Português | English

Cartas

PARABÉNS, FRANK SCHAEFFER!

PARABÉNS, FRANK SCHAEFFER!

  

 

 

 

PARABÉNS, FRANK SCHAEFFER!

 

 

 

Um artigo de Lucas Mendes e um comentário meu.

 

Caio

 

________________________________________

 

 

BBC Brasil - por Lucas Mendes



*Altar dos Loucos *





*Francis Schaeffer morreu em 1984, mas, se não fosse por ele, George W. Bush não estaria na Casa Branca, não haveria guerra no Iraque e o mundo provavelmente estaria melhor. *

Eu duvido que você saiba quem é Francis Schaeffer. Noventa e nove por cento dos americanos não sabem e até a semana passada eu estava dentro desta estatística. Aprendi com o livro *Crazy for God* (*Louco por Deus*).

Francis Schaeffer veio da classe média baixa na Pensilvânia. A mulher Edith, filha de missionários na China, veio de família bem-educada, mas foi ele quem se tornou, de 1960 a 1980, o mais influente líder religioso americano.

Na década de 50, interessados em religião, filosofia e arte, Francis e Edith criaram uma missão evangélica na Suíça, uma espécie de comuna religiosa chamada L'Abri.

Deus, Satã, Darwin, Heidegger, o existencialismo de Sartre estavam nos sermões e nos debates.

Americanos e europeus se reuniam em torno da família Schaeffer - agora com um filho e três filhas.

A mesa era fina, com toalhas brancas e talheres de prata. Comia-se bem, mas os prazeres telúricos terminavam ali. Música, só clássica e aos domingos. Dança, jogos de cartas e álcool, jamais.

A educação era feita em casa e o comportamento rígido vinha de Calvino.

Na década de 70, quando a direita cristã ainda não existia, o filho Frank convenceu o pai a fazer uma série de filmes e um livro. O titulo de ambos era *How Should We Then Live?* (*Como nós devemos então viver? *)

Líderes evangélicos se entusiasmaram com as idéias de Francis Schaeffer, e em poucos anos ele era a principal fonte de idéias dos evangélicos. Billy Graham e outros faziam romarias ao L'Abri para ouvir o mestre que conseguia atrair até jovens.

Pai e filho Schaeffer fizeram um outro filme *Whatever Happened to the Human Race* (*O que aconteceu com a raça humana*), e Francis publicou o *A Christian Manifesto* (*Um manifesto cristão*). Em pouco tempo, se tornaram o cavalo de batalha contra o aborto.

Na década de 80, a direita evangélica já estava a todo vapor liderada por Pat Robertson, James Dobson, Jerry Falwell, Tim LaHaye.

A convite deles, o velho Schaeffer veio fazer sermões no circuito evangélico. Ficou abismado com a ganância, a hipocrisia, a vaidade, a corrupção e a sede de poder dos lideres que suas idéias tinham gerado.

Shaeffer era um homem tolerante em questões sociais e sexuais e nunca condenou o homossexualismo. Gays, mães solteiras e muitos hippies encontravam abrigo seguro no L'Abri.

Viveu grande parte da vida na Suíça e tirava férias na Itália, mas era um otimista com relação aos Estados Unidos.

O maior choque dele foi com a distorção das suas idéias para efeito político e enriquecimento dos evangélicos. Eles fabricaram um cenário americano apocalíptico envenenado pelos gays, feministas, mães solteiras e liberais.

Quanto mais decadente a sociedade, quanto maior o demônio, melhor para os evangélicos. Eles eram o caminho da salvação, mas precisavam de dólares para seus jatos particulares e para eleger seus políticos.

Schaeffer comentou sua grande decepção com os amigos, mas morreu de câncer antes de torná-las publicas.

Quem devassa essa direita cristã é o filho dele, Frank, que, com o pai, inconscientemente gerou os monstros que ele agora denuncia no seu livro *Crazy for God : How I Grew Up as One of the Elect, Helped Found the Religious Right and Lived to Take All (or Almost All ) of It Back* (*Louco por Deus: Como eu cresci como um dos eleitos, ajudei a fundar a direita religiosa e vivi para retirar tudo (ou quase tudo) que disse*).

Os evangélicos acham que Frank é um novo Judas e neste momento não estão loucos por Deus. Estão loucos de raiva.

_____________________________________________

 

Comentário:

 

 

 

Não faz mais que dez anos a notícia que me veio por amigos americanos acerca do fato de Frank Schaeffer viver imensamente atormentado com o que haviam feito dos ensinos de seu pai.

 

Não muito tempo depois li na revista Time sobre o fato de Frank haver deixado de vez o movimento Evangélico Americano.

 

Ainda depois li uma entrevista com Frank na qual ele fazia uma analise do pensamento de seu pai e o classificava como tendo se tornado excessivamente conservador.

 

Eu mesmo me afligi [e está dito aqui no site] com o que eu via divulgado sobre as posições amarguradas do velho Francis no fim da vida.

 

Querendo ou não, por não ter de fato entendido daquilo acerca do que se meteu a tratar [filosofia], Francis Schaeffer, acabou por se tornar o “ideólogo” da “Coalizão Cristã”, grupo que nos Estados Unidos tem sido responsável pelas decisões externas Norte Americanas, em razão do poder político que possuem junto às “Igrejas Evangélicas”.

 

Aqui, como alguém que sempre teve muito carinho pelos Schaeffer, celebro a sinceridade da decisão de Frank, honrando seu pai; ou seja: melhorando seu pai para as gerações futuras...

 

 

 

Caio

 

14/12/07

Lago Norte

Brasília

DF