Português | English

Cartas

CASEI SEM AMOR… Acabei tendo um caso com meu tio...

CASEI SEM AMOR… Acabei tendo um caso com meu tio...

 

 

----- Original Message -----
From: CASEI SEM AMOR… Acabei tendo um caso com meu tio...
To: contato@caiofabio.com
Sent: Wednesday, September 04, 2006

 

Paz!
 
 
Rev. Caio,
 

Vou tentar resumir a minha vida em poucas palavras...

Tenho 41 anos, e moro na Europa há oito anos. Conheci um jovem da Igreja. Namoramos e noivamos em  menos de um ano. Quando casei, sabia que ele não era o homem da minha vida. Mas também sabia que ele me amava muito. E achei que seria bom casar-me com quem me amava. Mas, é claro... Enfim, o que aconteceu é que ele teve uma vida muito complicada no passado. É um dependente químico. E graças ao Pai hoje ele é uma nova criatura. E mais: acredito totalmente na conversão dele. Se não fosse a falta de sentimentos da minha parte (da forma que ele merece ser amado), eu diria que ele é um homem perfeito...

O problema é que nós não conseguimos falar nada que não acaba em briga...

E a paciência que eu tinha no começo, de explicar tudo para ele detalhadamente... — já não consigo mais... Em toda a minha vida ele foi o único homem que já conseguiu me tirar do sério... 

Em um período da minha vida, trabalhei juntamente com meu tio por afinidade... E com as crises de casamento (já mal acontecia uma relação íntima entre nós - eu e meu marido) — cheguei até a dormir em cama separada... Então, desabafava com meu “tio”. E não sei como explicar com mais detalhes... E com o tempo aconteceu que me apaixonei por ele, e ele por mim; e começamos a nos relacionar ali mesmo no escritório... Na verdade... em casa eu já não mantinha nenhuma intimidade com meu marido, pois me sentia muito mal, sem nenhuma atração por ele — muito mal mesmo, por estar mantendo uma relação extra-conjugal... E todos os dias eu vivia um terror, pois apesar de me sentir muito bem com o “tio” —... de nos entendermos em tudo... um homem de mais idade ... e uma boa mistura em tudo - emoções, cabeça, visão espiritual, etc... — era um período de tormentos, pois sabíamos que estávamos pecando Deus ... Queríamos parar antes de explodir o caso... Mas no dia que resolvemos dar um basta ... foi descoberto por uma amiga, que contou ao Pastor e ao Conselho da igreja.

Fomos chamados; e pense num dia cão ... em todos os aspectos ...  Fiquei rodeada de por doze pastores e presbíteros. Vi o mundo cair em cima da minha cabeça ... e chorei feito uma louca ... sem rumo ... pedi perdão ... mas mesmo assim fomos despedidos... (eu e o tio) E apesar de reconhecer nosso erro perante as famílias ... pastores ... membros ... etc... fomos excluídos da Igreja. Ele foi expulso do presbitério, etc. E eu de tudo o que eu fazia. Enfim, saí de tudo... e fiquei numa prisão espiritual, e sem emprego, e mal dentro de casa ... Abandonada por todos ... Mas, mesmo assim, fui aceita de volta pelo marido.

Continuei a clamar aos pés do Senhor, pois não tinha para onde ir — sem família num país estranho. Passei o pão que o diabo amassou... Mas não desisti... Clamei todos os dias aos pés do meu Senhor... E depois de muito tempo. Deus abriu-me a porta do emprego; e após, pedi perdão a família do meu tio e ele à minha... Pedimos perdão a Igreja ... etc ... e fui aceita como membro novamente... E depois de um período bom, voltei a cooperar na igreja ... Fui bem recebida ... Mas ainda não me sinto muito bem ...

Envolvo-me com a igreja, mas sei que nunca mais será a mesma coisa.

Sei que Deus me perdoou. Mas sei que o ser humano não esquece o que fazemos de errado, e principalmente quando o erro repercute quase em todo o meio evangélico de um País — pois o meu tio é uma pessoa muito conhecida no meio evangélico brasileiro aqui na Europa.

Enfim ... para mim foi uma tragédia... 

Ainda continuo em crise com meu marido. Quando brigamos, ele está sempre passando a coisa na minha cara, relembrando o meu erro — apesar de dizer que já me perdoou ... E sinto que isso nunca vai passar ... Na verdade, quanto aos meus sentimentos ... ainda não foram restaurados ... Não consigo amá-lo como ele merece ser amado... Estou sem direção neste sentido ...

Será que Deus fará esse milagre na minha vida? Será que Deus interfere em tirar e colocar sentimentos? Enfim, temo por vir a tomar a decisão errada na minha vida... Não quero viver a vida inteira brigando com meu marido. Mas também não quero me separar sem saber se realmente estarei fazendo mais uma bobagem na minha vida ... Pois chega de sofrimentos...

Pastor, tenho medo de me separar e descobrir que é a ele que amo realmente ... Pois os pastores dizem que amar não é sentimento ... é compromisso ... Mas não consigo entender muito, pois, não sinto paixão... Ou melhor: desejo de ter intimidade com ele, mas não consigo. Por mim passaria meses e nem o procuraria... Por ele ... tento dar-me ... sem mesmo desejar ... pensando que pode ser que aconteça um dia de tudo ser recíproco... Já deixei o tempo decidir por mim... Mas vejo que cada dia não há nada de novo, apenas momentos... Sei que a vida é feita de momentos também... Sei que ele não é feliz por eu não conseguir retribuir o amor que ele tem por mim. E eu falo abertamente que não o amo, e que desejo amar... etc... Acho que digo muita coisa que sinto que o fere, e muito. Mas não quero continuar nisso...

Tem um ministério pra gente assumir como conselheiros e cooperadores de um trabalho evangélico aqui. É pra morarmos com pessoas carentes, numa chácara, para orientá-los no dia a dia...

É TUDO O QUE SONHEI... SONHAMOS ... NÓS DOIS TEMOS ESTE SONHO ... DE JUNTOS sermos instrumentos de Deus para esse tipo de gente que sofre. Mas vejo que não estou em condições de assumir, pois, nem tenho para mim ... enquanto meu casamento não estiver bem estruturado. Creio eu que nada posso fazer por ninguém ... E me sinto mal com isto, pois nem tenho uma coisa nem a outra... Ai meu Deus! ... o que fazer?

Perdemos o respeito um pelo outro...
 
Sei que o Rev. não pode dizer o que devo e o que não devo fazer... A responsabilidade desta  decisão é nossa. Mas, por favor, ore por nós...

Querido, sei que Deus está no controlo de tudo... Deus é fiel!
 
Obrigada por me dar esta oportunidade de desabafar...

Deus continue abençoando seu ministério.
 

Nele,

 

Carol

________________________________________

Resposta:


Minha querida amiga: Graça e Paz!

 

Casar com alguém apenas porque a pessoa nos ama, é trágico; pois, em pouco tempo a alma reclama a verdade; e, não raramente o coração tem que confessar que casou por insegurança; e, também, que casou apenas por carência de ser amado, mesmo que não ame de volta, e nem com a mesma qualidade de amor.

Casar-se com o amor do outro por nós não nos faz felizes por muito tempo. Ao contrário, depois de um período se torna um inferno. Então, as coisas ficam como estão entre você e seu marido.

Antigamente muitos casais se uniam sabendo que não havia amor conjugal entre eles, porém criam que o “tempo” os faria amar. E, muitas vezes, acabava acontecendo. Mas quando não acontecia, havia, entretanto, a cultura de preservação de todo casamento “bem-sucedido” como sociedade funcional — ainda que a sexualidade e a conjugalidade não o fossem. Isto porque os nossos pais e os pais deles eram filhos de uma outra geração, de um outro mundo, e, no qual, as almas humanas tinham outros valores e expectativas conjugais — a maioria das vezes, se a família era boa, os maridos traiam de vez em quando, mas jamais pensavam em deixar a mulher em razão da sociedade e da família. E as mulheres, em geral, se satisfaziam com o papel de esposa oficial e de mãe.

Hoje, no entanto, tudo é diferente. Ninguém (somente gente interesseira) casa sem gostar; e nem fica casado sem alegria, harmonia e bom entendimento — pois já não há a cultura da preservação de todo casamento oficial. Por isto, já não existe a resistência e a capacidade de suportar um casamento sem amor conjugal. E isto porque as expectativas são outras, e porque os paradigmas mudaram por completo.

Ou seja: hoje, sem que os dois queiram mesmo e muito, ninguém consegue ficar junto num casamento emocionalmente estéril e sem filhos — a menos que um dos dois adoeça e se torne co-dependente do outro, apesar de toda infelicidade.

Assim, minha querida, não era possível que fosse diferente. Digo: que vocês, sem amor e reciprocidade, conseguissem ser felizes.

Ficar num casamento em tal circunstância, é a receita para a traição e para as muitas feridas e mágoas.

Além disso, pretender que um “ministério” vá fazer bem e salvar seu casamento, não só é irreal, como também é um grande auto-engano. Não dará certo. Sem falar que você ainda corre o risco de acabar se envolvendo com algum homem dessa chácara. E aí a emenda seria pior que o soneto.

Quanto a você ter medo de deixá-lo por ficar temerosa de que sua vida encontre muita dor e sofrimento no futuro, saiba: — se você ficar, haverá ainda muita dor e sofrimento também; pois, com seu coração no estado em que está, será muito difícil que vocês não se machuquem muito ainda; sem falar que você, ainda jovem e na flor da melhor idade sexual da mulher, muito possivelmente acabe por não se segurar, e vir a fazer algo muito pior tanto para você quanto para ele.

Aqui no site há muitas cartas e respostas acerca de temas semelhantes ao que você vive hoje. Portanto, leia tais cartas. Além disso, saiba: também não creio que o amor que satisfaz homem e mulher num casamento (especialmente nos dias de hoje) — possa ser algo à moda antiga; pois, em nossos dias as referencias e as expectativas são outras; e, por tais razões, pouca gente suporta um casamento que viola todas as expectativas humanas de encontro e de felicidade conjugal.

Desse modo, sem entrar em muitos outros aspectos de sua carta, desejo apenas dizer a você que com medo ou sem medo, você terá que decidir; ainda que seja por amor fraterno pelo seu marido. Pois, minha querida, ponha-se no lugar dele e sinta como ele se sente — casado com uma pessoa que está no casamento com medo das dificuldades que uma eventual separação trará; ou em razão de que tem pena do cônjuge; ou até em razão de um “ministério”.  Sim, veja se lhe seria satisfatório. Portanto, não use o seu marido; pois, tanto você quanto eu sabemos que se aparecer um homem que a emocione, você irá... — e possivelmente as conseqüências sejam ainda mais desastrosas.

Portanto, até por respeito a ele como irmão na fé, deixe-o livre; pois, no memento, você está apenas usando o seu marido. Esta é a verdade!

O mais - creia: esperar que o casamento seja bom, ainda que sem amor, é fantasia! E não carrega nenhuma garantia de que será bom; pois, você sabe que não será assim.

Receba meu carinho e minhas orações!

 


Nele, que nos chama à verdade que liberta,

 

Caio