Português | English

Cartas

Não sei mais se me caso!

Não sei mais se me caso!

-----Original Message----- From: Roberto Sent: segunda-feira, 11 de agosto de 2003 To: contato@caiofabio.com Subject: Não sei mais se me caso! Mensagem: Meu relacionamento me dói a alma, mas não consigo fugir... Oi Caio, parabéns pelo sucesso do site que tem abençoado a muitos! Tenho sido cada dia abençoado. Caio, a minha situação está relacionada à minha noiva e a falta de desejo dela de se casar no tempo que havíamos planejado. Pastor, está meio difícil, pois não nos entendemos; vamos conversar e sempre estão aparecendo pontos de incompreensão da minha parte e da dela; às vezes parece que ela não me ouve. E quando temos algum assunto sério a tratar, ela foge, desvia, e não consegue conversar... Tenho tentado terminar o relacionamento, mas dói muito, e eu a amo. Como faço, pois, juntos não estamos nos entendendo, e longe dela não consigo ficar. Parece coisa de adolescente, mas é o que estou vivendo. Ela me disse que somente se casará comigo no final do ano que vem, pois tem medo de deixar a mãe sozinha... A mãe dela tem somente uma menina de 10 anos, e ela é divorciada... Minha noiva diz que não pode deixar a mãe sozinha agora, mas somente no ano que vem, pois, assim, a mãe acabará uma faculdade que está fazendo; e irá embora para outra cidade. Eu não compreendo isso, mas a nossa divergência está sendo também nisso. Ela está bancando a bába da mãe e da irmãzinha... Sei que ela não pode desprezar a mãe, que é uma ótima mulher. Mas como posso entender que o casamento vem em segundo plano? E isso dói, pois existem outras coisas à frente. O problema é que estamos juntos a seis ou sete anos, e era para ser tempo suficiente pra essa definição de desejar o casamento. Ela diz que me ama, mas ainda assim, deixa estas coisas serem prioridades? Não entendo, e ela não explica; apenas diz que eu não entendo! Estamos querendo dar um tempo para refletir, mas não consigo ficar longe dela; o que fazer? Caio porque as razões do coração são tão complicadas e não mandamos nelas; e que dor, que dificuldade! Desculpe por fazê-lo meu conselheiro amoroso. Mas é que as pessoas e os pastores que conheço só sabem espiritualizar a situação e dizer palavras e frases feitas como: Espere pelo Senhor, descanse no Senhor, ele está no controle! Sei que tudo isso é verdade, mas, às vezes, me parecem conselhos simplistas. Um abração No amor de Cristo ***************************** Amigo querido, Sendo simples e claro, e, reconhecendo a dificuldade de falar baseado apenas em sua apreciação da situação, eu, todavia, diria o seguinte: 1. Depois de seis anos de relacionamento, muita gente já não sente necessidade de casar. Provavelmente ela tenha se acostumado a você. 2. Provavelmente ela ame você. Mas há muitas formas de amar. Não creio que ela o ame com aquele amor que faz deixar pai e mãe e tornar-se uma só carne com você. Quando “esse amor” está presente, não há discussão: os dois sabem o que querem. 3. Acho que vocês precisam, no mínimo, dar um tempo. Pode ser que vocês dois fiquem sabendo se se querem mesmo; ou se estão apenas acostumados um ao outro. 4. Quando a gente "ama"—quero dizer: quer bem a alguém com quem se tem um vínculo de natureza conjugal ou quase conjugal—, fica difícil dizer que não se ama. Afinal, ama-se a tal pessoa, com certo tipo de amor. E, no meio cristão, muita gente casa porque está seqüestrada pelo “amor fraterno”, e por uma certa relação de amor que é também vinculada à fé. Então, case-se com o irmão, e, no fim, é freud. Não dá certo mesmo. Irmãos têm que ser irmãos. E apenas fraternidade não é um bom sentimento pra animar um casamento. 5. Quanto a mãe dela, acho que o problema é real, mas concordo que não chega a ser suficiente para justificar o adiamento de um casamento que já espera por tanto tempo. Daqui a pouco vocês farão “bodas de namoro”. Provavelmente ela esteja insegura, e, está se agarrando à mãe como álibi pra ver como lida com a situação. 6. Sugiro, portanto, que você dê um tempo... No meio tempo vocês vão enxergar com mais clareza. Um grande beijo, Caio