Português | English

Cartas

ACROMEGALIA: um problema para o sexo! [1 e 2]

ACROMEGALIA: um problema para o sexo! [1 e 2]

 

 

 

 

 

 

----- Original Message -----

From: ACROMEGALIA: um problema para o sexo!

To: contato@caiofabio.com

Sent: Monday, September 29, 2008 4:47 PM

Subject: ACROMEGALIA

 

Querido Pastor,

 

Antes de lhe escrever, fiz uma busca no site pra saber se havia algo falando a respeito do assunto, mas não encontrei.

 

Vou procurar ser direta, pois sei da quantidade de cartas que chegam todos os dias.

 

O problema é com uma pessoa que conheço e não sei com o ajudar. Ele sofre de ACROMEGALIA.

 

Este meu amigo tem 37 anos e nunca conseguiu ter um relacionamento "normal" por conta de ter um pênis de, acredite, 34 cm, e 12 de circunferência.

 

O cara é um profissional bem sucedido, com um padrão de vida elevado, mas na hora de se relacionar a situação se complica.

 

Por conta desse problema, ele acabou por freqüentar casas de swing, pois, segundo ele, lá as pessoas não têm preconceitos.

 

Só que hoje em dia ele tenta mudar sua vida e encontrar um relacionamento como um homem comum. Esposa, filhos...

 

Mas como?

 

Gostaria muito de ajudá-lo, mas, sinceramente, não sei como.

 

Gostaria de receber uma palavra sua, pois, sei que Deus sempre se manifesta através de suas palavras.

 

Um grande abraço,

 

___________________________ 

 

Resposta:

 

Minha querida amiga: Graça e Paz!

 

 

De fato, nos lugares que seu amigo freqüentou o tamanho do pênis não é problema.

 

Em geral nos filmes pornô os pênis que aparecem são aumentados por implante, que os fazem ficar agigantados, conforme um documentário que vi outro dia, no qual se mostrava o que os homens fazem para aumentar o tamanho do pênis a fim de penetrarem esse mercado do cinema pornô.  

 

Antes de responder a você entrei na Net e pesquisei o assunto, e, creia, há muita coisa boa escrita por gente séria.

 

Aprendi que a acromegalia é algo que acontece na relação de 50 a 70 pessoas por milhão na população. Portanto, está categorizada como doença rara.

 

Em síntese eis o que de mais simples achei:

 

A acromegalia pode causar mudanças na aparência física, mas como a doença costuma evoluir no decorrer de vários anos, seus sinais podem ser confundidos com os do envelhecimento.

 

Muitas vezes, o diagnóstico é feito casualmente por um médico que reconhece o aspecto físico do portador da doença num ambiente público ou quando se compara a fotografia atual do paciente com uma antiga.

As características mais importantes da aparência física são: 1) mãos e pés crescem, os sapatos não servem mais, os anéis não entram nos dedos; 2) alargamento da região frontal e da testa; 3) o queixo fica proeminente, dando ao rosto um aspecto característico; 4) espaçamento entre os dentes e perda dentária; 5) aumento do volume do tórax, do nariz e dos genitais; 6) os lábios engrossam.


Como os agentes da condição [GH e IGF-1] agem em todos os tecidos do corpo, a produção excessiva afeta múltiplas funções orgânicas, provocando as seguintes alterações:

  • A pele se torna espessa, oleosa, propensa à acne, deformada pelo aparecimento de pregas. Os pacientes  apresentam sudorese exagerada;
  • Alterações respiratórias: obstrução de vias aéreas, aumento das dimensões da língua, dificuldade de respiração durante o sono e espessamento das cordas vocais que tornam a voz mais grave;
  • Alterações cardiovasculares: aumento do volume do coração, hipertensão arterial, insuficiência cardíaca, arritmias, fadiga;
  • Alterações gastrointestinais: aumento de volume do fígado, pâncreas e outros órgãos. Pode haver formação de pólipos intestinais;
  • Alterações metabólicas/endócrinas: diabetes, intolerância a carboidratos, resistência à insulina, aumento dos níveis de colesterol e dos triglicérides, nódulos na tireóide, diminuição da libido [na mulher: saída de leite pelos mamilos e alterações menstruais];
  • Alterações músculo-esqueléticas: dores articulares, osteoartrite, formigamentos e alterações de sensibilidade da pele, síndrome do túnel do carpo, osteopenia (diminuição da massa óssea) e osteoporose.
  • Alterações neurológicas: dor de cabeça persistente;
  • Alterações oftálmicas: distúrbios visuais e redução do campo visual.

 

 

Ora, como você vê, as implicações dessa condição recaem sobre múltiplos aspectos da vida da pessoa, e, também, implicam em praticamente todas as áreas da vida social dela.

 

Entretanto, vi que também existe tratamento para a acromegalia.

 

Os objetivos do tratamento são:

  • Reduzir as concentrações de GH e de IGF-1 para os níveis normais;
  • Aliviar a pressão que tumores situados na hipófise possam exercem sobre o nervo óptico e áreas cerebrais vizinhas;
  • Preservar as funções hipofisárias;
  • Reverter ou melhorar os sinais e os sintomas da acromegalia.

As opções de tratamento incluem:

  • Cirurgia

A cirurgia tem índices de cura de 80% a 90% nos casos em que os adenomas (tumores benignos de aspecto glandular) medem menos de 1 cm.

 

Quando ultrapassam essa dimensão, os índices caem para menos de 50%.

Quando a cirurgia é realizada com sucesso, a aparência facial e o inchaço dos tecidos começam a melhorar em poucos dias. Mesmo assim, os níveis hormonais podem não retornar ao normal e exigir tratamento complementar com medicamentos.

A principal complicação cirúrgica é a lesão do tecido hipofisário adjacente, que pode exigir reposição hormonal para o resto da vida.

 

  • Radioterapia

 

É consenso entre os especialistas que a radioterapia NÃO deve ser usada como primeira opção terapêutica, exceto quando os tumores não  podem ser removidos cirurgicamente, quando a doença persiste depois da operação, quando o tratamento com medicamentos falha ou quando os pacientes recusam outras opções.

Depois do tratamento radioterápico, a função hipofisária costuma declinar gradativamente. Depois de 10 anos, 70% dos casos necessitam de reposição hormonal prolongada.

 

  • Tratamento clínico

 

Três tipos de medicamentos são empregados no tratamento da acromegalia:

1 – Agonistas dopaminérgicos: têm eficácia em apenas 10% dos casos. São usados preferencialmente quando os níveis de prolactina estão aumentados;

2 – Análogos da somatostatina:    constituem o tratamento clínico de primeira linha, uma vez que 96% dos tumores que secretam GH apresentam em suas células receptores para um fator de crescimento celular conhecido como somastatina. Como as drogas deste grupo (lanreotida e octeotrida) ligam-se a esses receptores, são dotadas da propriedade de regular a produção de GH e o crescimento celular.

Nos últimos 10 anos, a aplicação de octeotrida por via intramuscular tornou-se a forma de tratamento clínico da acromegalia mais prescrita e mais estudada.

A administração de octeotrida além de reduzir os níveis de GH e de IGF-1, diminui os índices de mortalidade, a freqüência dos batimentos cardíacos, melhora a função dos ventrículos, a resistência à atividade física e faz regredirem os sinais e sintomas da acromegalia;

3 – Antagonistas do receptor de GH: são medicamentos úteis quando existir resistência aos análogos da somatostatina. Embora normalizem os níveis de IGF-1 em cerca de 95% dos casos, seu efeito sobre o crescimento dos tumores hipofisários é questionável.
 

Considerações finais

 

Pacientes portadores de acromegalia que evoluem sem tratamento apresentam mortalidade mais elevada. Quanto mais altos os níveis de GH e de IGF-1, maior a probabilidade de surgirem complicações e mais altas as taxas de mortalidade.

O tempo de duração dos sintomas antes do diagnóstico, a duração da doença, a presença de diabetes, de doença cardiovascular e de hipertensão são fatores associados à mortalidade.

Por essa razão, é muito importante conhecer as características da doença para identificá-la o mais cedo possível e iniciar o tratamento antes que surjam complicações irreversíveis.
           

Leia o link do Dr. Drauzio Varella:

 

http://drauziovarella.ig.com.br/artigos/Acromegalia.asp

 

 

Assim, a questão sexual fica bem pequena, pois, de fato, seu amigo tem que buscar ajuda bem prática e presente a fim de poder lidar com todas as implicações da condição dele.

 

Entretanto, sei que o coração fica desejoso de provar a vida ou a existência tanto mais quanto a fragilidade se anuncia como futuro próximo ou incerto.

 

Por isto, sugiro a ele o seguinte:

 

1.         Que trate sua condição com clareza ante a mulher pela qual ele venha a ter interesse. Sei que ele dirá que assim não dá nem pra começar, pois, todas as mulheres pularão fora. Ora, não me refiro a falar do tamanho do pênis dele, mas sim da condição geral. Ora, quem quer venha a ter real interesse por ele, quererá saber do todo, da vida, da saúde, do significado e das implicações presentes e futuras de casar com ele. Mas se a pessoa se interessar por ele, e o amar; creia: o pênis não será problema.

 

2.         Que trate a questão sexual com naturalidade, apesar de tudo. Ora, ele pode receber boa ajuda de ótimos Urologistas, os quais o ajudarão a aprender a lidar com as implicações físicas do ato sexual e o instruirão acerca dos recursos que hoje existem. Entretanto, apenas como princípio, digo que ele tem que saber que com a dilatação e a umidificação vaginal decorrente de preliminares profundas, livres e intensas — por onde se trás à luz filhos ao mundo, também se ganha o poder de acolher volumes nem imaginados; isto se houver amor, carinho, liberdade, desejo, cuidado, intensidade controlada, transparência no dizer as preferências, muito uso das mãos e dos lábios, e bons lubrificantes.

 

 

3.         Que ele somente alcançará isto com uma mulher com a qual encontre total liberdade; e, por isto, ele terá que ser franco com ela, pois, sem que a verdade seja apresentada tão logo quanto os primeiros interesses se manifestem, ele não terá ao lado dele jamais uma mulher de confiança.  

 

 

Poder, dinheiro, status, bom emprego e ótimo salário, muitas vezes, numa situação assim, tendem a falsificar os interesses.

 

Há mulheres que até gostam de casar com homens com certa dose de chance de virarem estatística com facilidade.

 

Por isto, quanto mais verdade, mais verdade; sempre. E, além de tudo, ele não precisa de uma mulher que se diga arrependida em algum tempo.

 

Tudo o que disse acima o fiz baseado na experiência e no ensino de meu pai, que viveu com uma deficiência física desde 1 ano de idade; e que me dizia:

 

“Meu filho. Um homem com uma deficiência física tem que, acima de tudo, encontrar uma mulher de caráter. Uma mulher sem caráter e interesseira não faz bem a ninguém, mas a um deficiente físico ela faz mais mal do que qualquer que seja a deficiência ou doença”.

 

Creio que é até aí que você pode ir, a menos que você já me escreva também interessada nele, porém com medo de enfrentar a situação.

 

De fato digo isto por total ignorância, pois, não sei se você é livre para sentir tais coisas ou se já é comprometida.

 

Porém, se você é livre e escreve indagando da condição dele, não me surpreenderia se você mesma me dissesse que teria desejo de não apenas ajudá-lo, mas também de ajudar-se nele e com ele, com todo carinho e amor.

 

Se, porém, o que disse como mera suposição proveniente de minha ignorância, nada mais for do que isto mesmo, uma mera suposição de um ignorante, então, nem precisa me responder quanto a isto, mas apenas a ele encaminhar o que disse antes disso.

 

Receba meu carinho pelo seu amigo e o transmita a ele.

 

Quanto a você, receba meu forte abraço.

 

 

Nele, em Quem toda existência pode ter vida abundante, pois a vida abundante não depende do físico, mas do espírito e do olhar grato e contente,

 

 

 

 

Caio

 

29 de setembro de 2008

Lago Norte

Brasília

DF

 __________________________________________________________

  

 

 

 

 

 

 

 

----- Original Message -----

From:

To: contato@caiofabio.com

Sent: Tuesday, September 30, 2008 9:11 AM

Subject: ACROMEGALIA

 

Querido Pastor!

 

Fiquei surpresa e emocionada ao receber sua resposta tão de imediato! Obrigada pelo carinho.

 

Quanto ao meu interesse...

 

Bem, a princípio, a intenção de tentar ajudá-lo é mesmo como amiga. Mas não nego que tenho um carinho muito especial por ele. A questão é que ele nunca me deu abertura pra isso. Ele sempre se coloca numa posição de que nunca vai conseguir ter um relacionamento "verdadeiro" por conta do problema dele. Em contrapartida, tenho receio de "investir" em algo mais e depois não corresponder às expectativas  e servir apenas para mais uma frustração para ele.

 

Eu, apesar de ser uma mulher de 36 anos, tenho muito de "menina" dentro de mim. Sou executiva, moro sozinha e graças a Deus sou uma pessoa feliz. Ainda não tive "sorte" de encontrar um homem que valesse a pena para comigo formar uma família.

 

Este é meu grande sonho!

 

Mas eu creio que o melhor de Deus está por vir em minha vida.

 

Um beijo grande no seu coração.

 

Receber a sua resposta foi o melhor presente que poderia ganhar hoje!

 

______________________________________

 

Resposta:

 

 

 

Querida amiga: Graça e Paz!

 

 

 

Se é assim, ore.

 

E mais:

 

Deixe que ele saiba caso você veja em você o potencial para tentar!

 

Mas não tenha pressa e nem se precipite.

 

Tudo tem que ser muito claro e consciente!

 

Receba meu carinho, e, muito obrigado pela expressão de sua confiança.

 

Nele, que tem caminhos que nos são impensáveis,

 

 

Caio

 

30 de setembro de 2008

Lago Norte

Brasília

DF