Português | English

Cartas

NÃO AGUENTEI A APATIA DO MEU CASAMENTO SEM AMOR...

NÃO AGUENTEI A APATIA DO MEU CASAMENTO SEM AMOR...

 

NÃO AGUENTEI A APATIA DO MEU CASAMENTO SEM AMOR...

 

 

Prezado e estimado Caio: Bom Dia!

 

Fui casada por quinze anos; e o meu casamento se deu da seguinte forma: eu comecei a namorar o meu esposo sem muito amor, mas fui aprendendo a amá-lo, durante este mesmo período de namoro curtíssimo, diga-se de passagem, (nove meses) eu engravidei e no mesmo dia em que fui contar a novidade para ele...

Ele também veio me contar a novidade de que havia engravidado outra pessoa...

Bom foram nove meses de sofrimento, dor e questionamentos...; inclusive houve uma rejeição minha pela gravidez, que só piorou situação... Sofri muito.

Enquanto isto a outra grávida dele perdeu o bebê; mas eu recebia várias ligações horríveis, esculhambando e etc...

Suportei tudo isso e mesmo diante de tudo isso me casei com ele...

Foram 15 anos de apatia... Durante todos estes anos nunca houve uma palavra de carinho ou qualquer demonstração de afeto... Nunca ouvi a frase: eu te amo, nem eu gosto muito de você, nem nada parecido...

Era uma relação estranha: convivíamos como marido e mulher, mas não sei a quem estávamos enganando; a nossa relação era estranha por que se eu precisasse do carro para ir na esquina ele me perguntava se eu tinha o dinheiro para colocar a gasolina no carro; se eu pedisse qualquer valor, era considerado um “empréstimo”; e pode ter certeza: eu era cobrada depois.

Nunca me defendeu em absolutamente nada, principalmente diante da família dele, onde eu era atacada por ser calada e não freqüentar a casa de ninguém...

Nunca houve nenhum esforço para sairmos da casa da minha sogra, passei 12 anos morando em um quarto, eu ele e minha filha, onde não havia nenhuma privacidade para nós e nunca se importou com isso e os anos passaram e vivi assim durante todo este tempo.

Há um ano atrás conheci uma pessoa, na verdade um amigo. Tudo se iniciou num processo de amizade de muitas conversas, risadas, discordâncias; e ele era casado também. Conversávamos sobre casamento, cada um com uma história diferente; ele passou anos noivo e depois casou conforme manda o figurino...

O problema é que depois de anos noivo percebeu que não a amava de verdade, mas a família de ambas as partes são de uma denominação aprisionadora (principalmente aqui na região norte, no Amazonas); e disse que ele não poderia desistir do casamento que era coisa do demônio; chegou a conversar com a pessoa com quem era noivo, mas houve choro, dor, e a família em volta...; e casou-se; e diante desse quadro conversávamos cada um contando suas frustrações...

Começamos a perceber que aquilo ali, já não estava só com ar de amizade, e eu não parava de me culpar... Afinal como uma mulher casada (eu) poderia estar gostando de outra pessoa? Se tivesse como me açoitar pode ter certeza que eu o faria... Estava me sentindo o pior lixo da face da terra; aquele tipo radioativo ou uma lepra na época de Cristo... Afinal na Bíblia diz que basta pensar que já pequei... Então já estava na verdade condenada ao mármore do inferno; já não conseguia mais ser tocada pelo meu marido (mesmo sem nem ter encostado nesse meu amigo); nunca nos tocamos; não tínhamos coragem...

Então me separei...

Saí da casa da minha sogra, onde residia com meu esposo e, á partir daí, não resistimos...

Descobri uma pessoa que me ama de verdade... Eu nunca me senti tão feliz em toda a minha vida (mais igualmente culpada).

Depois que me separei o meu esposo passa quase que diariamente mensagens de “eu te amo” (parece um estranho dizendo isso, chega até ser esquisito); diz que me ama, que sou uma mulher extraordinária; que precisa de uma chance para poder mostrar que pode me fazer feliz; que a nossa filha vai ficar muito mal com tudo isso...

Ele perdeu peso e ainda está no psicólogo...

Todos estão me culpando, ninguém quer saber dos meus 15 anos de apatia, isto não conta para ninguém, ninguém viu minhas lágrimas quando eu chorava no quarto me questionando por que ele era assim comigo, ninguém viu quando eu o chamava e perguntava para ele por que ele não me beijava não me abraçava, nem mesmo na cama ele me beijava, fazia sexo comigo e nunca perguntou se eu havia chegado a algum lugar (nunca cheguei)... Ele me procurava e às vezes não durava nem 20 minutos, virava e dormia... Nem um beijo, nem abraço, nem uma palavra, nada, nada, nada...

Desculpe o que vou falar Caio, mas eu praticava sexo oral nele e ele NUNCA retribuiu, nunca fez isso comigo; não andava comigo de mãos dadas, não me abraça, nenhuma manifestação de carinho...

Hoje eu encontrei tudo isso, na pessoa que estou com ela hoje... Ele também se separou... Se fizemos certo ou errado já não sei... Sei que errei muito, mas, meu Deus!, estou sendo amada e estou amando de verdade; e todos me culpam, me apontam...; mas quando eu chorava, chorava em silêncio, e não fazia o que ele faz: ...vai para a casa de minha mãe chorar, se lamentar ...

Caio, eu sei que errei; mas o que eu faço?

Quero assumir logo este meu novo relacionamento, mesmo quando as pessoas falam que está muito cedo para isso, mas já perdi tanto tempo da minha vida em uma apatia sem tamanho que estou com sede de ser feliz, de me sentir bem ao lado de alguém que me ama, me respeita e me faz feliz.

Diga-me o que faço me ajude a pensar.

 

Nele,

_________________________________________

Resposta:

 

Minha filha: Graça e Paz!

 

Você já casou para aprender a gostar; e, não gostou; embora tenha tentado muito.

No passado ainda dava para pessoas sem conhecimento mutuo e sem amor, passarem a conviver e a se gostar... Fazia parte da expectativa e da cultura da época. Hoje, porém, quem não casa amando raramente terá outro cenário com o tempo, pois, as liberdades são outras e as expectativas são de outra natureza.

Não creio que vocês, mesmo que você tentasse..., depois de tudo o que houve de apatia, e, para você, depois de tudo o que tem havido se simpatia e amor, consigam jamais ficar juntos outra vez... Seria como botar fogo nos peitos e não querer que queime...

Melhor agora é providenciar um advogado e consumar o divorcio...

Entretanto, tente fazer isso por você mesma, e não em razão de que surgiu um homem legal.

E mais: em se divorciando, dê a ele todas as chances com a filha de vocês, mas, de sua parte, fique longe dele e de todos...

O que vai acontecer entre você e o novo amor, ninguém sabe. Por isto lhe digo: se vai divorcia-se, faça isto por você, e não pelo seu novo amor.

Se você se separar apenas por causa do homem que encontrou, creia: se não der certo, você se culpará por muito tempo. Portanto, que seja apenas em razão de você mesma; pois, se não der certo com o rapaz você não terá que dizer a você mesma que se separou pelas esperanças que o homem lhe deu...

É isto que tenho a lhe dizer, pois, aqui no site, nas cartas, diante do mesmo quadro [que é bem repetido nas Cartas], é isso que aconselho.

Receba meu carinho!

 

Nele, que nos chama a viver a verdade com consciência e responsabilidade,

 

Caio

18 de junho de 2009

Lago Norte

Brasília

DF

DIVÓRCIO

ENTREVISTA SOBRE DIVÓRCIO - JORNAL “A PALAVRA”

DIVÓRCIO DE PASTORES: UMA ENTREVISTA PARA A ENFOQUE

CAIO, A CRUZ É A SAÍDA PARA EVITAR O DIVÓRCIO!

ADULTÉRIO, DIVÓRCIO E NOVO CASAMENTO...

PASTOR, E OS FILHOS DOS DIVORCIADOS?

ME EXPLIQUE O QUE NINGUÉM ME EXPLICA!

E OS FILHOS DOS DIVORCIADOS?

TRAÍDA E MAGOADA ATÉ À MORTE!

TENHO VERGONHA DE TER SIDO TRAÍDA!

ATRAÍDO E APAIXONADO PELA FILHA

EU TRAÍ O MEU MARIDO!

AS CONSEQUÊNCIAS DA TRAICÃO!

VOCÊS ESTÃO LIMPOS!

TRAÍ O MEU MARIDO. O QUE FAÇO?

ELE QUASE ME TRAIU — POR ISTO O TRAÍ! (I E II)

GOSTO DE MULHER, E SOU ATRAÍDO POR “ELES”: SOU REVERSÍVEL?

A MULHER DO HOMEM QUE MORRE DE DESEJO: POR OUTRAS...

ELE ESTÁ AÍ, COM VOCÊ!

MINHA MULHER ME LEVA A TRAÍ-LA. O QUE FAÇO?

CASEI JOVEM, TRAÍ, ME ARREPENDI...E HOJE CARREGO AS CONSEQUÊ

DEUS VAI ME PROTEGER ENQUANTO EU ANDAR DISTRAÍDO E PELA FÉ

NÃO O AMO MEU MARIDO, ATÉ O TRAIO, MAS ELE ME QUER ASSIM MES

PASTORA, TRAÍDA E SEM DIREITO A SER FELIZ?