Português | English

Cartas

FUI DEMITIDO POR SUA CAUSA...

FUI DEMITIDO POR SUA CAUSA...

 

----- Original Message -----

From: FUI DEMITIDO POR SUA CAUSA...

To: Caio Fábio

Sent: Friday, June 19, 2009 5:42 PM

Subject: Demitido por sua causa...

 

Pastor Caio,

Hoje fui informado da minha demissão do quadro de professores de um dos seminários que lecionava. O motivo foi acusação de disseminação de doutrinas contrárias a fé professada no seminário, e por estar associado ao – Caio Fábio - disseram: “um professor associado ao herege do Caio Fábio não é digno de fazer parte do nosso quadro de professores”.

Essa decisão foi tomada no concílio nacional da igreja que comanda o seminário. A discussão sobre minha pessoa foi motivada por pastores de Fortaleza que já haviam espalhado diversas mentiras ao meu respeito, além de divulgarem nos lugares que podiam que o Caminho da Graça era um veículo de Satanás, e que pessoas como eu e o senhor éramos demônios puros.

Minha história com esse seminário de linha pentecostal era interessante. Destaquei-me como professor sendo no último levantamento feito entre os alunos tido como um dos melhores, porém minha insistência no Evangelho irritava desde muito tempo alguns pastores, que agora por fim conseguiram o que queriam.

De fato, com essa demissão, minha principal fonte de renda é afetada, porém, hoje, em vez de estar triste alegrei-me por Deus ter me achado digno de sofrer pelo seu Nome e estar associado ao homem que a meu ver é um instrumento de Deus para a divulgação do seu Evangelho.

Obrigado pelas orações que sei que sempre dirige aqueles que são pastoreados por você. Sei que não faltarei em seus lábios.

Sigo confiante que Aquele que é o Caminho me sustentará em tudo.

Ivo Fernandes

19 de junho de 2009

______________________________________

Resposta:

 

Mano amado no Senhor: Graça e Paz!

 

Se pelo nome de Cristo sois injuriados, bem-aventurados sois; pois, sobre vós, repousa o Espírito da Glória e de Deus” — Pedro.

 

A alegação deles “sou eu”, mas, de fato, não suportam mesmo é a desconstrução que o Evangelho puro e simples causa à fábrica de soldadinhos de chumbo que eles chamam de “seminário”.

Não é o que ensino e nem o que você ensina o que causa esse problema. Ensinei as mesmas coisas durante anos, e todos eles queriam que eu estivesse batendo as mesmas coisas sempre, pois, para eles, era como se pensassem: “A gente não quer..., mas admite que é a verdade!...”

Qual foi ou é o problema então?...

O problema não é o que se diz..., pois, eles sabem que é Evangelho, mas sim o que não se diz, que se vive e faz; e que é praticado exclusivamente em obediência ao Evangelho, sem retrações ou barganhas a fazer...

E mais:

Como não faço mais parte “disso”, tal fato lhes causa imenso e insuportável desconforto... Sim, eles não podem mais dizer: “Este profeta é nosso!...” E é aí que reside o perigo, do ponto de vista deles.

Enquanto ao ver deles o “Caminho da Graça” era uma aventura sem futuro, eles toleraram... Agora, porém, com gente e gente vendo, enxergando, pensando e perguntando acerca do Evangelho e do que fizeram com ele... — eles ficam aflitos, pois, agora, a coisa é para valer...

Então, haverá os “aderentes”...., que são perigosos; pois, não se convertem, mas vêm apenas por causa da ‘onda do povo’; assim como aumentarão os perseguidores, os quais farão isto como quem limpa a “casa de Deus”...

Sabendo ou não, o fato é que chamam juízo de Deus sobre eles mesmos!

Afinal, quem impede o ensino do Evangelho e que não venha a ser perguntado por isto diante de Deus e dos anjos?

Se apenas palavras frívolas já nos colocam diante do fato inapelável de que delas daremos conta no dia do Juízo, quanto mais do fato de alguém proibir a pregação e o ensino do Evangelho? E pior: ... fazendo isto em nome de Deus?...

Quanto ao seu sustento, não duvide jamais, pois, quem sustém você é o Senhor, e é Dele que virão os meios!

Este está sendo um ano de algumas tribulações para alguns mentores do “Caminho da Graça”.

Para mim é um bom sinal espiritual!

No Encontro do Rio achei você um tanto quieto e silencioso. Comentei com um ou dois além da minha mulher. Daí a minha insistência com você para que você desse uma passada por aqui.... Agora, mais ainda, quero que você venha e seja aninhado um pouco, a fim de refazer o espírito, pois, quebra o espírito sentir este tipo de reação de quem deveria amar a verdade.

Há uma vontade do diabo que vejo dia a dia manifesta quanto a tentar calar as vozes que ainda pregam a Palavra!

Esta semana vi aqui na Internet uma campanha maligna contra um amigo meu, que não é do “Caminho da Graça”, mas é da Graça no Caminho, e que nada faz na vida senão pregar a Palavra, com níveis de seriedade já não encontrados com facilidade — mas que, por razões da subjetividade invejosa de um ou dois loucos, está sendo alvejado com mentiras calçadas em fatos mais velhos que Matusalém.

Quando eles não têm nada para dizer, recorrem ao passado...; tipo: “Vocês sabiam que o fulano já fez kaka nas calças?... Sim, aos 12 anos ele fez kaka nas calças!”

Então, eles, com as calças adultas cheias de kaka, julgam a kaka da adolescência de um outro!...

Ora, isto quando eles têm algum fato/kaka da pessoa para usar, mas, quando não têm, não faz mal...; eles inventam!...

Sei que seu passado sofrido será de grande valor nesta hora, pois, conquanto você seja ainda jovem, é um homem que conhece dores. E, por isto, sei que você tirará o melhor proveito de tudo isto.

Não tiraram nada de você. A você deram ainda mais liberdade. Eles tiraram foi deles mesmos, e dos alunos que se beneficiavam do Evangelho.

Mano, receba meu beijo e todo o meu carinho, bem como de todos os seus amigos mentores do “Caminho da Graça”.

 

Nele, que nos irmanou nesta hora tão visceral da História Humana,

 

Caio

20 de junho de 2009

Lago Norte

Brasília

DF