Português | English

Cartas

CONFIAR? CONFIAR EM QUÊ?

CONFIAR? CONFIAR EM QUÊ?

-----Original Message----- From: CONFIAR? CONFIAR EM QUÊ? Sent: terça-feira, 23 de dezembro de 2003 00:50 To: contato@caiofabio.com Subject: QUERO APRENDER A CONFIAÇA Mensagem: Assunto: confiar em que? Oi pastor, Entro sempre no seu site sempre. Já faz parte do meu ar. Sem ele fico sufocada (asma-caio). Confesso que o leio muito mais do que a Bíblia, pois ainda tenho o olhar de uma pessoa moralista, o que nem sempre me ajuda na leitura bíblica, e essa visão virou vício. Mas estou deixando de ser assim justamente por aprender muito com seus estudos aqui no site. Não preciso falar o que penso do senhor, basta ler os testemunhos que são infindáveis de admiração, beleza, honestidade; e concordo em gênero, número e grau. Minha dúvida, por mais infantil que seja, me perdoe, existe. É a seguinte: o senhor fala que devemos confiar em Jesus, na sua Graça, e isso é muito difícil. Por que eu não sei confiar? Não sei como! o que é confiar? o que é entregar-se? como isso funciona na prática do dia HOJE? Digo que hoje eu entendo o que é Graça e o que é deixar a lei; aliás, que bom isso. Eu tenho essa dúvida também porque estou desempregada e o mercado está difícil, e sei que não é dentro da casa que Deus posso abrir a porta só por estar lá; mas também não encontro emprego. Há alguma relação do confiar que o senhor fala com o que eu, no momento, estou passando? Não quero fazer do meu problema uma oração compulsiva, pois acabarei presa a ela. Hoje a minha maior alegria é saber que existe alguém honesto, sincero diante da Palavra como o senhor, e meu maior medo de não existir mais ninguém como o senhor. Deus te ama mesmo!!!!!!! Com muito carinho e orgulho de aprender com o senhor! **************************************** Resposta: Minha amada irmã: Confiança em Deus! Nosso problema é que fomos ensinados a confiar em algo, não em Alguém! A gente confia na nossa fidelidade, na nossa santidade, na nossa busca, na nossa freqüência aos cultos, na nossa tentativa de obediência à Lei, na boa igreja que a gente freqüenta, no nosso compromisso com as “atividades de Deus”—a agenda da igreja—, nos pastores poderosos e espirituais, nas campanhas de poder, na confissão positiva, e na fé—fé na fé, é o que a maioria tem; sem falar no famoso “poder da oração”, que no meio evangélico é um poder-em-si. Confiança é outra coisa! Confiança é uma disposição do coração de se entregar. Ela é fruto do seguinte: 1. É fruto da fé que amadureceu no amor de Deus. 2. A consciência de que Deus é amor, implica na certeza de que Deus é Cuidado. 3. Essa certeza faz com que nossas lógicas se rendam à Soberania de Deus. 4. Essa rendição não carrega mais nenhum conflito do tipo: será que as coisas apertaram porque eu deixei de fazer algo para Deus? Ou será que estou sendo punida? Ou será que é por que estou deixando de dar o dízimo? Ou será por que cometi algum pecado? 5. Quando a gente sabe que o pecado e a Lei morreram em Cristo, e quando a gente confia que o que Ele fez na Cruz não apenas nos salva para o céu, mas nos salva para a Terra—para um vida sem culpa, sem medo, e sem barganha—, então, não cabe mais nenhuma questão. Cabe apenas a seguinte decisão: Mesmo não entendo o que me está acontecendo, eu farei o que de melhor me virá as mãos, e entenderei a vida a meu favor. Não há uma conspiração contra mim. Há sim um plano soberano que me educa e me amadurece no amor. 6. Esse amor lança fora todo medo, inclusive o medo da sobrevivência. 7. Ora, isso nos mergulha na paz, e, nesse lugar de descanso a gente ouve a voz de Jesus: “Por ventura não valeis mais do que pardais e lírios? (Mt 6) Daí em diante é andar no espírito de Romanos 8. Mesmo entregues a morte o dia todo e passando por todos os perrengues, somos ainda mais que vencedores. Mas tudo começa com um mergulho, e com a disposição de saber que a fé agrada a Deus, mesmo nos dias em que nós não estamos agradados de nós mesmos. Ele é o meu Deus na Luz e na Escuridão! É desse chão que nasce a confissão de Paulo: “Tudo posso naquele que me fortalece!” É um caminho... O Caminho! Nele o justo vive pela fé, e se gloria nas conquistas de Jesus, e entende que todas elas são bens que lhe foram concedidos gratuitamente. Um beijão e Feliz Natal! Nele, em quem se pode confiar, Caio