Português | English

Cartas

MINHA CONVERSÃO SEM VERSÃO...

MINHA CONVERSÃO SEM VERSÃO...

-----Original Message----- From: Leonardo Jordão Sent: terça-feira, 6 de julho de 2004 12:33 To: Rev. Caio Fábio Subject: MINHA CONVERSÃO SEM VERSÃO... .. Olá pastor Caio, Que prazer falar contigo! Talvez nunca tenha ouvido de um pregador de todo o mundo, que chegue tão próximo da complexidade da condição e da realidade humana diante da Queda como você. Talvez seja um dos homens mais impregnados com esse espírito do Evangelho que eu já ouvi falar. Ou talvez mais parecido com o estilo indomesticável de Jesus e Paulo. Ah! Como aqui as coisas ficam tão claras! Caio, você está aconselhando num confessionário virtual mundial mais num nível tão pessoal. Nunca ouvi falar, nem de um distante lugar, de um lugar-caminho como este tão humano e honesto com a condição humana como esta irmandade-virtual. Este lugar-caminho existencial é mais que uma levítica Cidade de Refúgio. Onde milhares estão chegando a cada dia. E as Leis sendo canceladas... Havendo somente descanso e Graça. Esta Irmandade-Virtual tem sido uma revolução, na consciência. Um convite para o NOVO. Diante desta festa da Graça a convite do Pai. Queria escrever algo sobre minha conversão, numa confissão... Não o fato de não beber mais bebida alcoólica. Não o fato de não usar mais drogas, digo 'cigarro, maconha e cocaína'. Não o fato de não sair mais pra baladas na madrugada. Não o fato de não sair mais com muitas garotas e não ser fiel a nenhuma namorada. Não o fato de não andar conforme o político-comportamentalismo imposto pela religião. Não o fato de passar a ser alvo de caprichos da instituição. Não o fato de entrar na fôrma do feudo clerical. Não o fato de não ser politicamente correto segundo a sociedade. Não o fato de não ser moralmente correto segundo a "igreja", digo evangélica ou católica. Não o fato de passar a viver perturbado na mira dos olhos microscópicos da hipocrisia alheia. Não o fato de passar a viver uma vida de bater pontos de acordo com o sistema eclesiástico. Não o fato de me deixar confinar numa vida evangélica-monástica conforme os sacerdotes. Não o fato de passar a ser um legalista de acordo com os mais radicais. Não o fato de passar a ser um superficialista de acordo com os mais liberais. E muitas outras bobagens. NÃO!!! Não é isso que eu quero falar sobre minha conversão. Até porque, muitas vezes, não se faz mais isso tudo, e sem haver uma conversão. E sim uma versão de assimilação de conversão. Talvez porque saiu da idade de aprontar, talvez porque teve que agir precocemente com responsabilidade no que diz respeito as coisas da vida, ou por qualquer outra coisa. Por isso quero escrever ou falar de minha conversão fora desses assuntos parâmetros. Quero falar da minha conversão onde só eu conheço a mim mesmo - do lado de dentro do meu ser. Onde todos os holofotes da sociedade não conseguem enxergar. Mas eu apenas. Por isso sei o que é real ou irreal em mim. Diante de todos estes conflitos exacerbados, produzidos pela alma. E reproduzidos no imaginário. Diante deste viver fantasmagórico, ilusório e irreal. Meu existir passou a correr e desaguar para o mesmo ponto do existir de Deus. Nessa confluência de vida. Neste ponto de junção de rios. Encontrei com Deus. Respirei aliviado no Divino. Quero dizer que... o Evangelho é visceral em minha existência. O Evangelho na minha conversão se tornou Confissões de morte ou de Vida. Esta é a explicação dele ser entranhado em meu ser-existência. Dos 14 aos 20 anos, vivi de modo provocativo e autoprovocativo. Nada do que fosse entranhável ou visceral poderia se instalar em mim como novidade de vida. O desassossego ou o desarranjo existencial em mim, foi desinstalado na Cruz. Agora já não vivo eu, mas Cristo vive em mim. Isto mexe comigo. A Graça se deflagrou em mim. Fui surpreendido por ela. Irrompeu em mim, viver a vida com todos os seus cheiros, sabores, sentidos, percepções, olhares, pensamentos, descrições, formas, curvas, tons, cores, remetidos para o Criador a qual tudo criou. Estou encharcado desta vida! Estou sob o signo da Misericórdia e da Graça, que me dá significado de existência. A Graça instalou em mim vida com Deus. E não faço separações da Vida com Deus das demais vidas. Pois ela está permanentemente gravada em meu ser. Se não fora por essas confissões, eu jamais teria me convertido. O convite deste site, é para caminharmos nos lugares existenciais caminhados por Jesus. Ah! Que conversa boa! Um abraço de seu amigo virtual. Leonardo Jordão