Português | English

Cartas

COM HÍMEN, MAS NÃO NA ALMA

COM HÍMEN, MAS NÃO NA ALMA

----- Original Message ----- From: VIRGEM DE HÍMEN, NÃO DE ALMA To: contato@caiofabio.com Sent: Saturday, February 04, 2006 5:02 PM Subject: Caio, se der leia meu e-mail..... Eu me masturbo a mais de 10 anos. Não sou de ficar me masturbando 3 vezes ao dia, saca? Às vezes consigo ficar sem isso no máximo uns quinze dias. E gosto de sexo desde criança. Sei que parece estranho, mas sou assim. E isso é o que sempre me afastou de Deus. Sou "evangélica" há quase 4 anos; antes eu era católica; e esse pecado era o de "estimação"... Seeeeeempre tinha que confessar para poder comungar. E ia há vários padres confessar a mesma coisa. Muitas vezes tentei evitar isso ao longo dos anos (digo isso... porque hoje não evito mais; peco mesmo e falo isso "pra minha vergonha") e era perturbador! De tirar o sono! Angustiante! Até que relaxei de vez. Daí quando comecei a namorar. E começou a ter aqueles amassos; e não sou santa sabe? Daí terminei. Daí ano passado arranjei um namorado com quem fui ao extremo... Não perdi a minha virgindade, mas dei amassos horríveis e meu ex (pois terminei antes de fazer algo pior.)... era evangélico também sabe...? Daí eu sou "Templo", como diz na Bíblia; ele também é; pequei; e ainda fiz outro pecar. Fiz com ele quase tudo o que sempre quis fazer. Só o que não aconteceu foi a penetração. Ficava muito mal, sabe? Daí terminei. Mas continuo me "aliviando" com pensamentos piores, desejos piores, tudo pior... E sei que tenho que parar. Sei que é pecado... Deixo de “Ceiar” por causa disso (lógico, né?!). Às vezes nem oro e nem leio a Bíblia, por que acho muita cara de pau, sabe?! Mas sempre vou com minha cara de pau orar a Deus, pedir perdão..... Etc. Eu sei que parece frescura (se não é?!), mas tenho quase 25 anos, e uma das coisas que mais quero e fazer sexo (se que isso não é tudo na vida! mas isso já tá se tornando um sonho.... rsrsrs). Mas sexo só depois do casamento e o resto já se sabe, né?! Caio, às vezes quando oro a Deus até choro porque não tenho isso, acredita?! Sinto inveja das minhas amigas que não são "evangélicas" e podem fazer amor com seus namorados... Sinto INVEJA!!! Estou num estágio que nem sei o que me considerar na "família cristã". Porque tenho me descoberto a cada dia, e estou vendo que sou péssima. E mais! Não amo a Deus. Estou cansada dEle, não gosto dEle, não tenho vontade de ganhar ninguém pra Jesus, nem de evangelizar, de nada. Estou pensando em sair da igreja; aliás, nem estou indo mais. Porque sou uma falsa e Deus sabe disso. Além de pecado oculto não quero fazer o que se tem que fazer.... O "IDE", entende?! No louvor nem canto as músicas. Mas Deus sabe do meu sentimento por Ele, pois sempre falo. Sinto-me frustrada, na pior fase da minha vida, ridícula. Não agüento mais a minha vida... NÃO AGUENTO MAIS SER VIRGEM. Pra mim, ser virgem na minha idade, é um pesadelo. Demorei pra mandar esse e-mail.... E se der pra me aconselhar, agradeço. Um grande abraço... ________________________________ Resposta: Querida amiga e irmã Nele: Graça e Paz! Você se tornou uma discípula dos fariseus e não sabe. Há dois tipos de fariseus: os que ficam e os que saem. Os que ficam são dos que defecam leis de opressão, e que são idênticas às suas próprias paixões ocultas e não reveladas e nem confessadas; nem mesmo por eles para eles próprios; pois, se o fizessem honestamente a Deus, perdoados seriam, e, conhecendo a Graça do perdão, já não seriam opressores do próximo, e, assim, não tendo que oprimir a fim de se vingarem, por inveja do pecado ou da liberdade dos outros, ficam livres da camisa de força psicológica dos fariseus, que é justamente aquilo que neles provoca as compulsões que os fazem tornarem-se os opressores dos homens, usando a lei que diz: “Se eu não posso, ninguém mais poderá!” Já o fariseu que sai, que não fica, que diz que não agüenta, é assim como você: põe na beiradinha, mas não penetra; masturba-se pensando em orgias de todos os tipos, mas interrompe um namoro que pode acabar em sexo; e se pune por tais desejos irrealizados, parando de tomar a ceia ou de cantar nos cultos; e, sobretudo, confessando esse estado de “desvio” da “fé e da igreja”; apenas porque lá já não vai; ou porque não se sente “digna” de lá estar; e, assim, se torna filha dos fariseus duas vezes pior, conforme Jesus disse, posto que você está aí, nesse limbo, no qual você nem vai e nem fica; nem é e nem deixa de ser; sabe tudo, inclusive o que é pecado, mas é só cheia de duvidas; e todos os seus “?”, são seguidos de “!”; entendeu “?!” Ou seja: como uma boa “evangélica” todas as suas certezas são as suas dúvidas e todas as suas duvidas são confessadas como suas certezas! Isso é que é doença braba! Além disso, você começou fazendo uma confissão extraordinária, e que é, psicologicamente, muito mais significativa do que seu desejo normal por sexo (sendo você virgem e tendo 25 anos de idade), e que foi por você expressa da seguinte forma: “Sou "evangélica" há quase 4 anos; antes eu era católica; e esse pecado era o de "estimação"... Seeeeeempre tinha que confessar para poder comungar. E ia há vários padres confessar a mesma coisa.” Um pecado de estimação do tempo em que você era católica, e que a fazia procurar padres para confessar o seu segredinho, o que, provavelmente, tenha gerado em você duas coisas: um tesão enorme nessa “estimação-de-segredo” (a masturbação); e um tesão enorme no ato de confessar o tal segredo-em-segredo, como agora, por exemplo. Daí você ter dito também: “Demorei pra mandar esse e-mail....” Ora, a sua masturbação é seu segredinho e que vai ficando cada vez mais tarado. E mais: quanto mais você se mantém virgem pelas razões que a mantiveram virgem até hoje (as quais você mesma não sabe ainda), mais taradamente virgem e masturbadora você se torna. Veja bem: se você faz tudo, tudo já está feito, com ou sem o detalhe da “penetração”, que história é essa de “sou virgem”? Só os fariseus pensam diferente! Assim, você vai se tornando uma angustiada religiosa, que se autopune, amassando até sangrar, mas sem se entregar, de acordo com seu conceito “evangélico” de entregar, o qual lhe dá o auto-engano de que você ainda é virgem. É o famoso: “Fumei..., mas não traguei! O qual é parente chegado do ensino de Maluf: “Estupra, mas não mata; né?!” Posso dizer a você que a maioria das garotas de programa não “dão” nada além da carne. Você, entretanto, não “dando até o final”, destrói a sua alma em sua “fetichizada virgindade evangélica”, e de modo muito pior do que o das garotas acima mencionadas. O problema é que você sente INVEJA das amigas não-evangélicas que não se “contém” sexualmente pois não são motivadas pelas motivações que “contêm” você. Não é à toa que você esteja com raiva de Deus. Sim, desse “Deus” ao qual você foi apresentada, tanto por católicos sexualmente traumatizados há séculos; como também pela farisaica moral evangélica, a qual, é uma das maiores fabricas de tarados sexuais que conheço. Na igreja católica você se masturbava e ia para a segunda a outra sessão de prazer-secreto-de-estimação: a confissão auricular. E você tinha que arranjar um padre para a ouvir, se não você não tinha sossego para se masturbar outra vez. Na igreja evangélica, a masturbação não encontrou a chance da confissão, a qual, para você, tinha o papel de “sacrifícios de bodes e touros”, conforme a linguagem de Hebreus, e que lhe serviam como “alivio”, ou apaziguamento temporário. Entre os evangélicos, todavia, não há tais mecanismos de confissão; então, a pessoa parte para fazer a “compensação” mediante os muitos trabalhos; tanto na “igreja” quanto fora dela; especialmente fazendo remissão de pecados através do IDE, da pregação, ou das ministrações... Tudo isso é psicologia de culto pagão, ou, na melhor das hipóteses, é ainda a fé nos altares do Velho Testamento, nos quais pequenas oferendas eram feitas pela culpa e pelo alivio temporário das consciências infantis. Assim, hoje, você está aí. Se dizendo evangélica, com raiva de Deus, cheia de vontade transar, desenvolvendo compulsões de natureza sexual que poderão fazer você, que hoje côa os mosquitos, amanhã vir a engolir camelos. Afinal, você mesma disse que pode até não transar, mas o que lhe passa pela cabeça vai ficando cada vez mais “pesado”... E saiba: só tende a piorar. E mais: você está botando fogo nas vestes crendo que não incendiará os seios... Ora, o que tenho a lhe dizer de práticos? 1. Leia o site, o máximo que você puder, pois nele você compreenderá o significado do Evangelho, e, por tal entendimento, a maior parte de seus conflitos desaparecerão; assim como há milhares lendo o que lhe escrevo, e que podem dar testemunho do que aqui lhe digo, afirmando que eles mesmos conheceram grande libertação quanto tal entendimento espiritual os alcançou. 2. Há no site vários textos específicos sobre sexo antes do casamento formal. O que penso com toda sinceridade é que quem quer que consiga ficar sem sexo e sem angustias a respeito do assunto, sem magoas e sem invejas de quem tem e faz, deveria ficar sem sexo até que ele chegue pela via de um amor maduro e sério. É isto que penso como ideal de Deus para o homem. E isto não é assim por causa de Deus, mas apenas por causado homem, posto que é absolutamente melhor. Sim, nada é melhor para uma mulher do que amar um homem, a ele se dar, devotar a ele seu ventre e sua fidelidade de corpo, alma e espírito; ter filhos com ele; criá-los com o amor de pais que vivem também juntos; e, pela graça de Deus, envelhecer juntos e felizes; e ver os filhos bem e saudáveis. Esta é minha oração por meus filhos, minha neta e por todos! 3. Nenhum de nós, entretanto, vive num mundo ideal. Especialmente nestes dias. Sim, nestes dias atuais, eu não conheço nenhum homem que deseje namorar uma mulher de 25 anos, adulta, livre e independente, e, conforme a evolução do namoro, da confiança, do carinho, da cumplicidade e da confiança, não deseje transar com tal mulher. E mais: tal certeza de que em havendo tais precondições o sexo segue o processo..., tornou-se algo tacitamente estabelecido e crido por todos, até por você. Portanto, não sendo você uma pessoa tranqüila nessa área, minha recomendação, sem hipocrisia, é que você namore; e se encontrar alguém legal, viva com ele, responsavelmente, o que é sua decisão fazer ou não... e de mais ninguém. Afinal, é para o seu bem, não para o bem de Deus. Ou você acha que Deus tem tesão em sua virgindade? Sim, pergunto isto apenas porque já ouvi, mais de uma vez, depois de algumas sessões, pessoas confessarem que tinham tesão no tesão de Deus pela abstinência sexual delas... supostamente por amor a Ele. Embora, na maioria das vezes, seja apenas por MEDO Dele ou tais pessoas sintam. Elas sofrem de uma espécie de amor masoquista por Deus! 4. Quem não agüenta mais ver você ficar virgem por MEDO Dele, enquanto fica com raiva Dele, é Deus. Sim, Deus não quer essa virgindade de amarguras e ressentimentos. Ele prefere o Pródigo que vai honestamente e prova o que quer, do que o Irmão mais Velho, que nunca vai..., mas morre de inveja do irmão que foi... 5. Por último, você disse que é “Templo” e que o outro, o ex-namorado evangélico, era Templo também. Por “Templo” sei que você se referia a Paulo em I Coríntios, onde somos descritos como santuário do Espírito Santo. Ora, primeiro, você não é Templo. Templo, com “T” maiúsculo, é Jesus. Você é santuário e é pedra viva desse Templo, dessa Catedral Espiritual, feita de todos aqueles que crêem em Jesus. Além disso, o que lhe faz mal no tipo de sexo que você pratica-sem-praticar, é que ele produz em você a produção de energias espirituais e psíquicas que não são fruto do amor, mas sim da compulsão e do descontrole. Portanto, se você amasse um homem e ele a você, e se séria e responsavelmente se tratassem, nada há no céu ou na terra que torne tal encontro em pecado; pois, onde há amor, não há transgressão de nenhuma Lei. Sem amor, porém, até a obediência à Lei é pecado; pois, ou é fruto da arrogância e da justiça-própria, ou então é fruto do medo, o que nunca põe a pessoa no caminho da obediência que agrada a Deus, ou das coisas das quais Ele se agrada, que são apenas as coisas feitas com amor. O que seria muito bom a você também seria entrar numa boa e sensata psicoterapia. Há muitas coisinhas antigas e que se infiltraram em sua alma, e que precisam sair daí. No entanto, eu sei que a mera leitura do site já lhe será de grande ajuda no processo da produção de consciência e de maturidade na compreensão da justiça do Evangelho em seu favor. Afinal, nada de bom lhe acontecerá à alma até que você discirna e creia no Evangelho. Por esta razão, peço a você que mergulhe na leitura dos evangelhos, e, também, se puder, que adquira meu livro “Sem Barganhas com Deus”, pois, entre outras coisas, ele foi escrito para dirimir dúvidas espirituais como a sua. Aqui no site você saberá como adquiri-lo. Voltando ao tema: Já que você se masturba sempre, proponho-lhe uma experiência: tente se masturbar pensando em amor, em alguém acerca de quem você pensa como oração, ainda que tal pessoa não exista ainda; e, me diga se você conseguirá terminar a masturbação. Masturbação pode não significar NADA, assim como pode significar muita coisa, dependendo das pulsões da alma que a animem. Mulheres, em geral, não se masturbam quando estão amando. Embora se masturbem quando não estão amando. Assim, a masturbação é quase sempre o fruto da ausência do amor ou de um amor. Afinal, se um dia você tiver o seu homem e for a mulher dele de coração, a masturbação, seja com saudades dele quando está longe; seja a praticada pelos dois, juntos; ou um no outro; já não será sentida como você a sente, mas sim como parte de um desejo real e muito maior. De fato, sua brincadeira de “penetração” irrealizada; e, além disso, suas masturbações cada vez mais pesadas, revelam também a possibilidade de que você tenha medo da penetração verdadeira, e que até mesmo tema não ser o que você espera e fantasia a respeito. Nenhuma Realidade pode competir com a Fantasia. Ou seja: quem vive de fantasia teme a realidade. Além disso, é covardia do ser; posto que espera que o real possa suplantar o que não existe. E infeliz é todo aquele que mede o real pela fantasia. Esse será sempre muito infeliz. Será filho da frustração total. Precisará viver do vício da fantasia. E a fantasia é a relação da alma com o nada. É como “vibrador”: milhares de mulheres que se viciam no vibrador, não conseguem mais ter prazer sem ele e sem a fantasia com a qual enchem a mente enquanto “vibram a genitália”. Assim, pode ser que você fuja inconscientemente da penetração por ter medo de sua própria resposta a ela; já que provavelmente você tenha ficado viciada em você mesma, sexualmente falando. Ou seja: viciada no “vibrador de suas fantasias”. Provavelmente você se masturbe tanto, apenas porque masturbação é instrumento sexual de fantasia. Desse modo, depois de estar tão viciada na fantasia, pode ser que você tema o encontro dela com a realidade. Há mulheres que gostam de todos os amassos e “comes e bebes” que precedem a penetração, mas que na hora do “vamos ver”, morrem de dor, choram, não gostam; e há até quem se separe por não suportar a penetração. Já atendi casais que ficaram casados 8 anos sem se penetrarem jamais. Eu, todavia, acho muito estranho quando uma mulher fica brincando disso; posto que quem chega “aí”, não quer ficar mais em nenhum brincadeira que não seja séria e profunda em todos os sentidos. Sua carta é cheia de muitas contradições. Quem confessa o que você confessou, não termina com rsrsrsrs. Entendeu “?!” Portanto, dê uma boa olhada em sua alma e na constituição dela. Pois, mais do que tudo, o que me preocupou foi VOCÊ. Seu problema não é sexo; seu problema é covardia; é medo da realidade! Pense no que lhe disse e me escreva sem medo! E mais: não se sinta ofendida pela verdade! Nele, em Quem toda fantasia viciosa deve dar lugar à realidade, para o bem da mente na Terra, Caio