Português | English

Cartas

ESTOU NAMORANDO UMA MULHER “EX” DE UM HOMEM PODEROSO

ESTOU NAMORANDO UMA MULHER “EX” DE UM HOMEM PODEROSO



Amigo Caio, Estou reiniciando um namoro com uma mulher que namorei há 10 anos atrás. Eu quase casei com outra depois disso (fui noivo), e ela morou junto com outra pessoa nesse tempo. Nos reencontramos após a separação dela e o meu término de noivado. O que seria um encontro pra matar saudades, virou um incandescente reencontro do romance que vivemos no passado. Apesar disso, muitas diferenças eu percebi nela; e ela, ao contrário, ficou impressionada em como eu poderia estar exatamente como há 10 anos, sem ter mudado. Eu sem sentir já estava achando aquilo uma chance de recomeço, e ela cautelosa e sem querer iniciar nada. Bom, foram 3 meses de alguns encontros, muita conversa e muita dificuldade para penetrar naquele coração endurecido pro amor, e que não queria nada com carinho ou que tivesse emoção. Quando estava quase a desistir, começamos a namorar. Isso, porém, parece ter sido um novo round: muita dificuldade para coisas ligadas a carinho, da parte dela. Sou uma pessoa carinhosa e gosto de tratar bem a quem gosto. Ela, porém, chama o meu jeito de melação. Tenho me controlado, mas o que é normal pra mim, pra ela tem outro sentido. A cada dia fico desanimado, pois, estou ficando cansado de tentar construir algo com uma pessoa tão destrutiva e pessimista. Bom, deixa eu te passar o perfil dela: 7 anos de casamento com um homem de grandes posses, extremamente racional, onde carinho não era o mais importante. Uma vida de viagens todo ano para fora, presentes os mais caros, carros novos, produtos importados, apartamentos luxuosos; enfim, uma vida de princesa. Isso acabou com uma traição, e ele partiu para outra. Ela ficou na miséria e hoje mora no subúrbio, de aluguel, contando moedas para sobreviver e pagar as contas. Isso, porém, não tirou dela a vontade desenfreada de ter a vida material que tinha e passou a ser prioridade na vida dela. Ela diz que antes de ter muito dinheiro não quer saber de abrir o seu coração, pois não acredita em fidelidade, e muito menos em felicidade no amor. Não bastasse isso, na separação, a amante do marido era ligada à bruxaria e ao Candomblé, o que fez ela também buscar nisso uma ajuda. Obviamente só piorou o seu caso, e quando nos encontramos, ela já estava em busca de uma igreja evangélica; mas tem tido uma grande dificuldade de ir aos cultos, apesar de quando ir se sentir muito bem. Eu assisto a isso tudo e tenho por ela um amor muito grande, mas confesso que não sei exatamente se devo investir nisso, pois, é muito difícil tentar algo com alguém assim: fechada para o amor e com um certo revanchismo pra mostrar que pode voltar a ter a vida que perdeu. O que me intriga nisso é que achei que o meu carinho fosse quebrar esse gelo, mas as colocações de que sou muito melado, estão me podando. Não posso ser quem eu sou, mas ao mesmo tempo, acho que estou aprendendo a não ser melado, o que deve ser bom, pois as mulheres em geral não gostam de homens assim. O meu desprezo ainda que pequeno, gera um retorno dela até com algum carinho, apesar de não entender porque esse carinho não vem quando eu o dou. O nosso sexo antes de oficializarmos o namoro era forte e avassalador. Hoje é quase inexistente, inclusive os beijos calorosos... acabaram. Às vezes parece que estamos casados há anos (mesmo morando em casas separadas). Há um cuidado nas minhas roupas, no preparar uma comida, ao arrumar minha camisa, ao me receber, tudo como eu sempre sonhei, mas queria não ter perdido o sexo avassalador; afinal, não somos casados. Quando converso sobre, ela me diz que não sente falta de sexo, beijo na boca, carinho e que viver assim é mais seguro, pois a impede de sofrer. Isso me confunde, pois, como vou ter algum relacionamento com alguém assim? Apesar de gostar muito dela, vale investir num relacionamento assim? Por ela ser a mulher mais bonita e sensual que já vi na minha vida, o assédio em cima dela é absurdo e é impossível não sentir ciúmes de uma mulher assim, apesar dela saber colocar as pessoas em seu devido lugar. Tenho também ciúmes que não entendo, de casos anteriores, quando ainda não havíamos nos reencontrado. Fico imaginando que ela foi tocada por outra pessoa e que sentia prazer com outra pessoa, e isso me mata por dentro. Acho um absurdo sentir isso, mas a verdade é que sinto. Caio amigo, nesse rolo todo, estou super confuso. Ela diz: eu quero ter dinheiro, dinheiro e mais dinheiro. Não sinto falta de carinho. Não dá carinho. Não temos mais o sexo com fogo. Ela está racional e até fria. As alterações de humor são gritantes: Um dia maravilhosa; no outro trancada, séria, sem falar direito; e ao conversarmos... entra grosseria e mais frieza. No dia seguinte tudo como se nada tivesse acontecido. Ela tem pesadelos muito sinistros com macumba. Caio, que coisa...amigo, o que você pensa disso tudo? Devo investir e tentar buscar meu amor desse mar de lama? Eu acredito tanto no que sinto, que me sinto capaz de lutar por ela... Ou não estou enxergando coisas que estão na minha cara e que eu devo desistir? Estou muito, mas muito confuso mesmo, amigo. __________________________________________________ Resposta: Meu amigo querido: Graça, Paz e Esperança! Sendo direto e prático, eu lhe diria o seguinte: Ela tem referencias históricas e emocionais complicadas de serem “desfeitas”. Quando uma mulher vive o que ela viveu, e, tendo sido “abandonada e trocada”, em geral fica como ela ficou ou está; especialmente se é ambiciosa, e, mais do que amor pelo “dono” anterior, tendo tido com ele uma relação adoecida, tanto afetiva, quanto sexual e psicológica... como parece ter sido o caso. Conheço inúmeras mulheres como ela... todas “ex-mulheres” de homens poderosos. Mulheres costumam ficar assim quando estiveram muito tempo ao lado de homens brutos e traidores, sem afeto e sem delicadeza, mas que, ao mesmo tempo, são experientes na cama, e, mais do isto: usam o poder do dinheiro para recalcar um monte de queixas da mulher em outras áreas. Tipo: Está zangada? Uma viagem para a Europa!—então a mulher vai... e curte... e esquece... e volta dizendo: Ele não presta, mas quem me dará tal vida? Ora, em geral também, tais mulheres vêm de uma família pobre ou simples, são belas e sensuais, e são troféus de maridos galinhas... Assim, quando a coisa acaba, e uma mais nova entra na parada, a mulher deixada quer continuar a ter os privilégios anteriores, e, não os tendo, busca-os de modo alucinado. Eu lhe digo que ela, de fato, e até inconscientemente, busca um novo marido que não seja melado, mas que tenha uma conta muito bem melada de grana no Banco. Parece estranho o que vou dizer, no entanto, é apenas fruto da observação. Muitas mulheres se viciam nesse tipo de “relação perversa”, e até o desejo sexual delas acaba por se tornar perverso! Assim, muito provavelmente, se aparecer “um galinha” rico e cheio de “viagens”, mesmo que seja o replay do antigo marido dela, ela acabará por embarcar na viagem das tormentas outra vez. Sinceramente, sei que há um grande trabalho psicológico a ser realizado nela e por ela, com a ajuda de alguém. Todavia, acho temerário ficar numa relação aguardando evoluções de natureza psicológica, pois, casamento tem que ser na cama, não no Divã. Seria total precipitação e eventual frustração ficar aguardando que ela melhore dos traumas dela, sendo que nem certeza há de que isso acontecerá. Assim, meu amigo, pense no que lhe disse, e, se lhe convier passar mais tempo com ela, passe; mas não carregue com você grandes expectativas de cura e reajuste. Eu poderia dizer a você para perseverar com ela, mas, de fato, do ponto de vista da experiência e da sabedoria, eu não estaria sendo sensato para com sua situação e vida. É apenas por essa razão que estou tratando tudo com tanta objetividade. Receba meu carinho, e minhas orações. Nele, Caio