Português | English

Cartas

O MEU PROBLEMA É SER PASTOR

O MEU PROBLEMA É SER PASTOR

-----Original Message----- From: O MEU PROBLEMA É SER PASTOR Sent: domingo, 4 de janeiro de 2004 15:26 To: contato@caiofabio.com Subject: O POVO É O PROBLEMA Mensagem: Caio Fábio, Desde quando estudei no Rio, de 1994 a 1999, teologia e filosofia, entidades batistas, fiz parte de sua vida, por admiração e amor. Tenho a maioria dos seus livros... Também me casei e gerei outras prioridades, além de um lindo filho. Você para mim talvez tenha ficado melhor, mais realista, mais consciente de si e dos outros, e muito mais sabedor da graça de Deus. Qual é o meu problema? Bom, sou um pastor. Este é o problema. Com seis anos de ministério (tenho 34 anos), passei por muitas dificuldades. E as versões não se encontraram...de um lado, eu, pastor, jovem, vocabulário rebuscado, filosófico, vaidoso, ousado, intrépido...do outro lado a igreja, simples, semi-analfabeta, conservadora, com uma equipe de pessoas com estranha filosofia ministerial: contra o ministério pastoral, contra o salário do pastor, contra a liderança pastoral, etc. Não deu noutra, rachou...foram dois anos a três de extremo confronto e muitas “perdas” de membros. Me equilibrei razoavelmente até aqui. Por “razoavelmente” fica subentendido o lado humano e insipiente dessas coisas de briga de líderes de igreja. Do outro lado, já eram bem mais experientes. Hoje, sou casado, sou plenamente pastor e respeitado pela igreja; sou professor de seminário e professor de filosofia pelo estado, em colégios públicos. As coisas mudaram, a liderança é outra, mas ainda não consegui o sonho de ver a igreja crescer em todos os seus aspectos. Na verdade, no aspecto numérico... pois noutros tem crescido. Não consigo encontrar o fio da meada com os colegas pastores, reuniões, opiniões, discurso, apologia, etc. Gosto de ser quem sou, gosto de cinema, música boa, passeios e livros. Que caminho devo tomar para este crescimento? São tantos os modelos (G-12, Células, Propósito, Crescimento Natural, etc.) Será que não busco um sucesso como reconhecimento próprio ou quero mostrar aos colegas "maiores" sobre o que posso? Será que é as duas coisas que devo considerar, isto é, por fatores humanos e espirituais, chegamos aonde desejamos? Gostaria de uma palavra sua! Um abraço, ************************** Resposta: Meu amado irmão: Paz e Crescimento para a sua alma! Primeiramente gostaria de dizer que o diagnóstico que você fez da situação anterior é muito complicado. Veja: Qual é o meu problema? Bom, sou um pastor. Este é o problema. Com seis anos de ministério (tenho 32 anos), passei por muitas dificuldades. E as versões não se encontraram...de um lado, eu, pastor, jovem, vocabulário rebuscado, filosófico, vaidoso, ousado, intrépido...do outro lado a igreja, simples, semi-analfabeta, conservadora, com uma equipe de pessoas com estranha filosofia ministerial: contra o ministério pastoral, contra o salário do pastor, contra a liderança pastoral, etc. Não deu noutra, rachou...foram dois anos a três de extremo confronto e muitas “perdas” de membros. Enquanto a questão for de desnível social e intelectual, é sinal de que você ficou muito impressionado com os cursos que fez. A sabedoria não trabalha com tais categorias. Ou será que devemos agradecer por Jesus não ter estudado filosofia? Tudo isso é besteira...grande bobagem...coisa tola. Esqueça isso. A verdadeira filosofia ensina logo o seu próprio lugar de desvalor. Quanto ao “crescimento numérico” não estar havendo, digo-lhe o seguinte: 1. A filosofia e a teologia atrapalham. Pregue a Palavra. Pregue com paixão. Pregue sem sabedorias de palavras e sem persuasão humana. Pregue com manifestação do Espírito e de poder. Pregue a Cruz de Cristo. Ensine o evangelho da Graça. E duvido se não haverá crescimento para dentro, para fora, e em todas as direções. 2. Uma igreja edificada na Palavra efetua o seu próprio crescimento, conforme Paulo. Quando cada membro pratica seus próprios dons com liberdade na Graça, a igreja cresce. 3. Essa questão dos “métodos” e “modelos” surge como “paliativo” para a ausência de Palavra. Quando me refiro a ausência de Palavra não estou falando da ausência de gente falando muitas coisas e com a Bíblia aberta nas mãos. Isso há muito. Mas não há Palavra. 4. O que falta, meu amado, é piedade, é paixão, é o evangelho entranhado no ser, na vida toda. 5. Quem não tem a Palavra precisa criar métodos e um circo. Espero que você esqueça a filosofia e a teologia e mergulhe na Palavra. Como contribuição à percepção do que estou dizendo, afirmo que este site lhe será mais útil, na prática, que os quatro anos de filosofia e teologia. Se você gosta de ler e pensar, fica aqui meu desafio: leia TUDO, de cabo à rabo, e depois me diga se não estou certo. E quanto a você ser você mesmo, que outra opção você teria? Ser quem você não é? Chega disso. Isso não tem que ser mais um conflito. Goste do que gosta. E ensine o povo a respeitar a você, não a imagem que eles projetam a seu respeito. Essas rodas de pastores são cansativas até que eles se convertam ao que tem valor. Enquanto isto é ajuntamento de meninos, cada um desejando mostrar quem é que tem o maior...rebanho. Não há dúvida que a tentação de ficar grande com os “grandes” é a forte tentação. O nome disso é Poder. Esforce-se pelo Reino de Deus, não para criar seu próprio reininho. Receba meu sincero carinho. Nele, que nos ensina como é ser um pastor, Caio Leia João 10.