Português | English

Cartas

NINGUÉM ME DÁ PARABENS POR EU SER QUEM SOU!

NINGUÉM ME DÁ PARABENS POR EU SER QUEM SOU!

Aqui segue a resposta a uma carta. Julguei por bem não publicar a carta. Porém, julgando que a resposta pode ser útil a alguém além da pessoa que escreveu, e também como exercício de ler uma carta como as de Paulo, as quais eram, algumas vezes, respostas para cartas cujos contextos nem sempre são claramente conhecidos, decidi publicar apenas a minha resposta. ------------------------------------------------------------------------------------ Minha querida amiga: Graça, Paz, Alegria e Esperança! O Salmo 84 nos ensina que os caminhos “de fora” são construídos “dentro” de nós. Assim, é o homem que tem “os caminhos do coração aplanados” aquele que, do lado de fora, na estrada da realidade, transforma “o vale árido em manancial”. As “ciências da alma” teriam um prato cheio em você e sua história. E, certamente, com o pai que teve, a mãe que tem, o avô e a avó que tinha, o histórico de frustrações afetivas que tem pra contar, os acidentes que lhe acometeram: engravidamentos não planejados, os traumas sexuais decorrentes da infância e da criação, e tudo mais...— você é um prato cheio para “estudos”. Todavia, depois de anos lidando com gente, e vendo toda sorte de coisas acontecerem às pessoas, tenho algumas coisas por certas. E, entre elas, está o fato de que sua história não é para ficar no divã do analista ou psico-terapêuta. De fato, eu creio que sua “cura” não está longe, em lugar algum fora de você. Além disso, também não acredito que longas sessões de analise é que irão ajudar você. Isto porque, minha querida, só há uma coisa que lhe falta, e esta tem a ver com a capacidade de desenvolver gratidão. O que senti lendo sua carta é que a começar do fato de ser a única mulher numa casa de homens, e de ter crescido entre brigas e confusões familiares, e de ter sido molestada pelo avô, e de ter apenas conhecido machos que não foram homens para com você —; você acabou por se tornar uma “cidadã vitimada do universo”. Sim, você busca da vida o que a vida não tem para dar, que é felicidade e facilidade. Não há nada nesta existência com poder de fazer um ser infeliz se tornar feliz, a menos que ele assim decida que será. O que acontece é que você morre de pena de você mesma. Gostaria que a vida a “parabenizasse”, a tratasse bem, e visse em você a princesa que você é. No entanto, minha irmã, a existência não existe com tal poder. Sim, na vida, a gente é que tem que se auto-parabenizar pela via da Gratidão a Deus. Jesus disse que tudo está no nosso olhar. Um olhar bom e grato, gera um ser iluminado. Um olhar escuro, negativo e ingrato, enche o ser da pessoa de escuridade. Desse modo, o que tem que mudar é seu olhar. Sim, se você não se parabenizar por ser você mesma, saiba: ninguém o fará! Além disso, pouca coisa faz alguém tão infeliz quanto esse olhar que cobra felicidade da vida. A existência não tem compromisso com sua felicidade, mas apenas com sua morte. E mais: se você não olhar a vida com a luz da gratidão, nem Deus poderá fazer você feliz. Leia as “bem-aventuranças” (Mt 5) e você verá que os felizes choram, nem sempre têm o que desejam, freqüentemente fazem renuncias, vivem trabalhando pela paz e pela justiça, e, podem até ser perseguidos por serem quem são. Todavia, o olhar deles está nos céus; e, por tal olhar, eles encontram regozijo mesmo aqui, mesmo enquanto a vida, muitas vezes, os maltrata. Você tem um dos piores vícios existenciais que existem, que é esse olhar negativo, e essa falsa impressão de que a existência lhe deve algo. Ora, eu disse que isto é um vício apenas em razão de que tal coisa condiciona a pessoa como um todo. Muda até os hormônios. Altera até mesmo o cérebro. Mexe com tudo em nós; e também provoca um monte de coisas ruins fora de nós. Sim, porque nós criamos o nosso próprio caminho exterior a partir de nosso caminho interior. Portanto, se você tem um coração esburacado pelo seu olhar negativo e auto-vitimado, você jamais será feliz e nem será capaz de ser feliz com ninguém. Prova de tudo o que eu disse é que você se mede pelos acontecimentos exteriores. Sim, parece que a cada conquista, você se vinga; e que a cada realização, você apenas demonstra para os outros sua capacidade de fazer. Mas não aparece o olhar da gratidão no que você diz. Até mesmo o marido que você deseja, só virá se você se deixar transformar. Do contrário, você será apenas usada e deixada sempre, pois, ninguém suporta viver com alguém que não se ama e não se trata bem. As suas duas experiências de gravidez bem ilustram sua situação: você fica grávida sem penetração, sempre nas bordas, sempre nas beiradas, sempre por acidente! Ou seja: você aprendeu e internalizou esse padrão de ser virgem-grávida; ou, em outras palavras: uma mulher que do prazer só tem a dor! Chegou a hora de você deixar de ser a virgem-grávida. De fato, esta é a hora de dar à luz por desígnio e vontade, e não por acidente; e, você sabe, é obvio que estou apenas usando isto como ilustração de seu estado psicológico. Assim, minha querida, aproveite que as crianças vão passar umas férias com o pai, e use esse tempo em seu favor. Aproveite para começar a viver, a sair, a conhecer pessoas, a se manifestar como um indivíduo, a andar na grama, a tomar banho de sol, a dançar, a celebrar a vida que está em você; e, sobretudo, a ser propositiva em relação à existência. Gente que se faz bem não tem muitas expectativas em relação aos outros, e, por essa razão, vive esperando na Terra apenas o resultado da semeadura de amor e fé que pratica como um ser existente, independentemente do que os outros façam por elas. Dessa forma, viva sabendo que tudo está nas mãos de Deus, mas que Ele deu a você o privilégio de andar por você mesma, e conforme sua consciência. Sim, porque somente as obras geradas pela consciência responsável e grata, é que fazem a pessoa andar e conquistar realidades interiores que se transformarão em caminhos de vida do lado de fora. O que lhe falta como mulher é o que você não teve como menina e jovem: liberdade de ser e experimentar a vida sem medo e com alegria. E mais: falta a você a coragem de acertar e errar por conta própria, sem reclamar da falta de assistência dos outros. O melhor a fazer nesta vida é tratar-se como se a existência não tivesse nada de bom para nos dar, e, assim, viver com despreocupação com os “pagamentos” da existência, se são justos ou não. Quem assim se trata, sempre se alegra, pois tudo o que de bom e bem acontece a tal pessoa, já é para ela um bônus da vida, e não o pagamento de uma dívida da existência para com você. Portanto, numa hiper-simplificação, eu digo a você que seus exercícios existenciais, psicológicos e espirituais, devem ser todos de natureza grata. Sim, é hora de deixar coisas para trás e celebrar o fato de que você passou por tudo isto e ainda está aqui, desejosa de encontrar o amor. Talvez, se você tivesse a chance de falar com seus ex-namorados, e a eles perguntasse o que fez com que eles não tenham ficado com você, certamente a resposta seria a mesma: “Eu gostava de você. Mas você era negativa demais. Por isso eu não fiquei!” Ora, o que aqui digo hoje é só o começo. E espero que você comece a praticar essas coisas tão simples que lhe sugeri. E, eu sei, em pouco tempo as coisas começarão a “fluir”, conforme você disse que não acontece. Mas saiba: não acontecerá enquanto você não desentupir seus canais interiores e não decidir que sua vida é sua. Nem mesmo o mais apaixonado dos homens teria o poder de fazer você feliz caso você mesma não o seja, e por amor a si mesma e gratidão em Deus. Pense no que lhe disse e me contate outra vez! Receba todo meu carinho e amizade no Senhor da Vida. Aguardo sua resposta! Nele, que nos ensinou que no mundo teríamos aflições, mas que olhando para Ele nós venceríamos as dores desta vida, Caio