Português | English

Cartas

AO NAVEGAR EM TUAS PALAVRAS MINHA ALMA EXTASIA-SE...

AO NAVEGAR EM TUAS PALAVRAS MINHA ALMA EXTASIA-SE...

Minha querida amiga: Paz e Bem! Sua carta é interessantíssima! Além disso ela é pura meiguice e carinho! Vou respondê-la dentro “dela mesma”. Certo? Ao final eu volto para dizer algumas outras coisas. Até já! Nele, Caio ****************************** -----Original Message----- From: AO NAVEGAR EM TUAS PALAVRAS MINHA ALMA EXTASIA-SE... Sent: segunda-feira, 8 de dezembro de 2003 18:44 To: contato@caiofabio.com Subject: Pululam inúmeras questões! Mensagem: Ao navegar em tuas palavras a minha alma extasia-se... São prazeres indescritíveis, e que me fazem experimentar Deus. Ante o “Sou Pastor e Gay”, só é possível exclamar: Tu és humano! Tu és divino Nele! Mente privilegiada a tua! És tu um iluminado, verdadeiramente! Em minha mente pululam inúmeras questões. Deus sabe. Permita-me colocá-las, por favor. Fiz inúmeras tentativas no seu site, tematizando-as, foram infrutíferas, motivo de o estar fazendo diretamente a sua pessoa. Eu sei que podes me responder, pelo que tenho já experienciado nas leituras feitas em muitos de teus livros. Realmente a Palavra de Deus se cumpre! Tudo contribui para o bem! Os fatos (...) – creio eu, sob o controle de Deus - tiveram o condão de tornar você menos volátil, mais carne, menos mito, mais verdade. E, eu, dentre tantos outros plebeus, posso ter acesso agora a tua realeza. Não queira ler além do que está sendo dito. Não me tome em sentido dúbio. Eu te concebia como um ídolo. Eu continuo te vendo como um santo. Um homem de Deus! Invejar-te-ia, não fosse a culpa daí advinda... Pastor, em razão de um voto não cumprido, Deus nos amaldiçoa? “Horrenda coisa é cair nas mãos de um Deus vivo!” Disse um pastor que é princípio inquestionável o fazer um voto a Deus. Isso é possível? De quê se trata? ************************** Resposta: Jesus disse que Agora é Sim, significando Sim; e Não, significando Não! E quem não puder cumprir um voto, que não faça como Jefté, que a fim de cumprir o “voto” desagradou a Deus, imolando a sua própria filha. Você já leu em Juízes? Misericórdia quero, não sacrifício—foi o golpe de misericórdia que os votos receberam. Quando Paulo tomou um voto—leia em Atos—, não o fez por si mesmo, mas apenas a fim de se “aculturar” junto aos “votizados” irmãos da igreja de Jerusalém. Você o viu tomar algum outro voto em qualquer outra ocasião? ***************************** ODEIOOOO! a forma como alguns pastores manipulam determinados versículos bíblicos. “O que o homem semear isso também ceifará”. Então, estamos submetidos a uma cadeia indefinida de causa-efeito? Onde fica a minha liberdade? E a intervenção de Deus? Resposta: Se eu planto ódio, eu colho ódio. Se eu planto amor, eu colho amor. Se eu planto maquinações, serei vitima de maquinações. E por que? Ora, é que me ponho na mecânica dessas causalidades! No que tange a receber o “pagamento” dos erros e pecados cometidos contra o próximo, todos receberemos a “paga”, talvez não “aqui”, mas com certeza um pouco mais além... Os livros de Jó e Eclesiastes nos mostram a não causalidade absoluta de algumas dessas coisas. Ou seja: o justo pode padecer como um injusto; e os perversos podem viver longa vida e não receber a “paga” de suas maldades ainda aqui. O texto em questão—o de semear e colher—está em Gálatas. E o contexto é claro: certas coisas seguem seqüências naturais. Quem semeia corrupção, colhe corrupção. Quem semeia justiça, colhe a bondade de Deus. Na Graça de Deus todas as leis carmicas estão canceladas! Mas não esqueça: Ao lado da Cruz havia duas outras cruzes. Um dos crucificados se arrependeu e recebeu Graça—Hoje estarás comigo no paraíso! Assim mesmo, teve que receber o que a lei dos homens determinou. O perdão de Deus não nos garante o perdão dos homens. Os homens não têm como aplicar a Lei da Graça na Terra. Perdão é prerrogativa divina. Justiça é um dever dos homens. Assim, quem semeou o mal, colheu a sua punição, mesmo que diante da Cruz estivesse recebendo a promessa do paraíso. ****************************** “Quem não dá dízimo é ladrão. Está roubando a Deus.” O raciocínio indutivo é óbvio! Quem não dá o dízimo é ladrão. Quem é ladrão não entra no reino dos céus. Quem não entra no reino dos céus vai para o inferno. Resposta: O site está cheio de respostas minhas sobre o assunto. A “igreja” cobra os dízimos porque precisa sobreviver, e o torna uma “lei” porque não tem a coragem de estabelecê-lo como compromisso e expressão da devoção. Se alguém quer reviver o dízimo como Lei, terá que se por sob toda a Lei—assim ensinam Jesus e Paulo. As contribuições em dinheiro para o trabalho de Deus é uma questão de duas naturezas, e nada além disso: 1. Deve ser o fruto da gratidão, da alegria de ser objeto da providência de Deus. E tal contribuição tem no dízimo apenas uma boa base para começar. Eu nunca estive nem aí para os dízimos, até porque, pela misericórdia de Deus, eu sempre doei muito mais do que 10% do que Deus me dava. O dízimo, como referencia, é um bom fundamento, mas é um teto muito baixo. 2. Deve ser expressão devocional-prática, parte do culto e um gesto de gratidão e amor. Além disso, expressa o compromisso das pessoas com a propagação das coisas e verdades nas quais crêem. Sem falar que quem prega o evangelho deve também poder receber o benefício material como expressão de sua doação espiritual à edificação dos demais irmãos. Quem recebe benefícios espirituais deve ter a consciência de que aquele que o beneficia também come, bebe, veste e vive. A fé sem obras é morta. Contribuir é uma manifestação de fé, mas não é uma barganha com Deus. Quem tem dá. Quem dá deve fazê-lo pensando em quem não tem e precisa receber. Deus não come. Os irmãos sim! ***************************** Uma parte de mim é razão. A outra, é pura emoção. E a verdade em tua boca fica doce. É prazeroso ouvi-la. Tenho 47 anos, me converti aos 19, fiz um pouco de teologia, filosofia, e outra faculdade... Sou solteira, tenho uma filha de 15 anos, e que é a maior motivação de Deus na minha vida. E, finalmente, vivo com um homem que não pode ainda se casar legalmente... O que fazer? Não posso casar-me. Não posso ensinar na igreja. E não existe em mim o dom do celibato... Também nunca me foi possível consumar um casamento dentro dos trâmites legais; terminei por viver, como é óbvio, circunscrita na ilegalidade. Quando não se tem alternativas, é justo falar-se em escolhas e, por conseguinte, em liberdade? Em que medida eu a exerço? Resposta: A liberdade humana é relativa. Estou pré-condicionado de muitas maneiras. Sou livre dentro dos limites de meus pré-condicionamentos. Daí Paulo dizer: És livre, não te faças escravo. És escravo, se puderes, aproveita a oportunidade de te tornares livre. Cada um ande conforme foi chamado! Quando você puder—se puder—case-se! Não podendo, nem por isto você já não está casada. Somente você pode dizer se está ou não casada. Há milhares de casais que têm Certidão de Casamento, porém nunca casaram, e jamais conseguiram casar-se onde os casamentos acontecem: o coração! É obvio, que quem pode deve casar-se dentro e fora. Dentro é real. Fora é no máximo legal. ****************************** Amo o Evangelho do qual tu és mensageiro, no entanto, oscilando entre teoria e prática, não vivo uma vida plena, feliz e satisfeita. Será que estou em pecado? Resposta: Minha querida, ninguém é plenamente satisfeito nesta vida! É por isto que este é um mundo caído e relativo. Se a satisfação aqui fosse perfeita, o mortal não necessitaria ser absorvido pela Vida, na Ressurreição. Enquanto estamos neste corpo, gememos juntamente com o resto da criação. A diferença é gememos em esperança, aguardando a redenção de filhos, a completação de nossa vocação, que é para sermos semelhantes a Ele. ***************************** Sou o testemunho do quanto Deus é gracioso, e isso explica também porque amo tanto as tuas palavras, livres que são de preconceitos. Eu amo o Evangelho, só que estou cansada de ter que me submeter a determinados ensinamentos. Foi o que Deus determinou para mim? Numa versão bem simples, dada por uma irmã da igreja quando eu era ainda bem jovem: Seria a vida uma galinha que é dividida, ficando cada um com um pedaço? Eu gosto muito de fígado, mas a cocha..., às vezes, sou obrigada a engolir! Resposta: Você deve estar confundindo os regimentos da “igreja” com o mandamento de Cristo. João disse: Ora, os Seus mandamentos não são penosos! A “igreja” é quem é dona dessa galinha. E como ela mesma elege os pedaços bons e os maus, muita gente fica confusa. Se para ser crente eu tivesse que comer essa “galinha”, sinceramente, eu estava na grelha. O Seu mandamento não é novo! Que nos amemos uns aos outros, assim como ele nos amou! Ou seja: Seu mandamento é que nos tratemos em Graça, e que o seguimos no caminha da justiça e da misericórdia exclusivamente por amor! ******************************* Escolhemos ser o que somos? Resposta: Não! Não escolhemos quem somos. Mas podemos escolher quem haveremos de nos tornar! ******************************* Outra coisa que me deixa estressada é o ensinamento de que somos responsáveis. Sou responsável? Sou o que sou pela escolhas que fiz? Resposta: Sim! você é responsável! Porém a responsabilidade de cada um é correspondente ao entendimento que cada um recebeu. Somos e seremos julgados pela luz que temos e tivemos, não pelo que nem chagamos a discernir. Daí Jesus ter dito aos fariseus: Se vós fosseis cegos, não teríeis pecado algum; porém como agora dizeis: nós vemos!—subsiste o vosso pecado! ****************************** Penso que existe muita irresponsabilidade no ensinar, em razão da superficialidade no colocar questões de uma forma muito simplista, quando até hoje eu me afogo nelas, e fazer um bolo só com a Palavra perfeita de Deus. Não podemos absolutizar o que é condicional... Ajude-me a entender por que vivo a vida que eu não gostaria de viver. Isso não significa que não tenho vida com Deus. Tenho minhas intimidades com Ele. Até mesmo falo em outras línguas. Não. Deus é um ser bem presente em minha vida. Devo estar lhe cansando. Escrevo-lhe assim, sem tanta concatenação, prova do meu estado anímico. Um abraço. Em Cristo, ********************************* Bem, só você pode dizer qual é a vida que você gostaria de viver. Porém, há algo a ser dito. Você lembra do paralítico do poço de Betesda? Jesus perguntou a ele: Tu queres ser curado? Parece idiota a pergunta, mas não é. Muitas vezes a gente se queixa do que não gosta, mas de fato não saberia o que fazer da vida se aquela desgraça nos fosse “retirada”. A pergunta é: Você quer ser curada? Cura implica num rearranjo total da existência, e, inconscientemente, muitas vezes, a gente prefere as doenças que já têm nome e têm seus tags bem escritos, que ter que encarar a vida nova de um ser curado. O que eu acho é que você precisa, urgentemente, DESCANSAR! Receba todo o meu carinho. Nele, que sabe por nós, Caio