Português | English

Cartas

NA CEIA DOS FARISEUS…

NA CEIA DOS FARISEUS…

 

 

 

 

   

 

----- Original Message -----

From: NA CEIA DOS FARISEUS…

To: <contato@caiofabio.com>

Sent: Tuesday, January 23, 2007 6:16 AM

Subject: a ceia dos fariseus

 

 

Caio,

 

 

 

No começo deste mês tive um acidente de moto. Passei a noite inteira com alguns “irmãos” tomando um vinhozinho e uma cervejinha pra comemorar a passagem do ano... Bebemos, comemos, curtimos um som a noite toda....

 

Tudo bem “escondidinho” para que os “Senhores” da SANTIDADE e do PECADO (As Sentinelas) não nos vissem. O fato brother, é que pela manhã decidimos tomar um banho às margens de uma barragem próxima, e no caminho eu sobrei numa curva... Caí. Quebrei clavícula... Ralei-me todo. Doeu...

 

Confesso que não doeu tanto quanto doeu quando, ao sair para rua novamente, dias depois de “minha” recuperação, vim a saber que os “irmãos” que comigo se encontravam naquela noite, disseram para todos na cidade, que não estavam comigo, bebendo e curtindo; e sim que iam passando e me viram caído na estrada; e, segundo eles mesmos testemunharam ao povo: FOI UMA PROVISÃO DIVINA TERMOS PASSADO NA HORA!!!

 

Tudo isso Caio, eles fizeram pra manterem seus ministérios e seus status de “santos” perante a sociedade.

 

Aproveitaram o fato de, “segundo eles”, eu estar “fraco” na fé para me colocarem como único culpado dos acontecimentos daquela noite.

 

Diga-me Caio, o que faço?

 

  1. Exponho esses hipócritas e desminto tudo... Destruindo seus castelinhos de areia?

 

  1. Fico na minha e deixo essa mentira se espalhar mais ainda?

 

 

3. Vou até os pastores deles e abro o jogo?

 

 

Dê-me uma luz.. Por favor

 

 

Nele..., arrependido de “cear” com fariseus.

 

__________________________________________________________________________________________________________

 

Resposta:

 

 

Meu amado amigo: Graça e Paz!

 

 

Primeiramente nunca beba e dirija. Nunca. Especialmente uma moto. Ponto.

 

Segundo: Nunca beba a ponto de ficar embriagado. Este é o ponto segundo o Evangelho que distingue o beber do beber. Ponto.

 

Terceiro: Nunca beba escondido de ninguém. Se você bebe, que seja como Jesus bebia: na frente de todos. Daí nos evangelhos Ele ser chamado de “glutão, bebedor de vinho, e amigo de publicanos e pecadores”.

 

Quarto: Não dá certo fazer nada com fariseus. Nada. Com eles a gente vai à sinagoga, até que não mais nos suportem e nos expulsem.

 

Quinto: Não procure nenhum “pastor” para explicar nada. O que você teria a explicar? Que não bebeu sozinho? Que os outros estavam com você? Para quê você faria isto? Para dizer aos demais fariseus que eles também são fariseus? Que interesse você tem nos fariseus afinal? Você pretende se auto-justificar nivelando a coisa por baixo? Tipo: Eu sou ruim, mas eles também são?

 

Sexto: Qual é o seu interesse na continuidade de tudo isto? Medo de perder a imagem? Medo de perder as últimas chances no esquemão? Ou mera raiva dos fariseus escondidos na festa deles mesmos?

 

Sétimo: Verifique quais são as suas motivações?

 

Assim, olhe para o seu próprio coração e responda você mesmo!

 

Meu irmão, falar em Graça, em liberdade, em consciência, etc. — não é brincadeira.

 

Tem gente que pensa que se trata de uma licença para matar. E não é.

 

Andar na Graça é caminhar com uma boa consciência, e, ao mesmo tempo, com todo bom senso.

 

Sem equilíbrio não existe sinal da Graça na vida da gente!

 

Assim, aproveite o que houve e pense nas coisas. Tipo: O que a liberdade no Evangelho significa para você? Vocês estavam juntos por que já haviam atravessado a barreira da permissão para o “escondidinho”? Você pode imaginar Jesus reunindo o povo ou os líderes, a fim de contar o que Ele e os fariseus faziam juntos, escondidinho?

 

Para mim esse foi um bom exemplo acerca do que é Graça e do que é a nossa própria gracinha. Aprenda.

 

Tudo isso nada tem a ver com Deus, mas com você mesmo. Ou seja: tem a ver com que tipo de homem você deseja ser.

 

Entretanto, saiba:

 

Tem muita gente na situação de seus “amigos”. Sabem que não há mal nas coisas (mesmo no pequeno excesso de vocês, e que só se tornaria mal se viesse a ser crônico...), mas não estão dispostos a romper com o esquema que desvia de Deus quem ficou tonto e caiu da moto.

 

É como ficar amigo de “desviados” que não o são por boa consciência, mas por uma má consciência; os quais, quando o bicho pega, ou quando sofrem um surto de avivamento religioso, saem entregando aqueles que antes eram os amigos das boas liberdades. Acaba sempre assim!

 

Desse modo, não faça nada. Esta é minha opinião. Mas, ao contrário, viva o Evangelho. Esta deve ser sua única resposta, não a eles, mas a você mesmo.

 

O mais, é agradecer pela lição!

 

Faz mal a eles. Sim. Aos que entregam hipocritamente o irmão. Mas fará bem a você, que, agora, já sabe como são os fariseus; e mais: já sabe um pouco mais acerca de como você ainda se importa com o que eles pensam. Quem tem tal preocupação não deve fazer nada que ponha em risco a própria reputação. É este o seu caso?

 

 

Pense em tudo o que lhe disse. O fiz como faria a um filho meu.

 

 

 

Nele, em Quem tudo o que se manifesta é luz,

 

 

 

Caio

 

23/01/07

Lago Norte

Brasília