Português | English

Cartas

Líder Chora?

Líder Chora?

-----Original Message----- From: Mariana Sent: segunda-feira, 30 de junho de 2003 14:57 To: Caio Fabio Subject: Líder Chora? Olá pastor, Tudo na Paz? Estou fazendo uma matéria sobre liderança e gostaria de saber sua opinião a respeito do líder. O foco da minha matéria será a seguinte pergunta: o líder chora? Por que os líderes sempre se mostram fortes e, às vezes, estão passando o maior sufoco? Por que, na maioria das vezes, preferem não comentar a respeito de sua vida pessoal? Por que preferem sofrer sozinhos...dentro de uma "caverna"? Em Cristo, Mariana ************************************************** Resposta: Líder não chora? Chora! O problema é o modelo de liderança cristã não tem mais em Jesus a sua referência. Jesus chorou! Chorou em enterro de um amigo e chorou ante a visão de uma geração inteira que não enxergava a oportunidade da visitação de Deus: Jerusalém! Jerusalém! E fez isso de maneira pública. O modelo de liderança cristã pressupõe como virtude algo que a Palavra chama de engano. E o engano é pensar que a espiritualidade cristã deve produzir um ser estóico ou budista: sem emoções e sem a possibilidade de expressar a dor como dor...sem negá-la. “A minha alma está profundamente triste...até a morte...ficai comigo...vós sois os que tendes permanecido comigo mas minhas tentações...”—disse Jesus. A Cruz é o ápice da demonstração da humanidade de um líder até o fim. Não foge do confronto...se for inevitável...mas não nega seu desespero, seu sentimento de abandono, sua sede, sua percepção da injustiça cometida pela ignorância...e faz isto tendo ainda tempo de providenciar cuidados para a própria mãe e afirmação de perdão para o desgraçado que reconhecia que a Graça pendia ensangüentada na Cruz do meio. Portanto, resumidamente, eu diria que quanto mais verdadeira for a espiritualidade de um cristão, mas humano ele se mostrará. O que passar disso não foi ensinado por Jesus e muito menos pelos seus apóstolos. Os líderes não se “abrem” na hora do sufoco por muitas razões: 1. Pela falácia vendida por eles mesmos que em Cristo não teremos mais aflições. Especialmente depois da Teologia da Prosperidade, pois, em algumas de suas versões, até mesmo a doença do líder é escondida. Afinal, eles crêem que se oram e Deus... cura deve acontecer porque o poder se aperfeiçoa na fortaleza deles...e não na fraqueza...como era a convicção de Paulo. Assim, a Glória não vai nunca para Deus, mas sempre para eles. 2. Não se abrem também porque não confiam em ninguém. Os “colegas” desprestigiam a dor de um pastor que a expressa. “Está em crise”—é o que dizem. Então, ficam todos silenciosamente em crise...até que “explodem”. 3. Porque o líder oferece a si mesmo como o modelo do rebanho—não como a Palavra ensina: em moderação, mansidão, brandura e exemplo de vida mansa e serena na Graça! Ora, negando que ser “modelo do rebanho seja isso” eles instituem seus supostos super-poderes como a referência auto-glorificante. Desse modo, o “modelo” do rebanho não é um homem, mas uma espécie de super-homem. Obviamente que as mulheres e filhos sabem que ele está mentindo...mas acabam tornando-se “cúmplices” na “doença não confessada” do marido ou do pai-pastor. Na minha opinião enquanto a humanidade do líder não tiver prevalência sobre a mascara e a imagem—hipocrisia—, não há esperança de saúde para o mundo pastoral. E meus amigos e colegas pastores sabem que eu sei o que estou dizendo. Eles sabem que falo a verdade. Ninguém me contestará. Mas poucos publicamente concordarão. Enquanto essa farsa perdurar...as doenças só aumentarão. A pior doença é aquela que nega a si mesma o direito do tratamento. Esses tais não precisam de médico. Pobre deles! Com tal visão equivocada sobre si mesmos e sobre a vida...o que sobra é a caverna. Líder sem direito à sua própria humanidade e que sonega a si mesmo o privilégio de ter pelo menos um amigo... é líder na caverna! Caio