Português | English

Cartas

DE UMA QUASE CONTERRÂNEA

DE UMA QUASE CONTERRÂNEA

-----Original Message----- From: DE UMA QUASE CONTERRÂNEA Sent: quinta-feira, 27 de novembro de 2003 17:37 To: contato@caiofabio.com Subject: ESTIMADO HOMEM DE DEUS Poxa!!! Querido e estimado HOMEM DE DEUS! Você não sabe como estou feliz em saber que você é aquele amazonense, cristão por convicção, que sempre tem o seu nariz bem posto. Hoje vivo em Miami, de fato há mais de 12 anos, mas a gente se entende, hehehehe... Bem, amado te escrevo para te dizer , que você tem que realizar aquilo que Deus proporcionou para a sua vida, e não importam os atropelos que nós Humanos passemos, pois todas as coisas cooperam para o nosso crescimento. Tudo foi para o bem e é para o bem, na verdadeira definição do "bem" e do "mal", e que Adão e Eva só entenderam depois que toparam com sua primeira queda. Hoje vejo, aos meus 31 anos, que você não mudou, mas sim aperfeiçoou o Dom de Deus na sua vida. Sou paraense de nascimento. E sabe, você tem uma grande contribuição em minha vida. Pois, um dia em maio de 1987 você estava em minha congregação e Assembléia de Deus em Belém do Pará. E nesse dia os meus pais estavam afastados da igreja, e Deus através de você entregou uma profecia a eles... Bem, hoje minha mãe continua na igreja. Meu pai está sumido da minha casa já vai fazer 2 anos, e a sua desculpa é que ele quer viver; mas sem ter a obrigação de adorar a Deus. Que pena que a maturidade do conhecimento real de uma vida com Deus não chegou ainda a ele! Bem te cansei... Mas seguiremos, e assim vamos conseguir ser verdadeiros cristãos, debilitados, mas não vencidos. Paz em Cristo Elk ************************ Resposta: Elk: paz sobre você! Como foi bom receber uma carta de uma quase conterrânea. De fato você é conterrânea de Açaí e outros delícias do paraíso. Fique firme e aproveite o sol e a chuva dessa terra de flores: a Flórida! Seu pai vai voltar. Talvez a revolta dele seja apenas ignorância, ou trauma com a igreja. De fato, minha querida, Deus entende. Oremos por ele! Um grande abraço. Nele, Caio