Português | English

Cartas

ESSE HOMEM VIVE EM MIM

ESSE HOMEM VIVE EM MIM

-----Original Message----- From: ESSE HOMEM VIVE EM MIM Sent: 26 de janeiro de 2004 14:38 To: Revcaiofabio@terra.com.br Subject: AMO E AMO ****************************** Pastor, tenho visto as pessoas se abrirem com o senhor. Por isso, tomei a liberdade de escrever pedindo o seu e-mail particular. Temia ficar no meio de outros milhares de e-mails. Eu preciso me abrir também. Não tenho ninguém em quem confiar. Se não falar tenho medo de explodir. Um resumo: Ele é um mestre aqui no lugar que vivo, na França. Eu o conheci há 10 anos. E tenho trabalhado para ele com todo amor. Acho que amei ele desde o dia em que fui apresentada. Fiz tudo para esquecer, pra tirar ele da minha cabeça e da minha alma, mas ele me fascina da pele ao meu espírito. Ele me invade toda, e por todos os poros. Nós éramos casados. Acabamos nossos casamentos, e ele e eu perdemos tudo. Ele não pode mais ensinar Filosofia e Antropologia bíblica. E eu fui com ele para o que desse e viesse... Ele tem duas filhas e eu uma. A minha o aceitou muito bem, mas as filhas deles não podiam me receber como esposa dele porque a mãe delas me odeia. Foi tanta pressão que não agüentamos e nos separamos. Aliás, ele se foi... Ele e eu somos apaixonados, mas ele disse que não suportaria uma vida sem as filhas. Tentou ficar sem ninguém, mas creio que tentando me esquecer e agradar as duas filhas, ele se envolveu com uma mulher. Ela é francesa. Eu sou brasileira, filha de franceses, e cresci aqui e aí no Brasil. Ele acabou casando. Mas sei que está muito infeliz. Acompanho a vida dele através de um amigo dele. Sei que ele acha que ela é uma ótima pessoa, mas que não a ama. Ele diz que a cada dia mais sabe que me ama. E sofre. Eu não posso nem me imaginar tentando esquecer dele, tentando namorar alguém. Eu sei que vomitaria. Ele entrou em mim. Somente a ele eu amei. Sem ele eu não saberia o que é amor. Fiquei com muita raiva da fraqueza dele no começo de tudo. Achei que ele não foi firme, que cedeu para a ex-esposa e para as filhas, e agora ele está casado com uma “amiga”, e as filhas dele também não estão com ele. Ele ficou só. E pensar que era esse o castigo que ele temia...ele é louco pelas filhas. Não adiantou nada. As filhas mudaram com a mãe para a Inglaterra. Sei que nunca mais vou amar outra pessoa, mas meu analista diz que sou obcecada por ele. Eu não sinto que eu tenha esse “problema”. Eu amo ele, infelizmente. Será que eu tenho que tirar do meu coração esse amor apenas porque não é considerado normal alguém amar desse meu jeito? Será que alguém consegue acabar com um amor assim, que ama mesmo sem ter mais a pessoa pra gente todo dia? Me responda por favor. Estou cansada de não saber se estou alimentando uma patologia psicológica, ou se é um direito meu fazer essa escolha tão mal entendida por quase todas as pessoas. Tentei ser bem objetiva porque que fui treinada pra dar relatórios (rsrsrsrs). Tudo o que eu queria era aprender a amar sem sofrer. Será que isso é possível? Me fale. Que bom ter a internet e poder “vista-lo” daqui. Obrigado. ************************** Resposta: Querida amiga: Paz e Esperança! Já tenho escrito aqui no site algumas vezes sobre esse assunto. Recomendo a você que faça a leitura das outras Cartas. O que tenho a dizer, supondo que você lerá as outras Cartas, é o seguinte: 1. Não se obrigue a nada. A gente manda no máximo no comportamento, quando tem decisão firme e vontade forte. Mas no coração não se manda. 2. Você poderá aprender a amá-lo sem sofrimento. Suponho que suas dores sejam muito passionais; afinal, você o ama e sabe que ele ama você, embora esteja casado com uma “amiga”. 3. Se você se violentar e tentar “substituí-lo”, pela sua constituição, possivelmente você faria um estupro a você mesma. E se ele está infeliz, saiba: se você casar, possivelmente você ficará muitas vezes mais infeliz que ele. 4. Se ele a ama, e se esse amor é correspondido por você na intensidade e certeza que você afirmou, entregue a Deus. Deixe em Moriá, pois no monte do Senhor se proverá. 5. Quem sabe ele foi tirado de você “temporariamente a fim de que você um dia venha a tê-lo para sempre!” 6. Não viva alimentando o sonho de como seria se vocês estivessem juntos. Isso aumentará a dor. Confie em Deus e descanse. 7. Entregue seu sentimento como uma “libação” a Deus, como um sacrifício de amor, e deixe no altar com devoção e alegria. 8. Não deseje nenhuma catástrofe sobre o atual casamento dele, pois isso poderia inviabilizar espiritualmente um possível re-encontro de vocês. 9. Saiba que é muito incomum acontecer o que aconteceu com você. Mas é de amores sem medo e assumidos como o seu, o “lugar” de onde a humanidade tira sua inspiração para amar. 10. Leia meu texto, em Reflexões, intitulado “Amores impossíveis: parábolas do amor de Deus”. Leia também “Mulher além do alcance”; e também “Sou mulher de uma homem só”. Entenda, para mim este não é um conselho “normal”. O que eu deveria fazer seria estimular você a desistir, a matar isso no coração. Mas é que eu já vivi o suficiente para saber que tais amores ainda existem, e que não é sábio impor ao coração uma guerra contra a verdade. Quem o faz acaba saindo com a sensação de que corrompeu o coração. Sei que muitas mulheres acham machista esta minha opinião, mas não estou tentando ser politicamente correto, mas apenas honesto com muitas mulheres que se violentariam se seguissem as sugestões de matarem o amor com atos de monogamia sucessiva, ou com namoros que desvendam parte da intimidade, e deixam a pessoa exposta ante quem não ama e jamais amará. Foi o que senti de escrever para você. Como é madrugada—4 am—, pode ser que pelo sono eu tenha sido objetivo demais. Mas sou sincero no que digo, especialmente se você o amar de verdade. A última coisa: se ele é seu, para você voltará. Entregue tudo ao Deus que sabe quem é de quem. Um abração. Nele, Caio