Português | English

Cartas

IGREJA NÃO É TERREIRO DE MACUMBA

IGREJA NÃO É TERREIRO DE MACUMBA

-----Original Message-----
From: IGREJA NÃO É TERREIRO DE MACUMBA
Sent: terça-feira, 28 de outubro de 2003 16:49
To: revcaiofabio@terra.com.br
Subject:  TENHO MEDO DE ME AFASTAR DOS CAMINHOS DO SENHOR

Oi Pastor!
 
Estou há muito precisando de ajuda, não sei se envolve tanto a parte espiritual, mas sei que está confundindo minhas atitudes.
Congrego numa igreja próxima a minha casa.
Participo da diretoria da igreja, sou professora da EBD, bem como de outros departamentos.
Porém, nos últimos dias sinto-me sem vontade de continuar lá.
Nosso pastor é legal, apesar de já termos tido alguns desentendimentos, porque muitas vezes pensamos diferentes. Mas sempre contornamos a situação.
Afinal não são brigas.
Só que nos últimos dias sinto que as coisas não estão sendo bem democráticas, como é o  nosso regime...
Antes era democrático!
Mas agora o normal é: nós combinamos, discutimos numa reunião, e depois, só é feito o que a esposa dele quer.
Sua mudança de atitudes vem-se notificando muito mais após o seu casamento.
Muitos na igreja acreditavam que com sua esposa tudo melhoraria, todos os departamentos teriam mais assistência.
É bem verdade que mudou: o louvor melhorou, e algumas atividades que se planejava e nunca saíam do planejamento passaram a ser executadas.
Mas nossas opiniões e decisões também foram extintas.
Ás vezes penso que estou criticando muito, mas esse não é só o meu pensamento, muitos sentem a mesma coisa, e ficam calados, talvez por que seja a mulher do pastor, e também por saberem que ele jamais dará razão a nós, ao invés de dar razão à sua esposa.
A verdade é que há muitas bobagens que interferem numa aceitação 100% de seus projetos... quando não concordamos com alguma proposta, tudo é logo levado para o lado pessoal de cada um, tanto do pastor como de sua esposa.
Sabe pastor, não tenho pretensão de sair dos caminhos de Deus, gosto da igreja porque é pequena, nos conhecemos, mas não consigo mais conciliar ou aceitar tanta imposição.
Já orei, pedi orientação ao Senhor e em pregações em igrejas, rádios, tenho como resposta que devo ficar lá.
Não sei se estou interpretando certo...
Meu esposo já disse que vai pedi desligamento de sua membrasia e cargos; e que eu devo fazer o mesmo.
Procuro convencê-lo do contrário, mas estamos no mesmo impasse - sem querer ficar mais lá.
Estamos visitando outras congregações, mas mesmo assim acho que devamos procurar a igreja e esclarecer tudo apesar de não sermos procurados pelo pastor após alguns dias de ausência.
É!!! Precisava desabafar!
Espero que possa me entender e me ajudar.
Em Cristo,
***************************
Resposta:

 

Minha amada irmã: Paz e Bem!

Tentarei sem bem simples e prático.

Você contou os problemas na sua igreja—com o pastor e a esposa dele—e acrescentou que não quer se “afastar dos caminhos do Senhor”.

É isto que mais angustia no meio evangélico: a “igreja” conseguiu enfiar na cabeça dos crentes que sem ela a pessoa está automaticamente fora dos caminhos de Deus.

A Igreja de Deus—aquela que só Ele conhece e da qual nós temos vislumbres enquanto encontramos os irmãos—, não está disponível como prédio e endereço.

De fato, sempre que alguém desiste do Caminho, automaticamente perde a comunhão com os irmãos, apenas porque eles deixaram de ser irmãos para quem não quer ser filho de Deus.

Mas você não está falando da Igreja, mas de uma “igreja”.

Quem evoca para si esse papel medianeiro entre Deus e os homens é a “igreja”, cometendo assim um grande estelionato espiritual.

Há um só mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo, homem.

A Igreja é o lugar onde dois, três, etc...se reúnem em seu Nome e ali Ele está no meio deles.

Portanto, a Igreja é o encontro dos que receberam a mediação salvadora da Graça de Deus em Cristo. Mas ela não é mediadora. Ela é a comunidade do testemunho de Jesus, da adoração e do serviço espontâneo e solidário para com o próximo.

Já a “igreja” pode ter Igreja dentro dela ou não.

Dentro da Igreja não há “igreja”.

Mas dentro da “igreja” há muitos da Igreja.

Portanto, não há como você sair da Igreja. À menos que você deliberadamente diga de todo o coração que Cristo é maldito, e que você não crê Nele.

Quanto ao mais, não há meios de você sair da Igreja ou de ser expulsa dela.

Ninguém deixa de ser Igreja se é de Cristo!

Assim, estar em Cristo é também estar na Igreja.

Mas estar na “igreja” não significa estar em Cristo.

Por isso, minha querida, tranqüilize seu coração e tome a decisão do bom senso.

Não há medos e nem temores.

Não trate a “igreja” com se fosse um “terreiro de macumba”, de onde o afastamento dos “trabalhos” e “despachos” pode significar a quebra das “obrigações”, e o recebimento das “punições” dos deuses.

O problema é que para a maioria dos cristãos a “igreja” se revestiu desse poder de “terreiro de macumba”. Sair sem permissão implica em maldição!

Mentira, minha irmã!

Se sua “igreja” anda assim tão despótica; e se seu marido não agüenta mais; então, saiba: sua Igreja começa com seu marido. Essa é a primeira comunhão na terra que você agora tem tentar preservar da melhor maneira possível.

Como já vimos, da Igreja, ninguém que está em Cristo, jamais sai. Mas da “igreja” qualquer um pode sair “sem deixar os caminhos do Senhor.”

Portanto, apenas decida o que é melhor para vocês, sem neurose, medo, culpa; e nem tampouco radiostrologia, tvtarô, pulpitologia mediúnica, ou qualquer forma evangélica de consultar a necromante e as cartas que existe no meio evangélico com outros signos, perdas de toque, e força de oráculo.

Deus deu cabeça pra você usar, e bom senso para você poder discernir.

Não há complicação.

Realmente é simples como estou lhe falando.

A ética mandaria você fazer uma cartinha carinhosa para sua igreja—sem queixas ou denuncias—e comunicar que por razões pessoais você e seu marido estão se mudando para outra “igreja”.

Mas escolha primeiro uma “igreja” legal, onde não haja loucuras ou maluquices.


Um beijão,

Caio