Português | English

Cartas

NÃO AMO O MEU NOIVO, MAS AMO O AMOR DELE POR MIM

NÃO AMO O MEU NOIVO, MAS AMO O AMOR DELE POR MIM

-----Original Message----- From: NÃO AMO O MEU NOIVO, MAS AMO O AMOR DELE POR MIM Sent: sexta-feira, 2 de janeiro de 2004 16:36 To: contato@caiofabio.com Subject: ESTOU TRAINDO E VOLTANDO... Mensagem: Rev. Caio Fábio, É com imensa satisfação que me dirijo a você! Sou imensamente grata a Deus por sua vida e pela oportunidade de termos acesso a palavras tão sábias e ungidas! Moro num país da America Latina há dois anos... Há dez anos que leio os seus livros e assisti a algumas pregações em vídeo. Também não perdia uma oportunidade de vê-lo pregar pessoalmente aqui na minha igreja. Você pregou aqui algumas vezes. Um dos motivos que me fazem escrever esse e-mail é a tal da vida sentimental que enlouquece tanta gente. Sim por que eu acho que estou à beira loucura. Tenho 31 anos; conheci ao Senhor com 15 anos. Vivi uma época difícil nos anos que sucederam a minha conversão. Tive que trabalhar em casa de família desde de os 13 anos; primeiro pela necessidade financeira, depois pra fugir dos assédios do meu padrasto. Com 21 anos conheci um rapaz, que tinha 24 anos de idade. Bom, sem pensar muito eu namorei com ele, pois é muito carinhoso, atencioso, me fez sentir gente; entende? Ele me pediu em casamento com 5 meses de namoro, e comprou as alianças; eu disse que não queria ficar noiva, pois não sabia se era o queria ainda. Mas ameaçou ele terminar tudo se eu não ficasse noiva. Como já gostava dele aceitei a idéia. Porém, ele perdeu o emprego no ano seguinte, e não nos casamos. Tentando resumir: ele é uma pessoa maravilhosa; ele me ajudou muito a ser quem sou hoje; é íntegro, sincero, homem de Deus. Ele demonstrou um amor imenso por mim. Às vezes penso que ele é pessoa que mais me ama no mundo. O que ocorre é que nos anos seguintes (mais ou menos dois anos de namoro), os meus sentimentos por ele esfriaram. Eu tentava falar pra ele às vezes, só que ele sofria com isso; então nunca tive coragem de romper o namoro e nem disse toda a verdade: Não havia mais amor Eros. O traí pela primeira vez com uma pessoa bem mais velha, e não evangélica. Eu confessei a ele e a Deus, e me arrependi muito. Meu noivo por esse motivo quis terminar, porém eu não quis. Não conseguia me imaginar sem ele. Pedi que ficasse. Mas isso não mudou a situação; continuei sem atração por ele; e o que pior: não consegui parar de me encontrar com a pessoa citada. Depois pus a cabeça no lugar, resolvi evitar essas situações e tentar resolver minha vida com o meu noivo. Bom, pelo menos conseguia me relacionar melhor com Deus, pois os pesos das traições me faziam me sentir péssima e indigna perante Deus; mais indigna que uma prostituta. Só que continuava infeliz no meu relacionamento. Nos três últimos anos já não conseguia mais beijá-lo. Ele passou a me cobrar, e eu dizia pra ele que não sentia mais atração física por ele. Ele dizia que devíamos orar e que eu devia tentar abrir o coração, pois ele tinha certeza que eu o amava, e que isso era só uma crise. Tentei terminar várias vezes, mas ele chorava, e dizia que me amava e que lutaria por mim; e eu desistia. No fundo também tinha medo de estar errada, e depois descobrir que o amava; ou de nunca mais encontrar alguém que me amasse como ele...enfim... Orava a Deus pra que me fizesse amá-lo, pois era o que eu queria. Mas nada disso aconteceu. Porém em 2003 me envolvi com um rapaz separado (também evangélico); e foi uma loucura! Nunca tinha beijado alguém com a intensidade com que eu o beijei; foi algo muito forte. Eu tentei contar tudo pro meu noivo, e não tive coragem. Mas me doía o coração enganá-lo daquela forma. Então deixei que ele nos flagrasse... Foi horrível! ele ficou desesperado e foi embora! Nos dias seguintes sentia que tinha errado, achava que não devia ser daquela forma. Pensei que o amava, entrei em desespero e o procurei para pedir perdão; falei que havia descoberto que o amava. Porém quando voltei a mim, queria viver aquela paixão com o rapaz com quem tinha me envolvido; estava confusa! Então pedi um tempo para o outro rapaz e pra ele também. Não consegui chegar à conclusão nenhuma! O meu noivo me ligava e dizia a que seria a última chance! Que eu quebraria a cara, pois tem certeza que eu o amo! Por fim, voltei com o meu noivo há cinco dias; e continuo estranha feito um peixe fora do aquário. E pior: Não consigo parar de pensar no outro. Pastor amado me ajude, por favor! Por mais dura que seja a palavra que tenha para mim, me diga. Eu só preciso de uma palavra! Meu pastor já não sabe o que fazer...não entende mais nada e eu também não. Ele sempre aconselhou a romper, só que nunca tive forças pra fazer isso! Sabe o que eu queria hoje, amado pastor? Estar com alguém que eu possa amar e fazer feliz, me casar e ter minha família. Foi isso que eu sempre sonhei! Eu não sei por que deixei minha vida chegar a esse ponto! Às vezes tenho vontade de morrer; acho que nunca vou ser feliz; acho que fiz tanta burrada na minha vida sentimental que Deus não tem mais como me abençoar; pois tomei todas decisões fora da orientação Dele. Sinto-me mau caráter! Eu nunca consumei uma relação sexual com ninguém, porém todos os meus namoros foram totalmente fora dos padrões cristãos. Pra que esse tal de hímen? Sinto-me hipócrita? Perdoe-me o texto extenso! Um abraço, Sua irmã em Cristo e grande admiradora. ************************************************** Resposta: Minha querida amiga: Graça e Paz! É! as coisas do coração são incompreensíveis! O escritor de Provérbios 30 diz que essa é a coisa que ele não podia entender: o caminho de um homem e uma mulher! Antes de tudo, termine com seu noivo. Faça isto por amor e misericórdia por ele. Do contrário, ele será muito infeliz ao seu lado, e você baixará sua auto-estima mais ainda, visto que dificilmente não o trairá mais. É fácil a gente viver com quem agente não ama-eros quando a gente nunca amou-eros na vida. Depois, minha querida, nenhum namoro de mosteiro se sustentará mais... É como a asa da borboleta...depois que abre, fica impossível não voar. Quando a gente nunca soube o que é isso—o amor homem-mulher, com todas as implicações—, fica mais fácil suportar a quem se ama com fraternidade, porém não se deseja como cônjuge. Também não dá para casar com alguém quando o coração pertence ao outro. Sofre-se mais que um cão pirento, como se diz na minha terra. O seu noivo é gente boa. Mas isso não é tudo. Casamento não é um encontro de virtudes, mas de almas...e isso às vezes acontece até com certas des-virtudes presentes. Não são os bons que se amam. Os que se amam são os que se completam. E não há lógicas nesse processo. Quando é, é! Você está “prendendo” esse rapaz por pura insegurança sua. Ele tomou o lugar do pai, contra o pai-dastro abusivo. Só isso! Você não o ama como homem. Você ama o amor dele por você. E não dá pra casar com o amor dos outros. Se assim fosse, teríamos que ser polígamos, pois pode haver sempre bem mais que uma pessoa gostando de você, de verdade. É fácil cometer o erro de casar com a bondade, ou com a segurança que o amor dos outros nos dá. Mas depois de um tempo fica insuportável... Comece o ano confiando em Deus! Seu problema é INSEGURANÇA! Daí você precisar pensar que há alguém que ama você como esse rapaz, seu noivo. Pare com isso agora, enquanto é tempo. Termine com seu noivo e peça um tempo ao outro rapaz. Esfrie a cabeça. E não tema ameaças do tipo “você vai quebrar a cara”. Pode até ser que você quebre. Mas se quebrar, que tenha sido fruto de uma genuína tentativa sua, e de seu amor. Do contrário, você pode até não quebrar a cara com “alguém”—ou algum outro—, mas quebrará a cara com seu noivo. Aliás, com ele, você já quebrou a cara. Aqui no site há uma infinidade de textos e Cartas que poderão ser úteis a você. Você não é a única pessoa enfrentando esse dilema. Veja como esse mesmo sofrimento está espalhado pelo mundo, com muito outros. Leia outros textos aqui do site e me escreva. Por enquanto, se desejar a minha ajuda, faça o que estou lhe sugerindo. Nele, que nos ama com o amor que nos basta, Caio