirmei que jamais poderia ter estado em tal ambiente nem de longe, e, muito menos ainda, ter me envolvido, de qualquer que tenha sido a forma, com qualquer uma daquelas coisas.

 

Sempre que a alma sucumbe ao envolvimento com o jogo político, seja ele qual for e sendo ele como é — o resultado é sempre o mesmo.

 

Creio que indivíduos até podem, e, alguns, até devem se envolver na luta política; mas, são muito poucos os que têm consciência do significado da inserção.

 

No entanto, mesmo quando um discípulo entra para a política, ainda assim, deve fazê-lo por conta própria, e, nunca, em nome de Deus, da fé, da igreja, ou da ética cristã.

 

Sim! Se for entrar... — deve fazê-lo em seu próprio nome e convicções, mas nunca deve ideologizar Deus, a igreja e a fé em tal projeto; pois, sempre resultada em maldade e perversão.

 

É isto que penso!

 

 

Nele, que disse: “O meu reino não é deste mundo!”,

 

 

Caio

 

16 de setembro de 2008

Lago Norte

Brasília

DF