Português | English

Cartas

GANHEI DORES E PERDI AMORES...

GANHEI DORES E PERDI AMORES...

 

 

 

 

----- Original Message -----

From: GANHEI DORES E PERDI AMORES...

To: contato@caiofabio.com

Sent: Monday, September 24, 2007 17:28

Subject: Portugal

 

 

Querido irmão Caio!

 

 

Resido em Portugal e gostaria muitíssimo de saber se tem agendada a sua presença por cá.

 

Seria uma bênção!

 

Suas palavras falam ao meu coração.

 

Tenho tanta sede de Deus!

 

Tenho 30 anos e durante 10 me prostituí...

 

Num turbilhão de cedências à carência que foi crescendo em mim, me envolvi em drogas.

 

Ganhei dores, perdi amores, vi em fumo o que alcancei, tive asas de todas as cores e ri do que já chorei...

 

Entre tantas falsas promessas, a que rasgou profundamente o meu coração foi amar sem ser amada.

 

Como dói!

 

Hoje começo a entender a rejeição que dei tanto tempo ao meu amor Jesus. Quando minha embriaguez de tristeza abriu uma porta para Deus, todas as outras se fecharam.

 

O Espírito de Deus foi me concedendo a consciência de que nasci para ser feliz e me fortalecendo tão rapidamente.

 

Fiz minha casa caber na mochila; minhas mãos que só sabiam servir ao que era contrário a Deus começaram a procurar trabalho, e o meu coração se encheu de vida.

 

Até o espelho ficou mais bonito.

 

Ainda estou no "deserto", mas a cada dia que passa me sinto tão mais grata a Deus por me ter dado olhos que me permitem ver em mãos cheias, corações vazios, e em joelhos dobrados, o amor que me faltava.

 

Deus tem me mostrado que sem nada, com Ele, tudo posso.

 

Tem me mostrado que quando deitamos por terra tudo o que nos envergonha diante dEle, em nosso coração só achamos amor.

 

Tem me mostrado que minhas humilhações diante das provas que não posso evitar determinam minhas vitórias.

 

Tem me feito sentir-me amada como homem algum seria capaz.

 

Como sou grata pelo que ora não tenho!

 

E quando sofro decepções e peço a Deus que faça justiça porque aquela pessoa me magoou, Ele faz.

 

Permitindo que a dor de não liberar perdão me faça novamente dobrar os joelhos mudando minha oração, pedindo a sabedoria de discernir a ofensa do que me ofendeu e ganhando a consciência de que como julgo assim serei julgada, e de que a mão que nos fere, também ela nos permite aprender a perdoar.

 

Por que lhe conto tudo isto, Caio?

 

Para que seu coração saiba que suas palavras, seu trabalho, sua entrega, sua vida é importante para mim.

 

A Paz!

___________________________________ 

 

Resposta:

 

 

Minha querida irmã no amor de Deus: Graça e Paz!

 

 

Ouvi sobre suas dores e amores com muito carinho.

 

Dor. Quem seríamos nós sem dor?

 

Dor. Bênção sentida como maldição.

 

Dor. Graça entendida como desgraça.

 

Dor. Providência do amor vista como azar.

 

Dor. Recurso divino para nos salvar.

 

Sim! Pois sem dor a existência se torna psicopatia.

 

Afinal, quem é o psicopata senão um ser incapaz de dor?

 

Que bom que você sentiu dor.

 

Que bom que sua dor a levou ao Consolador.

 

Sem dor, quem seria você? Sim! Quem eu seria sem dor?

 

Sem dor nascem os monstros, os seres sem afeto, as criaturas sem misericórdia.

 

Jesus disse um dia a uma mulher como você um dia foi — e que veio à Presença Dele ante os olhares julgadores dos reis do exemplo sem vida, os fariseus, os quais julgavam a Jesus por deixar-se tocar e beijar pela mulher que viera da noite e jogara-se a Seus pés para adorá-lO — que ela estava perdoada, e mais: que era justamente em razão do tamanho do amor que ela reconhecia que de Deus recebera em Jesus, que ela amava a Ele mais que os outros, pois aquele a quem pouco se perdoa (em razão de a pessoa achar que não precisa de tanto perdão assim), esse pouco ama; mas aquele a quem muito se perdoa, esse muito ama.

 

Assim, vejo com beleza os seus cabelos soltos enxugando os pés do Salvador em razão de que você os molhou com as suas lágrimas de amor grato.

 

Por enquanto não tenho nada marcado para Portugal. Mas se tiver e quando tiver, avisarei você através do site.

 

Durante anos Portugal foi minha casa. Toda a liderança evangélica viva entre 1977 e 1998 (e que continue viva hoje) me conhece muito bem, e o povo que desde aquele tempo já cria também muito me conhece, pois eu pregava sempre aí.

 

Continue firme. E se você encontrar outros que desejem se reunir com você, me diga, pois eu creio que poderei ajudar você a desenvolver um grupo que expresse linda comunhão no Evangelho.

 

Foi uma mulher quem primeiro viu o Ressuscitado!

 

Quem sabe o “Caminho” toma forma de esperança aí mediante a devoção do seu amor por Jesus.

 

Para pregar basta amar. Quem ama a Jesus e ama o próximo já sabe tudo o que é preciso para anunciar o reino a todos os seres humanos.

 

Que você seja assim!

 

Receba meu carinho e minhas orações por você.

 

 

NEle, que unge a todos os que são chamados para Ele mesmo,

 

 

Caio

 

24/09/07

Manaus

AM