Português | English

Cartas

LADRÃO DE GALINHAS E UM DOCE COMENTÁRIO SOBRE A GRAÇA

LADRÃO DE GALINHAS E UM DOCE COMENTÁRIO SOBRE A GRAÇA

-----Original Message----- From: Christian Sent: segunda-feira, 3 de novembro de 2003 14:03 To: contato@caiofabio.com Subject: Ladrão de Galinhas E aê Caio... Tudo bem com você? Sou estudante de engenharia, moro em SP (embora não goste muito...) e desde julho tenho lido quase que diariamente o site!! Estou sendo muito bem alimentado com os textos, todos inspirados pelo Espírito do nosso Deus... eles são extremamente profundos e ao mesmo tempo simples, assim como a vida na Graça... simples e profunda... leve, livre de julgamentos e legalismos moralistas! Eu nasci em um lar cristão, vou a igreja antes mesmo de nascer e cresci nesse meio, onde não raras vezes quis "comprar" a Graça que na verdade sempre foi de graça (por vezes ainda me vejo fazendo isso)... mas graças a Deus, cada dia sofro um pouco menos com as barganhas... Estou buscando viver essa vida livre em Jesus, e tenho aprendido a cada dia com a sua ajuda, querido Caio... Muito obrigado!! Tenho orado pelo seu ministério, para que muitas vidas sejam transformadas aqui (e em qualquer outro lugar, e de qualquer outro jeito... pois Ele é maravilhosamente imprevisível), para a glória do nosso Deus!! Um grande abraço em amor... Christian PS: Segue um texto que eu recebi esses dias... não sei se você já o conhece, é bem divertido... e também meio trágico... enfim, é Veríssimo! ******************************** Resposta: Amigo Christian: Paz! Todos nós, de vez em quando, dada a "familiaridade com o ídolo" ainda fazemos umas barganhas-zinhas, mas isso logo passa. Então, você entra na paz! A fé vem pelo ouvir-ler-internalizar a Palavra de Deus! Quando a gente menos nota, está tudo lá. E mais: a gente só nota quando precisa, mesmo! Deus sempre dá um jeito de fazer a gente ter que depender Dele e viver na Graça. Receba meu beijão. Nele, Caio ******************************** Segue o texto prometido ******************************** Pegaram o cara em flagrante roubando galinhas de um galinheiro e levaram para a Delegacia. - Que vida mansa, heim, vagabundo? Roubando galinha para ter o que comer sem precisar trabalhar. Vai para a cadeia! - Não era para mim não. Era para vender. - Pior. Venda de artigo roubado. Concorrência desleal com o comércio estabelecido. Sem-vergonha! - Mas eu vendia mais caro. - Mais caro? - Espalhei o boato que as galinhas do galinheiro eram bichadas e as minhas galinhas não. E que as do galinheiro botavam ovos brancos enquanto as minhas botavam ovos marrons. - Mas eram as mesmas galinhas, safado! - Os ovos da minha eu pintava. - Que grande pilantra.... Mas já havia um certo respeito no tom do delegado. - Ainda bem que tu vais preso. Se o dono do galinheiro te pega.... - Já me pegou. Fiz um acerto com ele. Eu me comprometi a não espalhar mais boatos sobre as galinhas dele, e ele se comprometeu a aumentar os preços dos produtos dele para ficarem iguais aos meus. Convidamos outros donos de galinheiro a entrar no nosso esquema. Formamos um oligopólio. Ou, no caso, um ovigopólio. - E o que você faz com o lucro do seu negócio? - Especulo com dólar. Invisto alguma coisa no tráfico de drogas. Comprei alguns deputados. Dois ou três ministros. Consegui exclusividade no suprimento de galinhas e ovos para programas de alimentação do governo e superfaturo os preços. O delegado mandou pedir um cafezinho para o preso e perguntou se a cadeira estava confortável, se ele não queria uma almofada. Depois perguntou: - Doutor, não me leve a mal, mas com tudo isso, o senhor não está milionário? - Trilionário. Sem contar o que eu sonego de Imposto de Renda e o que tenho depositado ilegalmente no exterior. - E, com tudo isso, o senhor continua roubando galinha? - Às vezes. Sabe como é. - Não sei não, excelência. Explique-me. - É que, em todas essas minhas atividades, eu sinto falta de uma coisa. O risco, entende? Daquela sensação de perigo, de estar fazendo uma coisa proibida, da iminência do castigo. Só roubando galinhas eu me sinto realmente um ladrão, e isso é excitante. Como agora. Fui preso, finalmente. Vou para a cadeia. É uma experiência nova. - O que é isso, excelência? O senhor não vai ser preso não. - Mas fui preso em flagrante pulando a cerca do galinheiro! - Sim. Mas primário, e com esses antecedentes..... ( autor: Luis Fernando Veríssimo)