Português | English

Cartas

Não Podia Ter Sido Diferente, Meu Pastor!

Não Podia Ter Sido Diferente, Meu Pastor!

Nomes e todas as formas de identificação, são retirados por mim em cada Resposta que aqui eu cole. Exceto aqueles e-mails nos quais as pessoas já me enviam dando-me tal permissão ou ensejando essa liberdade. -----Original Message----- From: Clara Sent: terça-feira, 15 de julho de 2003 Subject: Deus usou você para me libertar... Mensagem: Amado pastor, meu verdadeiro nome não é Clara. Por razões pessoais não posso dizer qual é, mas também já estou escrevendo de modo a facilitar a sua vida na edição do texto. Escrevo desde menina...sou mais nova que você alguns anos, mas recebi sua influência em tudo, até na forma de sentir e pensar. Sou carioca, mas você me ensinou nesses mais de vinte anos em que o acompanho—como você diria, “distantemente próxima e proximamente distante”—, a sentir como uma mulher da floresta. Você, mesmo à distancia, me abriu os sentidos, as percepções e até a olfato. Seu livro Confissões era o que me faltava... Não perdia um único Pare&Pense. Tenho milhares de fitas suas e, dos seus mais de 100 livros—cento e doze, se não estou errada—, devo ter uns noventa, pelo menos. Tudo o que veio de você, até a sua chamada “queda” exaltou você diante de mim. Apanhei com você, me refugiei nos seus refúgios para mim desconhecidos, chorei muitas vezes, chego a pensar que chorei todas as suas dores. Sei de longe e também de perto—pois conheço algumas pessoas de sua parentela e de sua intimidade—, o tamanho de suas aflições. Eu teria enlouquecido...mesmo! Quando, como você diz, “o teto caiu na sua cabeça”, caiu na minha também. Não por desapontamento com você—sinceramente, acho até que demorou—, mas pela tristeza de ver que seus inimigos tentariam dançar na sua tumba. Mas sempre cri que eles levariam um grande susto. Nunca acreditei que fosse crescer grama sobre a sepultura que pretenderam lhe cavar. Sabia que a ressurreição viria, e que Jesus haveria de dizer ante os olhos invejosos do Sinédrio da Hipocrisia: Caio, vem para fora! Estou no grupo que ficou tentando Tirar a Pedra da entrada da tumba. Eu e milhares de outros... Você foi usado tanto por Deus em minha vida que nem imagina... Até mesmo para eu me tornar a mulher livre que eu sou hoje, contei com você. Também quebrei a cara na família e no amor... Amei, paguei para ver, e não pude ter quem queria...coisas do Deus soberano! Mas aprendi com você que nunca se perde, tudo se transforma...e até um pouquinho mais: que tudo o que é de Deus para nós, jamais nos será tirado...e que ninguém nos tirará das mãos de nosso Pai. Fiquei livre até para não embarcar na onda das amigas e amigos...que me diziam: Cure este amor com outro... Jamais!—dizia eu sem nem poder explicar. Até que li “Mulher além do alcance”, aqui no site, e sosseguei a alma. Aprendi com você que não se deve acordar o amor até que este o queira. Eu nunca quis...mas quando aconteceu, passou a ser tudo o que desejo preservar, para mim mesma e para mais ninguém. Aprendi com você a não ter medo de amar...e de não temer amar sozinha, mesmo quando todo mundo me acha uma boba. Aprendi a dignidade dessa bobagem de respeitar o peito, o coração e a própria alma de mulher que me faz ser quem sou... Passo o dia na Internet. Sou tradutora...e palavras me encantam. Creio que isto ajuda minha fascinação não só pela mensagem que Deus deu a você para pregar, mas também com a forma, pela sua liberdade até no contar as coisas do seu jeito, de fazer molecagem com as palavras e com a vida. Estou amando as traduções que você está fazendo de vários livros, cartas e epístolas—e tudo está aqui neste site. Bendito site! Quando li o seu texto sobre Você e o Mar...entendi tudo...um pouco mais pelo menos. É assim que sinto você, como esse mar. Talvez por isto você não passe medo...às vezes sinto medo é da sua quase total falta de medo. Parece que você não se preserva, que já conta tanto com a eternidade, que está aqui para correr riscos...oro por você, meu pastor. O mundo é mal e seus colegas pastores, muitos deles morrem de inveja. Você está longe demais para saber, mas eu ando por aí...e ouço e vejo! Tem gente tremendo... Estou escrevendo apenas pra dizer pra você e pra todo mundo, no caso de você publicar este meu bilhete eletrônico, que como eu, há milhares, e que Aquele que começou a boa obra em você, ainda não a terminou, para o meu próprio bem, e para o bem de muitos outros. Fico imaginando...não teria sido a mesma coisa se eu não pudesse ver e sentir esse Ipê novo que Deus plantou em você. Que o amor de Deus e o de todos nós que amamos você, aqueça sua alma com esperança e alegria. O Seu Salvador sofreu e viu o fruto do trabalho de Sua alma. Quero que você se alegre com os trabalhos de sua alma também. E na graça de Deus eu sou um deles, juntamente com muitos outros irmãos e irmãs. Lamento aqueles que usaram você, que pegaram todas as caronas, que beberam de seu sangue, e que no fim fizeram de conta que não conheciam você. Que o Senhor não conte isso contra ninguém, e nem você, tá bem? Estava fazendo teologia durante esse tempo de sumiço seu—numa boa faculdade teológica—, mas quando soube que você voltou, parei... Este site vale mais que mil aulas. É aqui que vejo a Palavra de Deus ganhando as formas de minha geração! Conte com meu amor e não canse do bem...a seu tempo você vai colher! No amor de Jesus, Clara