Português | English

Cartas

OPRIMIDA PELOS ESPÍRITOS EVANGÉLICOS

OPRIMIDA PELOS ESPÍRITOS EVANGÉLICOS

-----Original Message----- From: OPRIMIDA PELOS ESPÍRITOS EVANGÉLICOS Sent: sábado, 12 de junho de 2004 17:02 To: contato@caiofabio.com Subject: SOCORRO... Oi Caio! Estou muito confusa. Por isso resolvi te escrever. A primeira vez que entrei numa igreja evangélica na vida foi para assistir a um seminário de Batalha Espiritual. Até então,eu sabia de espíritos "baixando" nas pessoas em centros espiritualistas, não em igreja de crente. Me fizeram uma verdadeira lavagem cerebral! Tive que renunciar a tudo e a todos; “aceitar a Jesus”... E, a partir de então, “só Jesus”; pois nem a psicologia eu podia usar mais, pois “era do diabo”! Depois foi uma equipe em minha casa para jogar tudo fora (coisas que eles cismavam que tinha a ver com o diabo). Resumindo: me livrei de tudo, e mesmo assim, não me livrei da doença que tinha me levado àquela igreja: miastenia gravis—que é uma fraqueza muscular generalizada, e que me deixou numa cadeira de rodas naquela época. Fiz tratamentos, cirurgia, terapia,etc; e hoje estou 90% melhor, e estou fora da igreja. Não agüentei tanta loucura! Com isso acabei ficando um pouco sem fé, eu acho. E, agora, tudo o que me acontece de ruim, eu atribuo ao mundo espiritual. Desde aquela época enfiaram na minha cabeça que o meu problema, nenhum médico conseguiria resolver, porque era de ordem espiritual. Hoje pela manhã acordei com fraqueza nas pernas e levei o maior tombo no banheiro. Agora estou aqui, de cama, dolorida, em pleno dia dos namorados... Tenho um noivo maravilhoso, super equilibrado, que me ajudou muito a discernir essas pirações evangélicas. Mas hoje eu tive uma "recaída", e estou atribuindo o que me aconteceu hoje a espíritos que possam estar me acompanhando, e dos quais eu ainda não me tenha libertado. Minha perguntas são: macumba pega? Inveja também? É possível espíritos que estão num outro plano interagirem conosco desse jeito? Essas coisas realmente existem? Preciso ficar em paz com relação a isso. E no campo financeiro? Quando todas as portas se fecham e tudo o que a gente tenta fazer para ganhar dinheiro não dá certo, é por que tem alguém "amarrando"? Por favor, me ajude a entender melhor essas coisas. Super obrigada pela sua atenção, e até mais. ____________________________________________________________ Resposta: Amada amiga e irmã no Caminho: Graça, paz e saúde! Os espíritos não são mais poderosos que o seu espírito quando ele está fixado em Cristo e na fé. Aqui quero falar apenas de você-espírito, pois é obvio que se falarmos do Espírito do Deus Vivente que habita você, então, nem dá para haver qualquer preocupação com qualquer espírito, visto que Deus é Um, e Ele é o Pai dos espíritos, e quem o conhece não tem que temer qualquer poder de qualquer que seja a fonte espiritual. No entanto, agora quero falar apenas do espírito humano e de sua relação com o mundo espiritual. Portanto, neste ponto, nossa conversa é ainda APENAS sobre o fenômeno humano. Depois falarei sobre o Espírito de Deus, que habita você, e no qual você pode ter TODA a segurança no mundo espiritual. O mundo espiritual existe independentemente de nós termos que pensar em “espíritos malignos” ou em espíritos alienígenas ao homem. Estou falando que independentemente dos “espíritos”, estamos sempre vivendo relações ENTRE espíritos. E a maior prova disso somos nós; digo, a existência de cada um de nós. Como posso eu duvidar da existência de espíritos se eu sou espírito? Quem diz “eu sou” está fazendo uma afirmação espiritual. Ora, neste planeta há pelo menos sete bilhões de espíritos hoje, visto que há sete bilhões de seres humanos na Terra. E nós nos comunicamos uns com os outros, e inter-agimos entre nós; ou não? Ninguém existe sem interconexão com os espíritos humanos. Viver na Terra é viver com espíritos, e se relacionar com eles todos os dias. Em cada encontro humano há um encontro espiritual. Ora, desse modo, mesmo que não pensemos em “espíritos” na perspectiva na qual a palavra é usada—que é para designar seres invisíveis fora de nós, e geralmente malignos, apesar de que anjos sejam espíritos, e sejam agentes do bem—, temos que admitir que assim como nossa existência afeta a de outros seres humanos, a existência dos outros pode afetar também a nossa existência. Todo encontro entre humanos é encontro entre espíritos! Ora, isto posto, devo dizer que estamos em estado de permanente conexão com o mundo espiritual pelo simples fato de que somos humanos, e também por mantermos relações com outros seres humanos, e sermos afetados por eles, pelas suas palavras, imagens, opiniões e pensamentos. Até aqui neste espaço virtual isto é verdade para mim. Alguém me escreve uma boa carta, na qual sinto carinho e amizade, e imediatamente meu coração se altera para o bem. No entanto, quando recebo algo que me chega como cobrança ou juízo, meu humor muda, pois meu espírito responde ao espírito do outro, e que nesse caso me afetou como incomodo. Minha liberdade de existir, portanto, está profundamente vinculada a como eu recebo a presença espiritual de meu próximo e sua “visão” a meu respeito. Ora, dizendo o que disse até aqui estou apenas tentando mostrar a você que os espíritos que MAIS têm o real poder de nos fazer mal, são os espíritos dos seres humanos vivos na Terra, como você mesma deu testemunho disso. Digo isto porque você foi afetada por duas dimensões do espírito, antes de ter sido por qualquer outra forma espiritual alienígena. Primeiramente você foi afetada pelo seu próprio espírito como auto-consciência fragilizada pela sua própria história como indivíduo, e que carrega em-si um passado como memória, e que me parece lhe foi e lhe têm sido perturbadoras. Em segundo lugar, você foi profundamente afetada pelos “espíritos evangélicos”, e que nem porque falam muito no nome de Jesus e em Deus, deixam de poder fazer mal ao próximo. E isto porque o “espírito evangélico” prevalente entre nós é o espírito do medo e da culpa, e que existe enquanto cria para si e para os outros um permanente estado de insegurança pessoal, e que se disfarça de certezas que induzem a fomentação do “espírito de juízo”, e que produz culpa em medo. Ora, não é nenhum espírito de despachos de macumba que lhe está fazendo mal, mas o espírito evangélico de medo, culpa e auto-punição! Hoje a noite eu estava zapeando os canais de televisão. Havia vários programas religiosos sendo exibidos. Vi muitos rostos conhecidos, e várias expressões de concepção espiritual completamente distintas na forma e nos conteúdos, ainda que quase todas usassem o nome de Jesus. No entanto, me foi impossível deixar de ver que mesmo usando o nome de Jesus, não era o espírito de Jesus que neles estava como seres humanos em inter-conexão com o próximo. Jesus disse que João—quando perguntou a Ele se deveria fazer cair fogo do céu sobre os samaritanos—, mesmo andando com Ele, não sabia de que espírito ele mesmo, João, era (Lc 9:55). Ora, nesse caso, Jesus estava dizendo que o “espírito” em questão é a atitude perante a vida, e, no caso de João, se naquele momento seu espírito estivesse em sintonia com o espírito de Jesus, ele saberia que o “Filho do Homem não veio para destruir as almas dos homens, mas para salvá-las”. Portanto, não lhe faria aquela pergunta que mais se parece com o espírito do Bin Laden, e jamais com o espírito do homem Jesus. O estranho é que do ponto de vista apenas humano, dentre todos os espíritos que vi se expressando como palavra e idéia na televisão, o espírito mais parecido com o espírito de Jesus não era o de nenhum dos evangélicos que ali falavam em fileiras de “vendas de fé e doutrinas”. Sim, o espírito humano mais afinado com o espírito de Jesus, como homem, não era o de ninguém que usasse o nome Dele, mas o de um japonês, ainda que o que o japonês não estivesse dizendo nada em nome de Jesus; e, em muitos aspectos, não fosse, doutrinariamente, completamente coerente com o ensino de Jesus; porém, seu espírito era mais irmão do espírito de Jesus do que o daqueles que usavam o Seu nome na televisão, para muitos dos quais Jesus talvez diga: “Eu nunca vos conheci”. Com isto estou dizendo que o presente “espírito evangélico” é altamente prejudicial à saúde daqueles com os quais fazem contato, visto que atitude é fortemente feiticeira e sem amor, embora suas bocas estejam babando o nome de Jesus a toda hora. Assim, do ponto de vista do fenômeno humano, eu diria que há uma “casta evangélica” que é profundamente perniciosa para os espíritos humanos com os quais contatam; visto que sua atitude é a de quem carrega angustia, culpa, medo e juízo; e tais coisas fazem tanto mal quanto qualquer despacho na esquina do cemitério; isto, é claro, se se põe fé-medo no que eles dizem, apesar de usarem o nome de Jesus; pois mencionam o “nome Jesus”, mas o tal nome não carrega o espírito do modo como Jesus mesmo tratou os seres humanos na Terra. Desse modo, minha querida, o que você precisa saber é que a tal “lavagem cerebral” que você disse que foi feita em você, e que seu noivo chamou de “pirações evangélicas”, é o que HOJE mais está fazendo mal a você. E para você se libertar desse espírito de medo, culpa e juízo, você precisa crer em Jesus e na Palavra Dele, não no ensino-espírito evangélico, que, infelizmente, hoje em dia, oprime tanto quanto as “forças espirituais” que muitos dizem estarem oprimindo as pessoas que eles pretendem libertar usando o “nome Jesus”. O que nos liberta do espírito de culpa da religião evangélica é a fé no fato que o Filho do Homem não veio para destruir as almas dos homens, mas para salvá-las. Quando a gente crê de verdade nisto, acaba todo medo, e o coração fica des-demonizado do medo que a tudo torna “coisa do mundo espiritual” externo ao homem. Sim, quando eu creio em Jesus e na Palavra do Evangelho, meu coração anda em segurança, e eu não temo mais mal algum, porque eu sei que Ele é o meu Pastor e que nada me faltará, e fico também sabendo-crendo que mesmo que eu ande pelo vale da sombra da morte, nada preciso temer, pois Ele está comigo. Até hoje parece que não entendemos que o diabo se alimenta do medo que a ele devotamos. A devoção cristã ao diabo é real, e é filha do medo que os cristãos inseguros direcionam a ele. Ora, o diabo agradece! Na Cruz Jesus despojou os principados e potestades, e rasgou aquilo que alimenta o poder de tais forças espirituais dentro e fora do homem. Sim, porque há os espíritos que atacam de fora, e há aqueles espíritos que nos atacam dentro. Os que vêm de fora são aqueles que chamamos de demônios e espíritos malignos. Os que nos atacam dentro são produções de nosso próprio medo. E eu lhe digo que esses “espíritos” que nós mesmos criamos como resultado do medo e da culpa, e que nascem em nós, são os mais terríveis, vistos que não existem em-si, mas existem apenas como projeções e construções que nós mesmos fazemos. Ora, tais “espíritos”, que são “produções” de nosso próprio espírito, são as piores castas. Isto porque os espíritos que nos são alienígenas—os que vêm de fora—, estão barrados “em nome de Jesus”, e eles não resistem a este FATO ESPIRITUAL. Porém, esses outros, os que nós mesmos criamos, insistem em nós até que nós mesmos desistamos deles; e isto só acontece quando nosso espírito se apossa da segurança que vem da fé em Jesus. Os espíritos que vêm de fora precisam ser resistidos pela fé; e Tiago diz que se os resistimos, eles fogem de nós (Tg 4: 7). Já esses outros, que são criações nossas, só se vão quando nós os des-construímos como ato de abandono, como desistência deles, como negação deles, como não-fé neles. Portanto, eu lhe digo: o espírito que HOJE mais faz mal a você é o seu próprio espírito, e que está fixado no medo que decorre da falta de segurança espiritual que existe na consciência evangélica prevalente entre nós. Mas como? Não são os evangélicos justamente aqueles que mais oferecem libertação?—você pergunta. Interessante é que Jesus quase não falou no diabo. A gente pode contar nas duas mãos as vezes em que Ele mencionou o diabo (Isto se não contarmos as repetições que acontecem nos evangélicos sinópticos). Jesus expulsava demônios, mas não falava em demônios, e pouco falava no diabo! Assim, aprendemos que Quem liberta demônios neles não fala; e também que quem muito fala neles—ainda que falando em libertação—, de fato os “invoca” como realidades amedrontadoras; e, desse modo, os fortalecem para si mesmos e para aqueles que ouvem tais “invocações” supostamente “libertadoras”. Se você passar o dia todo pensando no diabo, você estará fazendo devocionais do medo; e, assim, o diabo cresce como poder externo a você; e também cresce como criação atormentadora em você, e produzida por você mesma. Eu quase nunca penso no diabo. Em minha mente ele está morto e seco. Eu penso no diabo tanto quanto penso no arcanjo Miguel ou no anjo Gabriel. E, com todo respeito a esses arcanjos, eu quase nunca penso neles. De fato, eu creio que quem anda com Jesus sabe que conta com o olhar dos cuidados de Deus sobre sua vida, e por isso não dá instruções a Deus quanto a tais cuidados. Quanto mais você andar com Jesus, menos sua mente pensará em anjos ou demônios, pois você saberá que o Senhor mesmo cuida de você, e que o faz do modo como a Ele concerne. Eu sei que o anjo do Senhor se acampa ao redor dos que o temem, e que os livra. E não fico repetindo isto para mim mesmo justamente porque eu creio; e a fé não tem repetições. Uma fé que se repete ainda não é fé, é apenas vontade de crer. Portanto, entregue o seu caminho ao Senhor, confie Nele, e o mais Ele mesmo fará! É simples minha querida amiga. O mais é complicação do medo! Quanto às suas perguntas, eis o que penso: “Macumba pega?” Pega em quem crê nela; mas em quem crê em Jesus, macumba não pega. Aliás, embora sabendo que o mundo espiritual existe, sei que Aquele que habita em mim é maior do que “aquele” está no mundo. Assim, eu digo: o diabo existe; só não existe mais para mim. “Inveja também pega?” Pega em quem a teme, mas para aquele cuja mente está em Deus, a inveja é apenas um problema do invejoso. “É possível espíritos que estão num outro plano ‘inter-agirem’ conosco desse jeito?” É possível se as pessoas desejarem se comunicar ou inter-agirem com eles. Mas para quem está cheio da consciência do Evangelho, essas forças já estão despojadas de poder. “Essas coisas realmente existem?” Existem, mas deixam de existir como poder sobre a vida de todo aquele que crê no que Jesus já fez por nós. Agora, em Cristo, tudo mudou. Já não são eles que existem para mim. Eu é que existo para eles. “E no campo financeiro? Quando todas as portas se fecham e tudo o que a gente tenta fazer para ganhar dinheiro não dá certo, é por que tem alguém ‘amarrando’?” Não, pois se assim fosse, teríamos que dizer que a Máfia está sob as bênçãos de Deus; pois tudo o que não falta lá é dinheiro. Essa idéia de que as bênçãos de Deus se manifestam como dinheiro é uma invenção cristã da Teologia da Prosperidade. Jesus disse que o dinheiro é uma potestade espiritual, e que dele vêm duas coisas: o amor a ele nós torna idólatras; e o medo de não tê-lo, gera ansiedade (Mt 6:19-32). O dinheiro mal vem para aquele que só pensa nele, e que vive para buscá-lo e encontrá-lo. O bom dinheiro vem para aquele que não o busca, mas apenas faz responsavelmente tudo o que faz, e por amor apenas. Para esses, o dinheiro vem como conseqüência, e não faz mal. Sobre se pode haver alguém “amarrando” quem não ganha dinheiro, é verdade. No Brasil tem muita gente amarrando o dinheiro, por isso é que alguns têm muito, e milhões não têm nada. E quem está amarrando são seres humanos, e se você quiser conhecê-los leia a lista dos novos milionários, ou faça uma visita às Câmaras de Vereadores, às Assembléias Legislativas, ao Congresso Federal, ao Senado, e ao Palácio do Planalto, e você verá quem está “amarrando” o dinheiro dos brasileiros. Falando de mim, eu diria o seguinte: nos períodos mais abençoados de minha vida, havia tudo; mas pouco dinheiro. Nos períodos espiritualmente menos felizes de minha existência, havia dinheiro; mas muito menos benção de Deus. Quando meu ministério ficou rico, foi justamente quando eu estive mais pobre no meu espírito. O que existe hoje é também a tirania “evangélica” que ensina que Deus está à venda, e que o sinal da benção Dele é grana. Tudo mentira. E tal ensino é do diabo. Portanto, minha querida, saiba que o espírito que hoje amarra você é o seu próprio espírito, e ele só está assim, tão amarrado e oprimido, justamente porque você está “possessa” do medo do atual “espírito evangélico”, e que em geral é profundamente pagão. Digo isto com muita dor, mas digo em verdade! Creia em Jesus, e descanse. E tudo o mais se ajustará conforme a Graça de Deus para a sua vida. Quanto à sua doença, saiba: ela pode até existir, mas ficará maior se você temê-la. Minha sugestão é que você esqueça dela e viva em gratidão e contentamento. Dificilmente as doenças resistem à gratidão, ao contentamento e à alegria em Deus. Receba meu beijo e minhas orações por você. No entanto, eu lhe digo: Levanta-te, guarda o teu leito, e vai para a rua viver e trabalhar! Nele, em Quem você está rica, Caio