Português | English

Cartas

Esposa angustiada, traindo o marido e perdida no estrangeiro

Esposa angustiada, traindo o marido e perdida no estrangeiro

-----Original Message----- From: Esposa angustiada, traindo o marido e perdida no estrangeiro... Sent: 21 de julho de 2003 To: revcaiofabio@terra.com.br Subject: Me ajude, pastor! Mensagem: Pastor Caio Fábio, Tenho 32 anos, estou casada há 10 anos e sei que casei equivocadamente. Eu nunca amei o meu marido. Nunca fui apaixonada. Nunca senti nada por ele. Foi casamento “evangélico”. Ele era seminarista e eu líder dos jovens. O senhor sabe como é... Todo mundo dizia que tínhamos de nos casar, que ele era bom e eu também. Casamos e foi uma tragédia. Hoje sou uma mulher infeliz e me sinto em cativeiro. Estamos morando num país da América do Sul. Ele é fluente em espanhol. Uma igreja o convidou. Ele é pastor, e gosta de ser pastor. Também tem medo de ficar sem o salário. Tem mais medo ainda do julgamento e da interpretação dos outros. Já abri o coração com ele. Peço pra ele me liberar. Mas ele não deixa. Diz que eu tenho que dar um “motivo”. Os anos passaram... Hoje tenho um “motivo”. Estou apaixonada e estou tendo um relacionamento. Sofro de culpa... Estou como quem morre... Não disse nada a ele. Apenas peço para me separar. Mas ele não quer o divórcio. Diz que a igreja não aceitará, e que eu vou acabar com a vida dele. Ele até cita o seu caso. Diz que não agüentaria ser julgado. Eu digo que sou eu quem quer. Mas ele diz que tanto faz, que a igreja vai dispensá-lo assim mesmo. Eu não agüento mais. Antes já era um inferno. Agora é pior. Não tenho como ficar assim. Mesmo que eu pare o “caso”, sei que vou traí-lo para sempre...em meu coração. Me sinto traindo o tempo todo pelo simples fato de não gostar dele. Não suporto mais. Ele me diz que eu tenho que “arranjar” um pretexto. Insinua até que eu o traia, assim, ele fica de vitima. Mas eu conheço a igreja. Eles vão acabar com ele de qualquer jeito. Ninguém pode ser infeliz no meio evangélico. Todo erro tem que ser mantido para sempre, se for no casamento, então, nem se fala... O que eu faço? Me ajude, pois, não tenho com quem falar. Tenho pena dele. Fico pior ainda. Não quero sentir pena dele. Quero que ele seja feliz, mas eu vou morrer se tentar ficar. Já pedi “milagres”. Já fiz de tudo. Fecho os olhos e tento me entregar. Não dá. Estou me violentando há anos. Nunca pensei que uma mulher pudesse se sentir assim com o próprio marido. Hoje sei que casamento não casa. Se não tiver amor nada tem valor. Me ajude. Ah! Esqueci de dizer que não temos filhos! Me diga alguma coisa. Estou muito só aqui nessa terra estranha. Seu site tem sido meu refúgio. Que bom que você está aí. Me responda. Que Deus abençoe o senhor. ************************************* Resposta: Minha querida irmã: Paz! Você é ainda tão jovem! Se não o amou como homem até agora, jamais o amará! Não há milagre para criar desejo entre homem e mulher. Na macumba isso é “encanto”. Em Cristo esse “encanto” só acontece quando acontece naturalmente. Deus não dá “unção de desejo”. Quando o desejo vem, é porque um dia esteve presente. Se nunca esteve, jamais virá. Quando uma pessoa tão jovem quanto você está nessa situação, a vida se torna um inferno. Se você fosse bem mais velha, e tivesse filhos, eu diria: Vá com calma. Fique quietinha e deixe essa agonia passar. Mas sendo você ainda tão jovem como mulher, sinceramente, acho que só tende a piorar. Não fale do assunto com NINGUËM. Todos vão usá-lo contra você. Colocarão a Letra Escarlate em sei peito. É um “A” de adúltera. A “igreja” não sabe ser Corpo. No Corpo, os membros que nos perecem menos “decorosos”, a esses cobrimos com maior honra e cuidados, diz Paulo. Mas o espírito que reina ainda é, na maior parte das vezes, o de Cão, filho de Noé, que se compraz em descobrir a nudez. De fato lamento que tudo isto esteja acontecendo assim, com você já apaixonada e envolvida com outra pessoa. Tudo fica pior quando é assim. Vem a culpa, o medo, o sentimento de traição, o sensação de lixo—que exala seus horríveis odores na alma. O que tens de fazer, faze-o logo! Esse estado de coisas só tende a piorar. E quanto mais demorar, mais dissolverá seu ser, e amargurará o dele. Quanto a ele, tenha certeza, se não fosse pela “fachada” a ser mantida para a “igreja”, já há muito que ele liberaria você. Nenhum homem quer ficar com uma esposa que francamente diz que não o ama e nem o deseja. O coitado está jogando para a platéia, e tenta preservar a “profissão” e o bendito “salário”. Veja que coisa perversa! A “igreja” prefere a mentira à verdade! Se vocês continuarem juntos, não importa como, eles vão achar bom. Se vocês decidirem ser honestos e remendar um erro—o equivoco da união de vocês, sem amor—a “igreja” vai julgá-los e puni-los. Tristeza! Quem se animará a viver a verdade, se o prêmio da verdade é o castigo? É por isso que a “igreja” está podre. Sepulcros caiados. Pintados por fora e cheios de rapina e sujidades por dentro! Minha sugestão, acreditando em tudo o que você me disse, é que você procure um advogado e dê entrada na separação. Mas lembre: faça isto por você mesma—e até por ele—, mas nunca em razão de você o haver traído com alguém. E não envolva esse “assunto” na separação, pois, como já lhe disse, será trágico; e quem vai pagar a perversa conta é você: sozinha! Ore, peça a Deus força para parar esse “caso”. Resolva a sua vida. Depois, e só depois, pense no futuro. Não haverá futuro se o presente for semeado com as sementes que você está plantando. Esse foi o conselho que meu pai me deu a cinco anos. Eu não o ouvi. Todos sabem as conseqüências. O fruto que resultou, para mim, foi bom; porque Deus é misericordioso. Mas há muitos que nunca mais se recuperam da tranqueira. Peça a Deus a graça de sair disso com dignidade. Assim, quem sabe, haverá um futuro melhor. Estarei orando por você! Seja sábia e prudente. Não perca a cabeça e, também, não humilhe o seu marido. Que Deus abençoe você, a ele, e a todos. Que Deus nos salve dessa hipocrisia, e nos ajude a discernirmos o que significa “misericórdia quero; e não holocaustos e sacrifícios”. Em Cristo, Caio