Português | English

Cartas

O CIÚME DE NATHÁLIA POR ROBERTO!... é como o seu ciúme?...

O CIÚME DE NATHÁLIA POR ROBERTO!... é como o seu ciúme?...

 

----- Original Message -----

From: O CIÚME DE NATHÁLIA POR ROBERTO!... é como o seu ciúme?...

To: contato@caiofabio.com

Sent: Wednesday, September 30, 2009 10:47 AM

Subject: Brincadeira de gente grande...

 

Reverendo Caio Fábio, acompanho você faz muito tempo, mas nunca lhe escrevi.

Meu marido e eu ouvimos suas pregações enquanto estamos trabalhando. Ouvimos a rádio enquanto estamos cozinhando. Assistimos a Vem&Vê TV na TV de nossa sala porque ela é conectada à Internet.

 

Cultuamos a Deus junto com você aos domingos e celebramos a ceia junto com você!

 

Tudo de nossa casa; somos de Porto Alegre.

 

Hoje eu tenho 36 anos e o Roberto, meu marido, tem 39 anos. Começamos a namorar quando eu tinha 29 anos.

 

Hoje é a primeira vez que lhe dou o "ar da graça" diante da carta da mulher que escreveu a você em 2007.

 

Ninguém é maduro por completo. E podemos muitas vezes achar homens mais maduros em um relacionamento do que as mulheres. Que foi o meu caso.

 

Eu fiz T-U-D-O de errado o que podia com meu esposo nos dois primeiros anos de namoro. Eu literalmente oprimi a alma e o ser dele.

 

Eu tinha uma insegurança desenfreada porque ele tinha traído a ex-namorada. Então eu o julgava a todo o momento e antecipava achando que eu poderia ser a próxima corna... E quase fui...

 

Olhava a carteira dele, o carro dele, os e-mails dele, a pasta de trabalho dele, a agenda dele, cheirava as roupas dele, etc...

 

Meu relacionamento perdurou por dois anos em jugo desigual. Ao mesmo tempo em que nos dávamos bem EU dava um jeito de acabarmos mal.

 

Havia desejo, amizade, companheirismo, intimidade e alegria por um período até que chegasse meu próximo ataque de ciúmes.

 

E o pecado e a imaturidade são assim, puxam um ciúme aqui que vem acoplado com uma falta de educação lá, que vem acoplado com desrespeito acolá, uma mentirinha, raiva, etc...

 

Fui muitas vezes como a mulher rixosa.

 

Um dia ele disse para mim que ele preferia mais respeito de minha parte do que meus carinhos...

 

O mundo caiu para mim... e percebi... Como eu maltratei esse homem... Como fui insensível, desrespeitosa, e maldosa com ele.

 

E ele? Ele foi muito tolerante comigo.

 

Eu era muito bonita há uns anos atrás quando iniciamos o namoro, eu era da cidade grande e ele do interior. E isso o fez ficar parcialmente inseguro também. Mas não tanto quanto eu.

 

Enfim, ao mesmo tempo que eu tinha um pavor de ser traída, nós tínhamos uma afinidade muito grande. Gostávamos de conversar, de sair, de fazer amigos, de estar com as nossas famílias. Minha banda predileta se tornou a banda predileta dele e a banda predileta dele se tornou a minha.

 

Éramos muito companheiros, amigos e ardentes na cama. Ele me fazia rir e eu o fazia rir. Se não tínhamos dinheiro para sair nós inventávamos nossos programas que geralmente era alugar um vídeo por 2,00 reais, comprar pipoca de panela por 1,00 e Coca-Cola por 2,50. Baratíssimo! Ele me admirava e eu o admirava. Estávamos sempre juntos. Fosse para ir ao shopping, ao médico ou fazer compras no supermercado para a mãe dele. Tínhamos muitos sonhos em comum.

 

Mas a insegurança de ambas as partes, principalmente a minha; e a minha imaturidade nos machucou durante os dois primeiros anos de namoro.

 

Como eu era uma menina em um corpo de mulher!

 

Esse homem era o melhor homem do planeta!

 

Ele disse que tinha medo de mim e das minhas atitudes. Ele chegou a pensar que eu tinha falta de caráter. Que eu não mediria esforços para fazer qualquer coisa.

 

E ele estava certo.

 

Minha sogra disse a ele que eu precisa ser mais consistente. O mundo caiu para mim...

 

Até que comecei a orar e pedi para mudar, mas eu não conseguia mudar.

 

Você falava muito que as pessoas brincavam de Deus e de Jesus. Eu estava brincando de Deus e de Jesus.

 

Até que o meu marido me ajudou. Deu-me suporte como diz o apóstolo Paulo.

 

Passei a ser consistente, porque Deus me alimentou. O Espírito me moldou e está me moldando.

 

Graças a Deus pelo Roberto! (pode publicar nossos nomes e nossos e-mails)

 

O Roberto não olhou para a Nathália pecadora somente. O Roberto olhou para a Nathália que era tudo (quase tudo) o que ele tinha sonhado como esposa.

 

Ele disse: "Eu não vou desistir tão fácil. Mas sozinhos nós vamos para um destes dois lugares: divórcio ou abismo. Eu vou te amar como Cristo amou a Igreja e você vai me respeitar. Mas precisamos de ajuda. E não vai ser o pastor e nem o psicólogo que vai nos ajudar. Vai ser Deus!"

 

Nesse meio tempo meu irmão havia mandado dos Estados Unidos uns livros sobre relacionamento para eu enviar ao pastor dele. Quando me dei conta tinha lido o livro em 1 dia antes de entregá-lo ao pastor. Liguei para o meu irmão e ele disse que tinha iniciado em USA uma onda de conferências a respeito de Círculo Vicioso de Respeito/Amor. Os conferencistas diziam que Deus disse ao homem para amar a esposa porque para ele é mais difícil amar e para a esposa respeitar o esposo porque ela não sabe que o homem deseja mais respeito e admiração do que amor.

 

Não sei se isso estava certo na época. Ganhou-se muito dinheiro com essas conferências, mas, enfim, de qualquer maneira, todavia, entretanto... Ajudou o nosso namoro.

 

O Roberto disse que se quiséssemos ser uma só carne nós iríamos juntos buscar a Deus. E começamos.

 

Nós orávamos e líamos a Bíblia juntos. Até que chegou a um estado que eu orava abraçada com ele em seu quarto.

Parecíamos dois filhos conversando com o pai ou a mãe. Louvávamos e adorávamos a Deus juntos!

 

Graças a Deus que Ele me curou! Graças a Deus pelo meu marido que me ajudou!

 

Passaram-se seis meses e nós nos casamos. Continuamos até hoje a fazer o nosso culto juntos.

 

Ouvimos suas pregações enquanto estamos organizando nossas contas e documentos.

 

Assistimos a Vem&Vê TV na TV da sala porque ela é conectada à Internet.

 

Oramos junto com você e celebramos a ceia junto com você!

 

Tudo de nossa casa.

 

Quando li a carta Brincadeira de Gente Grande meu coração doeu...

 

Nossa sociedade é tão imediatista, com valores invertidos, igrejas pregando para casais permanecerem juntos porque Deus M-A-N-D-A.

 

As pessoas gostam muito de colocar a culpa umas nas outras. E se há alguém que vai me conhecer bem de perto essa pessoa será: (supostamente) minha mãe, meu pai e meus irmãos que estão comigo debaixo do mesmo teto. São eles que sabem de certos hábitos e defeitos que pastor nenhum nesse mundo pode sonhar... E agora que estou casada meu ajudador é o Roberto. Ele mostra para mim quem eu sou. Ele briga comigo, mas me ajuda!

 

As pessoas querem casar com a Cinderela ou com o Príncipe Encantado. Graças a Deus que o Roberto não estava buscando a Cinderela porque eu estava mais para a bruxa dos 71 ou para a Dona Florinda (que só sabe dar bofetadas!).

 

Infelizmente relacionar-se com pessoas é muito complicado.

 

Eu falo isso com o coração cheio de gratidão porque eu era a parte complicada. Mas se todos conseguíssemos olhar o semelhante como sendo superior a nós mesmos esse mundo seria diferente. Ninguém exigiria mais seus direitos. 

 

Eu agradeço a Deus todos os dias por Ele ter colocado meu marido no meu caminho.

 

Tem um versículo que minha sogra disse para mim quando estava com um ano de namoro: Deus fez o homem reto, mas ele se meteu em muitas astúcias. Ela disse que eu parecia ser dona do meu nariz, das minhas decisões e de tudo o que eu queria. Ela estava certa. Como eu era caprichosa e imatura!

Ela aconselhou o Roberto a respeito de nosso relacionamento. Ela disse que eu era imatura e inconseqüente. Mas para Deus nada era impossível de mudar. E que o Roberto precisava me mostrar isso.

 

Ela me disse que como o ferro com o ferro se afia, assim, eu aprenderia com o Roberto e o Roberto comigo.

 

Eu nunca mais esqueci isso.  .

 

Para Deus nada é impossível! E graças ao meu marido que foi usado para mostrar minhas fraquezas, falta de caráter e imaturidade, hoje somos uma só carne; porque o Roberto olhou além da realidade espiritual, teve fé, coragem, ousadia no Senhor e não desistiu de mim facilmente. Não vejo a hora de ter o nosso bebê e juntos sermos uma família que busque o reino de Deus em primeiro lugar!

 

Você faz parte do meu crescimento e aproveito para agradecê-lo e orar por você!

 

Que as incontáveis maravilhas e bênçãos do Pai das Luzes caiam sobre você!

Que Ele seja seu protetor, sua mão forte, seu consolador, sua paz, sua fonte de sabedoria e amor.


 

Nele, que nos dá 2, 3, 10, 70, 77 chances para amadurecer.

Nathália Sanches

RS

________________________________ 

Resposta:

 

Minha querida Nathália: Graça e Paz sobre você e o Roberto!

 

Pior do que qualquer tentação à traição ou mesmo pior do que qualquer coisa ruim..., é o “amor” que se expressa como ciúme, dúvida, possessividade, opressão, controle, desconfiança, medo, obsessão, fantasias, construções duvidosas sobre o caráter do outro, implicâncias com amigos e parentes; e, mais que tudo: o espírito bisbilhoteiro, entrão, assombrado por fantasmagorias criadas pela insegurança... — sim, contra tais coisas raramente o amor prevalece; especialmente se apenas um dos cônjuges de dedica aos valores da verdade, e o outro as encrencas da fantasia e do capricho...  

 

A Bíblia fala da “mulher rixosa” e não do homem rixoso, embora a rixa do homem seja ainda pior do que a da mulher; posto que a mulher, à semelhança de Dalila, pode levar o sujeito à “ânsia de matar”..., como aconteceu com Sansão [quando não mata..., se mata... ou se entrega; como foi o caso de Sansão...]...

 

A “mulher rixosa”, todavia, se torna insuportável em razão de que a impotência feminina em relação “ao poder do homem”, não cria o espaço para a violência física ou para as agressões ao estilo do tapa ou coisa do gênero..., mas gera um ser na mulher que é [segundo a linguagem do livro de Provérbios] como um “goteira incessante na cabeça” do homem que exista em estado de tortura conjugal..., tendo que existir ao lado de tal mulher/bruxa da desconfiança, da lamuria, do desrespeito, da duvida e das constantes acusações...

 

A Bíblia sugere que a mulher rixosa seja um ser impossível de se conviver!...

 

Por isto, mesmo sem “adultério” como “clausula de concessão ao divorcio”, a Bíblia insinua que o espírito de rixa justifica qualquer separação...

 

Paulo diz em I Coríntios 7 que só vale a penas ficar casado se houver paz entre as partes; pois, não havendo, o apóstolo diz que tal jugo é desigual, é escravidão; e, portanto, como Deus nos chama à paz no casamento, e não a um campo de batalha, Paulo diz: “Em tal caso, que o irmão ou a irmã fiquem livres de tal jugo”; posto que casamento sem paz seja tortura imposta pelo diabo, e nunca seja vontade de Deus...

 

Graças a Deus você hoje está livre desse mal!...

 

Entretanto, vigie; pois tais coisas podem ter suas recidivas; e, quando acontece, o mal fica pior...

 

Portanto, nunca se julgue curada; sempre se mantenha vigilante; jamais perdendo a atenção em relação a você mesma; posto que em fases diferentes da vida, por vezes os mesmos fantasmas se apresentem com outras caras...

 

O melhor de tudo é jamais se dar razão pela opressão de qualquer que seja o ciúme...

 

Se o cônjuge existe para nos fazer ciúmes, tal pessoa não serve...  

 

Se, porém, nada faz que enseje ciúmes, mas é vitimado por ele pelo simples fato de existir e respirar, então, sinceramente, quem não serve para continuar ao lado é o ciumento; visto que a insistência num casamento que come e bebe ciúmes, é a insistência em comer veneno...

 

O ciúme, quando não mata mesmo, mata na subjetividade sempre...

 

Sim, somente se sente satisfeito ao lado de uma megera ciumenta e controladora um bicho/homem/lesma; pois, um homem de verdade não agüenta para sempre tal opressão...

 

Sobre a afirmação de que Paulo manda o homem amar a mulher e a mulher respeitar o homem, não é porque homem prefira ser respeitado a ser amado; há quem seja assim, mas esta não é a regra...

 

Não! Paulo manda o homem amar, justamente porque o homem, em geral, ama menos; sim, em razão da objetividade masculina, a qual, muitas vezes, mata as sutilezas do amor no homem...

 

Já em relação à mulher, ele manda que a mulher respeite o seu marido, pois, em geral a mulher ama [“o seu desejo é para o seu marido”...]; vindo, todavia, depois de muito amor não correspondido com carinho e depois de muito carinho não correspondido como amor por parte do homem, um certo cansaço na mulher, que é quando ela vai ficando indiferente, cínica, ácida, amargurada, e, por conseguinte, incapaz da admiração que gera respeito feliz e natural...

 

Um homem que somente queira ser respeitado pela mulher e não amado mais que respeitado, não precisa de uma mulher, mas apenas de uma escrava que lhe faça todos os serviços de cama, mesa e banho...

 

Portanto, aproveite tudo o que você já entendeu; e não se fie em você mesma jamais; nem tampouco faça de seu marido um herói, um salvador; posto que ele seja bom, mas não queira ser seu salvador, entes de desejar ser apenas o seu marido, o seu macho, o seu amante, o seu amigo; podendo ele contar com você em tudo, e não apenas existir preocupado com sua fragilidade ou risco de retrocesso...

 

Receba todo meu amor, você e o Roberto.

 

Você não sabe a alegria que tive ao ler que vocês se servem tanto do site e da VEM & VÊ TV para tudo!...

 

Este é o objetivo do nosso esforço aqui...

 

Nele, que nunca teve ciúmes, mas apenas zelo; e isto sem perder a cabeça, do contrario, já estaríamos todos mortos,

 

Caio

1 de outubro de 2009

Lago Norte

Brasília

DF