Português | English

Cartas

DUAS CARTAS: NÃO AGÜENTO MAIS A “IGREJA”. A RELIGIÃO SÓ QUER

DUAS CARTAS: NÃO AGÜENTO MAIS A “IGREJA”. A RELIGIÃO SÓ QUER

DUAS CARTAS: UMA SÓ RESPOSTA! *************************************************** -----Original Message----- From: NÃO AGÜENTO MAIS A “IGREJA”. O QUE FAÇO? Sent: sexta-feira, 27 de fevereiro de 2004 01:09 To: contato@caiofabio.com Subject: AMO A DEUS...MAS PERDI A COMUNHÃO COM A “IGREJA” Mensagem: Shalom Rav! Graça e Paz! Estou escrevendo com o coração apertado. Com um amargo na boca e um nó na garganta. Estava lendo seus textos e resolvi sair do silêncio. Sabe Rev. Caio, cresci lendo seus livros e bebendo do Rio de Vida que fluia das mensagens que você apresentava na TV. Sempre te considerei meu pastor, apesar de não te conhecer pessoalmente. Estou te escrevendo porque estou aqui longe de casa e meio longe de Casa, da Casa de Nosso Pai...estou com uma sensação de "nu na chuva", pois passei minha vida toda em igrejas no Rio e agora que sou "adulto" briguei com "o sistema". Cansei das hipocrisias. Cansei de ver pseudo-conversões. Cansei de falar o proverbial dialeto evangélico. Cansei de ser falso com as pessoas. Cansei das superficialidades. Sabe Rev. Caio, aprendi a amar a Deus com meus pais, e amo de verdade. Só que não dá mais para conviver com pessoas que preferem fórmulas mágicas e prontas do "toma posse da benção"! Não há nada de genuíno nisto...não há novidade de vida...cansei da podridão da igreja institucional! Só que agora me sinto só. Romper com toda uma vida não tem sido moleza e me sinto sem rumo... Em alguns texto você fala disso e tento viver com a perspectiva de uma vida no Porvir, mas a vida aqui me maltrata... O que faço Rev? Quando vou ao culto não consigo ver Deus nas pessoas e me sinto pior...e dói ver que as pessoas entraram e saíram da mesma maneira...sem provar do vinho novo, sem beber da Água Viva...e fico me perguntando onde me perdi... Sabe, já me sinto melhor por ter comentado isto com você...há muito tempo não converso francamente com alguém...estou meio "dolorido"...mas sei que meu Redentor vive! Acho que só preciso de um conselho de pastor...ou de um ouvido, ou melhor, de uma lida. Um abraço e desculpas por tomar seu tempo! Na paz do Messias! Shalom **************************************** -----Original Message----- From: A RELIGIÃO SÓ QUER VESTES E VELAS...O QUE FAÇO? Sent: sábado, 28 de fevereiro de 2004 11:43 To: contato@caiofabio.com Subject: Contato do Site : Confidencial Mensagem: Caro irmão, Tenho apenas 25 anos, sou casado, sem filhos, e estou no ministério há dois anos. Me converti numa igreja histórica, no RS. Era de família católica. Senti-me chamado para o ministério e o Senhor vem confirmando este chamado pelo testemunho interno do Espírito e pela palavra externa de irmãos. Contudo, vivo em crise com a denominação na qual conheci o evangelho. Fazemos parte de um movimento de renovação desta igreja e, em muitos lugares o Senhor tem transformado vales de ossos secos em exércitos a seu serviço. Onde estou também a gente entendendo que ser cristão é muito mais do que freqüentar a igreja. Contudo, um grande número de pessoas não entende ou não quer entender. Deixe-me tentar explicar. As velas são mais importantes do que o conteúdo da pregação! O mesmo se dá com as chamadas "vestes litúrgicas", o talar que usamos nos cultos. Pastores que se negam a usá-lo (não por birra, mas para mostrar às suas comunidades que não é aquela roupa preta que faz o pastor) tem sido até mesmo "disciplinados" pela igreja. Segundo pensam, essas coisas exteriores fazem parte da "identidade" da denominação. Bem, encurtando a conversa, me sinto muitas vezes "malhando em ferro frio", tentando fazer com que pessoas não convertidas se comportem como pessoas convertidas. Quando se fala em conversão, alegam ser convertidos. Não há convicção de pecado. A religiosidade mórbida e idólatra domina por todos os lados. O que ultrapassa o habitual logo é taxado de "fanatismo". Qual é minha pergunta? Eu gostaria da opinião de uma pessoa de fora. Não sei se podes ajudar, mas estou meio que à caça de um profeta que fale comigo, entende irmão? Meu coração está dividido entre a atitude do profeta Daniel, que se coloca diante de Deus pelo seu povo e clama por perdão e restauração (Dn 9) e entre aquela palavra de Jesus aos discípulos, orientando-os a não perderem tempo com que não estivesse disposto a ouví-los, mas que batessem o pó das sandálias e partissem. O que Deus espera de mim? Que invista nessas pessoas e as ganhe pelo amor e paciência ou que as entrega ao juízo, visto que ouviram e não receberam a Cristo? Se puder me escrever algumas linhas, agradeço. Sei que Deus tem te dado sabedoria do alto. E eu queria ouvir a opinião de alguém que não tem os seus sentimentos envolvidos, nem a favor de uma posição nem de outra. Que o Senhor continue te usando para abençoar vidas! Graça e paz do Senhor! *************************************************** Resposta: Meu amado amigo: Que a Graça se derrame sobre você! Você está se culpando por não gostar do que não dá para gostar? Se fosse assim os profetas estariam perdidos; e Jesus e Paulo também...Afinal, eles também não gostavam do que viam...e serviram a Deus contra o que viam...mas sem deixar de “estar presentes”. Jesus não cria que houvesse “remendo para as vestes velhas judaísmo”. Também sabia que Seu conteúdo—o do reino de Deus—“arrebentaria os odres da religião”. O que ele fez? Bem, Ele anunciou a Palavra também nas sinagogas e no Templo, mas ficou mais de 85% de Seu tempo com aqueles que estavam abertos para vestirem a veste nova, e para beberem o vinho novo nos odres novos que Ele trazia. O mesmo fez Paulo. Chegava a uma cidade e ia à sinagoga. Se o recebessem...ele ali pregava e ensinava. Se não, bem...ele logo começava a anunciar a Palavra em outro lugar. O que lhe falta é o seguinte: 1. Saber que o problema não é seu. Você está sonhando com aquilo que deve ser sonhado. Não se culpe. Sonhe o sonho dos profetas...mas não sofra da amargura dos amargurados. 2. Saber que os irmãos nem sempre entendem...e que a maioria só quer religião e barganha...não a Graça de Deus. Não estamos inaugurando uma era. Infelizmente sempre foi e será assim... A verdadeira Igreja está escondida na ambigüidade da “igreja”... 3. Saber que há muitos que querem...e que você terá que aprender a encontrar a Igreja dentro e fora da “igreja”. 4. Saber que é seu papel ajudar os de dentro...os que querem...e começar sua própria comunhão fraterna...com os que desejam comunhão. 5. Saber que no fim de tudo a Igreja é um encontro de dois ou três...reunidos em nome Dele. Ora, quando são muitos, é ótimo. Mas creia...a Igreja de Paulo era feita de muita pouca gente, na pratica, embora ele reconhecesse a Igreja e a “igreja” nos muitos com os quais se relacionava, pregava e ajudava. No que me diz respeito, posso lhe dizer que tenho muitos níveis de “igreja”. Cada um de nós tem que ter seus “círculos” de comunhão. E isso vai do intimo ao público. Por que você não começa a reunir as pessoas para orar com você? Para ler alguma coisa boa e meditar? O site pode ser útil nesse processo. A questão também é como eu faço. Bem, eu faço o seguinte: prego onde há portas importantes abertas...Testemunho a Graça, de bermuda, sunga, calça Jeans, Toga, Estola, paramentos, e como der. Enquanto me ouvem...eu fico. Se me suportam...eu fico. Se não me suportam...que me expulsem. Mas eu não crio problemas para ninguém. Apenas prego a Palavra. Se eu fosse você pregaria a Palavra aí, e não ficaria preso ao tema da Religião. Também aproveite todas as oportunidades externas e pregue. Semeie em todas as direções! Estarei orando por você. Agora! Um beijão, Caio