Português | English

Cartas

MEU MARIDO ME PASSOU UMA GONORRÉIA. O QUE FAÇO?

MEU MARIDO ME PASSOU UMA GONORRÉIA. O QUE FAÇO?

-----Original Message----- From: MEU MARIDO ME PASSOU UMA GONORRÉIA. O QUE FAÇO? Sent: terça-feira, 9 de março de 2004 18:02 To: contato@caiofabio.com Subject: ACHO QUE ELE TEM UMAS COISAS ESTRANHAS... Mensagem: Ola, Caio Fábio! Estou te escrevendo, pois preciso de ajuda, eu assim como milhares de pessoas. Mas eu acho você uma pessoa especial, por isso quero pedir sua ajuda. Eu me casei há mais ou menos 3 anos. No inicio parecia estar realizando o grande sonho da minha vida, que não foi nada fácil. Sofri muito na minha infância. Fui rejeitada pela mãe, tive pai alcoólatra, e foi molestada sexualmente. Vivi entre drogas e álcool. Mas o Senhor, na sua infinita Graça, me libertou e salvou. Me converti e fui para uma igreja missionária. Aliás, muito boa. Então, conheci um rapaz de uma igreja pentecostal, e ele parecia ser o homem ideal... me casei. Orei a Deus para saber se era a vontade Dele, e claro, tudo aconteceu bem. Com o passar do tempo comecei a sentir umas atitudes muito estranhas nele... como uma infantilidade fora do comum. Ele tem 30 anos, mas parece que tem 15. Fui relevando muita coisa, embora não gostasse. Mas de repente comecei a não sentir vontade nenhuma de fazer amor com ele. A situação foi piorando cada vez mais, ate chegar ao ponto de repulsa. Eu me culpei muito, chorei muito, pedi perdão ao Pai, pois achava que a culpa era minha. Até que fui ao ginecologista e descobri que estava com gonorréia. Não entendi meu marido. Ele disse que teve há 12 anos atrás, e que tomou alguns medicamentos... Eu não acredito nisso, vou aguardar o resultado do medico; mas já percebi que o meu marido tem dupla personalidade; e tenho até medo do que pode acontecer. Eu preciso de uma orientação, pois estou perdida; e ele é presbítero na igreja; e eu não quero prejudicá-lo, mas não tenho condições de tê-lo como meu marido; e não acho correto o pastor dele também ficar sem saber quem ele realmente e. Acho que ele precisa se tratar com um psicanalista. Por favo me ajude. Eu não sei pra onde ir. Meu coração dói muito. Acreditei em uma mentira?????? Por que o Senhor não me mostrou??? eu não teria me casado!!!! Me ajude, ************************************************** Resposta: Minha amada amiga: Jesus venceu o mundo! Viver é sofrer...em boa medida! Sim, num mundo caído, e estraçalhado pela doença de ser que foi gerada pelo pecado, não há limites para o comportamento humano, e nem para a dor que ele gera para si mesmo e para outros. Desse modo, a co-existência entre nós, com todas as nossas doença e enganos, é penosa e dolorida. Sempre foi e sempre será. Foi por isto que Jesus nos preveniu de que no “mundo teríamos aflições”, mas nos disse que tivéssemos “bom ânimo”, pois Ele “venceu o mundo” por nós e para a nossa pacificação. Ou seja: o que eu não consigo vencer, ele venceu para mim e por mim. Quero começar pelo fim. Você perguntou: Por que Deus não me mostrou? Eu não teria casado! Ora, a vida não é assim. Deus não nos dirige por “controle remoto”. Ele nos deixa viver, e é no caminho do existir onde Ele nos ensina, assim como está acontecendo com você agora. Deus não faz planejamento sádico acerca de como a dor vai nos ensinar. As nossas dores são todas nossas, nossas ruínas também; porém Dele vem a nossa salvação! Se a vida fosse assim, cheia de controles e impedimentos divinos, haveria tudo, menos vida e consciência. Num mundo caído como este, a consciência só se formata e cresce na dor. A tribulação produz...perseverança, experiência, e esperança. E essa tríade de dor gera um estranho derramar do Espírito Santo em nossos corações, tirando aquilo que “confunde”, e infiltrando em nós a certeza do amor de Deus. Com relação ao fato em si, sugiro-lhe o seguinte: 1. De fato uma gonorréia de 12 anos atrás, se ainda estivesse “viva” no corpo de seu marido, já teria feito a ele males muito maiores. Portanto, certamente essa é uma doença sexual com grande chance de ter sido adquirida mais recentemente. Obviamente que falo isto baseado na lógica, não em outras certezas ou julgamentos. Deus me livre! 2. O seu repúdio pelo marido, associado a toda essa desilusão, à persistir, inviabilizará completamente o seu casamento. Por isso, se vocês ainda não tiveram filhos, pelo amor de Deus, não os tenham. Isto porque há uma grande chance de que as coisas entre você e seu marido possam acabar em separação, e seria muito ruim já ter filhos, e vê-los participarem do processo, que é sempre, inevitavelmente, doloroso. 3. Chame seu marido e abra o jogo. Também diga seu sentimento sobre essa “duplicidade” de personalidade que você detecta nele; e diga a ele que ele precisa procurar ajuda médica. Primeiramente de um urologista. Depois de um psico-terapeuta. 4. Não ponha o pastor no meio desta história. Se você o fizer, a vida de seu marido virará um inferno. Há pastores que vivem coisas semelhantes, e que ao invés de se tratarem, preferem tratar os outros do modo como não gostariam de ser tratados. Então, apenas o “ameace”—mas sem determinação de realizar—, dizendo que se ele não procurar ajuda, e comprovar que procurou, você contará para o pastor. Mas não conte, mesmo que ele não faça nada em seu próprio favor. 5. Seja qual for o resultado desta história, não a leve para a “igreja”. Trate disso com o seu marido. E se for se separar, separe-se você mesma. Mas não faça um escândalo e nem exponha o seu marido. Seu objetivo, tendo-o ou não como esposo, é ajudá-lo, não destruí-lo; e eu sei que se o assunto for levado para a sua denominação—eu conheço bem a sua igreja—, o seu marido sairá fritado; e, com certeza, não há ali terapia para fazer bem a alma dele. Leia o site. Aqui há muitas outras coisas que lhe serão úteis nesta hora. E não desanime. Você está tendo a chance de conhecer a Graça de Deus, e de expressá-la como misericórdia, mesmo que o caminho seja o da separação. Ele, o seu esposo, passou gonorréia para o seu corpo—remédios vão curá-la; porém, se você o entregar, você vai fazer dele uma gonorréia ambulante aos olhos da “igreja”; e de tal mal nem sempre as pessoas conseguem se recuperar, visto que o gonococos do juízo da religião é mais renitente do que o de prostitutas. E muitas são as almas que morrem de vergonha, raiva e dor diante de tais juízos. Receba minhas orações. Que Deus lhe dê sabedoria. Nele, que não se contamina com nossas doenças transmissíveis, Caio