Português | English

Cartas

NÃO QUERO FICAR SOLTO...

NÃO QUERO FICAR SOLTO...

Caio, Desde os tempos de seminário tenho grande admiração por você. Tenho um filho, hoje com dois anos e meio, que se chama Caio Fábio—em sua homenagem. Seu conteúdo me chama atenção. Através dele tenho sido extremamente edificado. Acabei de ler o livro "Um cântico na agonia" e de ver o slide "Deusmandamentos". Você não imagina o quanto foram importantes para mim, principalmente pelo momento que estou vivendo. Tenho me decepcionado com homens que se autodenominam "autoridades espiritual" sobre mim; e, contudo, agem com injustiça, politicagem e com frieza; e sem nenhum sinal de misericórdia. Estou com medo de tomar o mesmo caminho que Ruben Alves tomou—outra personalidade que tenho lido bastante—; e romper com a igreja institucional. Espero receber uma palavra de um amigo—é o que te considero—sobre esse assunto. ___________________________________________________________________________________ Resposta: Meu querido irmão e amigo no Reino: Graça e Paz! Primeiramente dê um beijo em meu xará! Meu amigo, no mundo tereis decepções... Outros também se decepcionam com a gente... A questão é outra: é deixar os mortos sepultarem os seus mortos... Você está sofrendo aquilo que um coveiro não acostumado sente: uma total repugnância por viver lidando com defuntos! Rubem Alves e rompimento com a “igreja institucional”... não é problema. O problema do Rubem, de longe, me parece um outro. Ele tinha muita alegria na “igreja institucional” e foi perseguido por ser “liberal”... e se encheu de amargura. A fase da amargura depois da perseguição é normal. Mas já faz trinta anos... e homem continua apenas falando do passado. E por que? Ora, é que em minha distante e pobre maneira de ver, havia nele uma esperança que não se focava na simplicidade do Evangelho, mas sim nas complexidades da teologia. E como o fenômeno humano do Protestantismo é algo inesperançavel para qualquer alma adulta, o que fica é desesperança com o sistema; mas tal desesperança, quando se está cheio do Evangelho, não deixa a alma amargurada por muito tempo, pois logo o coração considera o “opróbrio de Cristo”, e, assim, prossegue a jornada, mesmo que seja contra faraó—quanto mais contra o império protestante da heresia ortodoxa, que é apenas a “heresia que prevaleceu”. Parece-me que com a “morte da igreja institucional” a alma do amigo em questão ficou sem elo, e, por não conseguir se ver livre se sua sensibilidade, poesia e mística, acabou por enveredar pelo caminho da “religião dos fenômenos psicológicos”, mas ainda muito distante da simples confissão do Evangelho. À mim me parece que na alma dele o Evangelho e o Cristianismo são a mesma coisa. Ora, se você não entrar nessa tolice, e, se souber fazer a distinção não intelectual, mas sim existencial entre as coisas, o choque com a “instituição” não tem o poder de tirar a alegria da fé do coração. Seja sábio e crente no amor de Deus! Se você tiver uma oportunidade de ficar livre desse mal, como disse Paulo, “aproveite a oportunidade”. Se ainda não tiver tal chance, sirva a Deus apesar dos homens que lhe oprimem. O importante é separar o que é obvio: o Evangelho de Deus dos fenômenos religiosos—incluindo todas as formas de “cristianismo”. Quem assim faz dentro de si caminha sem escândalo e sem medo. Tudo é simples quando o Evangelho é simples em nós. Ame a Jesus e ao Evangelho e você sempre estará seguro! Um beijão amigo! Nele, que olhava para o Sinédrio e não via Deus, e olha para o pagão, e dizia: “Nunca vi uma fé como essa!” Caio