Português | English

Cartas

ACHO QUE POSSO MORRER PORQUE SOU INAFETIVO COM DEUS

ACHO QUE POSSO MORRER PORQUE SOU INAFETIVO COM DEUS

 

-----Mensagem original-----

De: Alexandre

Enviada em: terça-feira, 18 de maio de 2004 16:34

Assunto: ACHO QUE POSSO MORRER PORQUE SOU INAFETIVO

 

 

 

Dear Caio,

 

 

 

Eu já te mandei uma carta e ainda não fui respondido; não estou com raiva; eu entendo que você deve ter umas mil ou mais cartas para responder, alem de ter um "busy day" com suas outras obrigações. Na verdade não sou muito fã de escrever, mas está sendo como uma terapia pra mim.

 

Estou passando por uma tempestade na minha vida; então, aqui, pelo menos eu desabafo virtualmente, na esperança de que um dia você possa ter um tempinho e retornar para mim; mas não se preocupe se não der, pois eu entendo a sua situação...

 

Dear Caio, acabei de vir de um culto no qual Deus se manifestou, mas a minha dor continua... Não consigo sentir o poder de Deus na minha vida. Igreja pra mim tem se tornado uma angustia, principalmente quando eu vejo que a Gloria de Deus se faz presente, e vejo os irmãos ao meu redor... gozando de uma alegria que eles descrevem como inexplicável. E eu fico cada vez mais angustiado... vêm muitos pensamentos na minha cabeça; pensamento de rejeição por Deus; pensamento de maldição na minha vida; pensamento de pecado; apesar de já ter confessado tudo diante de Deus, e até diante dos homens pra ver se resolvia.

 

Realmente não consigo entender porque que Deus me priva da sua presença; pelo menos é o que posso entender; Deus me perdoe se eu estou errado, mas é esta a realidade dentro de mim.

 

Eu sei que uma pessoa com uma mente sã diria que o cristão não vive pelo que sente ou vê, mas sim pelo que crê... Muito fácil falar isso quando não se está no sapato do outro... sofrendo a angustia de não poder comer uma migalha dessa mesa. Não estamos falando de coisas terrenas, como riqueza, fama, saúde etc... estamos falando daquilo que é da alma, algo que nos tiraria um pouco desse mundo caído, como diz você...

 

E os que não tem uma mente sã, diriam que eu estou com problema de fabricação, crente de terceira categoria, crente do olho seco e etc...

 

O que sempre ouvi quando compartilhava essa situação com alguém — umas duas ou três pessoas no máximo — é que Deus me ama muito e que eu não deveria me importar com isso... É um bom conselho; mas quando me ajoelho para orar ao Senhor, e faço aquela oração seca, que parece que só eu que estou falando, e falando pras paredes; aí dói... e dói muito. Pra lhe dizer a verdade, eu não tenho nenhum prazer em orar porque não sinto que Deus esta me ouvindo.

 

Só para contar, já sofri criticas na igreja por me acharem quieto, e não louvo o Senhor em voz alta, não dou aqueles gloria a Deus e aleluia altos; mas não sentia nenhuma motivação real para tal... por isso não queria ser um hipócrita, fingindo estar sentindo o poder de Deus.

 

Na verdade me sento um peixe fora d’água... Já pensei que a minha solução seria congregar em uma igreja que nunca ouviu falar de dons espirituais... Mas não adianta; eu já sei que eles existem... e gostaria muito de poder apenas sentir de verdade a unção de Deus na minha vida. Não me importo de ter que falar língua, de interpretar, profetizar “or whatever”; tudo que queria era sentir aquela unção gostosa que todos descrevem como "inexplicável.

 

O que fazer? Já abandonei a igreja por certo período; voltei; já tentei abandonar Deus também, mas isso nunca consegui; já fiquei de mal; já fiz tudo pra poder chamar a atenção Dele; e nada...

 

Quando se fala que Deus é bom e que me ama e tudo, pra lhe dizer a verdade — e espero que a minha verdade não lhe ofenda — só consigo aceitar isso pela fé; mas no fundo do meu coração há sempre uma dúvida; por causa de tudo que tem acontecido comigo. É verdade que Deus já me livrou de acidentes, providenciou algumas vendas para mim, que eu não esperava, e que se não tivessem acontecido eu estaria numa pior; enfim, tenho visto algumas providencias de certa forma digna de agradecer a Deus; e claro que o fiz.

 

Mas acontece que esses tipos de bênçãos estão acontecendo todos os dias, até mesmo na vida de quem não conhece a Deus. Pela fé a gente está sempre acreditando que seja o zelo de Deus e tudo... mas por outro lado pode ser sorte... mas quanto a isso não tenho problema em aceitar que seja providência de Deus; sorte ou providência; eu o agradeço do mesmo jeito... Aliás, a boa sorte é uma benção... né? rsrs

 

Outra coisa que me angustia muito é a expectativa que as pessoas que vivem ao meu redor tem sobre mim... Acham que eu sou inteligente, que Deus vai me usar muito; querem que eu assuma algum trabalho na igreja e tudo... E eu não consigo corresponder com a expectativa; e isso já vai para todas as facetas da vida: espiritualmente, no amor, profissionalmente...

 

You name it... I feel it! I am a big looser and I know I shouldn't be thinking that way because the devil is the big looser… and I'm trying to keep my head up but… it hasn't being an easy task for me... especially now, at this crucial moment of my life. I might have a serious desease and I feel like I'm coming to an end; it's very sad... I really don't know what to do. All I know is that I have to keep my faith in Jesus and wait for a miracle that seems to be so far away from me…

 

Anyways… I just thought about sending this message to you if you have anything to tell me on this regards. Please do so… if you don't… please pray for me... and I still would like to call you if you can grant me this privilege; give me your number and I will call you... You take care buddy!!

 

Grande Beijo!

 

Alex

 

___________________________________

 

Resposta:

 

 

 

Meu caro amigo, meu amado irmão:

 

 

 

Essa enfermidade não é a morte, mas para a glória de Deus, para que por ela o Filho do Homem seja glorificado! De fato você está doente de uma séria doença, que é um complexo de rejeição espiritual do qual sofrem muitas pessoas.

 

Seu ressentimento vem do fato de que você ainda não perdoou a Existência, e nem perdoou o mundo (leia aqui no site a este respeito, em Reflexões).

 

Nas igrejas evangélicas o número dos que sofrem desse mal provavelmente seja inigualável; especialmente entre irmãos de igrejas legalistas, porém “very hiper” no que diz respeito às expressões de “euforia constrangida”, danças, risos, acenos, frases repetidas, músicas que se perpetuam indefinidamente, confissões de amor fraterno, choro, línguas, arrebatamentos; e até, como acontece em alguns lugares, dons de latido, de risada; e até dom de Leão, no qual o agraciado sai pelas ruas da cidade, fazendo xixi nas esquinas, em nome de Deus, como o faz o leão quando marca o seu território.

 

Falo sério. Você sabe que eu poderia ir até mais adiante do que isto... pois há todas as maluquices possíveis por aí.

 

Não sou um racionalista frio. Ao contrário, mesmo sendo muito racional, sou profundamente emotivo e místico.

 

Todavia, concordo com Paulo, que é melhor falar duas palavras inteligíveis em público, do que milhares de línguas numa algaravia estática ininteligível. Assim, “minhas línguas espirituais” ficam entre eu e Deus; e “minhas palavras” entre eu e meus irmãos.

 

Digo isto porque sinto duas coisas fortes no que você escreveu: a primeira é um grande desconforto psicológico com a fé, conforme ela se apresenta a você no lugar onde você está — e que deve ser um lugar carregado de gente que chora sem lágrimas, dança carnalmente no espírito, faz louvor ao deus de seu próprio ego, prega a mensagem de “Deus” para a sua própria glória, prosperidade e riqueza; e também muita gente que mente, dizendo que sente o que não sente; que vê o que não vê; e que diz ouvir o que nunca ouviu.

 

Tem até gente que atende durante o culto, chamado de telefone celular feito pelo anjo Gabriel. E há os que ousem dizer o seguinte em resposta: “Agora não posso, Gábi; agora estou pregando, e não gosto de ser interrompido.”

 

Também repito: não estou brincando. Um ambiente desse faz mal à alma de qualquer ser humano, depois de algum tempo. Aliás, quem consegue ficar num lugar assim para sempre, é porque está profundamente doente... e não quer se enxergar mesmo.

 

Esse ambiente faz mal, pois ninguém que seja sadio consegue viver “high” o tempo todo; e quem insiste, perde o sentido de realidade; ou que se esquizofreniza, sendo capaz de vir da vida com todas as raivas do dia, e, subitamente, ao tocar o primeiro louvor, a pessoa já entrar num outro estado, automaticamente; e que, você percebe, já se tornou uma mecânica, um cacoete, uma cultura, ou uma passarela espiritual; ou um exercício de poder, ou mesmo uma necessidade de validar a vida ruim, tirando esse tempo para fazer de conta de que está tudo mais que bem.

 

Há aqueles que não são assim. Há alguns que depois de um tempo, sacam a maluquice e sua mecanicidade de natureza psicológica; e vêem também como isto serve de escada de subida, na hierarquia do poder local, até ao glorioso dia em que se tornem dignos de ir ficando cada vez mais perto do palco, até que chegue a hora em que, enfim, subam...

 

Ora, os que sacam que para muitos é assim, param de sofrer; e, em geral, procuram outro lugar, onde haja pelo menos níveis mínimos de verdade no encontro e no culto. Há, porém, os que ficam. Mas ficam como você está agora.

 

É claro que os sintomas dessa “doença” são bem variados; mas o quadro básico é o mesmo: o indivíduo é honesto, quer sentir aquilo ali, ao mesmo tempo em que não vê que muito daquilo ali é apenas “êxtase de hora marcada”; e não experimentando nada do que todos dizem provar, se auto-decreta como sendo uma pessoa inafetiva até com Deus, visto não conseguir ser como os outros e expressar o mesmo “amor”, e a mesma “embriaguez”.

 

Ora, desse modo, você se exclui por virtude de sua própria honestidade; porém, se culpa em razão de seu complexo de inferioridade, que nada mais é que uma profunda insegurança ressentida.

 

Dentro desse ambiente isto se manifesta como ressentimento de Deus, porque Ele faz todo mundo sentir e se alegrar na presença Dele, menos você; e você “sente” que a culpa é sua, pois nem Deus é capaz de “emocionar” você.

 

Quero que você saiba que não é esta a realidade, mas que sei que é “assim que você se sente”. Portanto, pelo menos por enquanto, isto ainda é sentido por você como verdade, ainda que não seja.

 

E o sentimento de um engano que se passa por verdade divina e auto-julgamento, faz a mente se decretar candidata até à própria morte; pois tal sentimento de incapacidade de sentir é tão forte, que há pessoas que se punem com profecias de auto-destruição. Tipo: “Já que Ele não me dá o sentir por Ele, então serei punido sendo tirado da Terra”; ou, numa punição mais branda: “Serei punido com o sofrimento, pode ser que assim eu sinta”.

 

E foi a isto que você aludiu na parte que você escreveu em inglês falando sobre a possibilidade de ficar doente no corpo, ou em qualquer outro lugar...

 

O que você terá que fazer é um dos piores exercícios espirituais, que é crer contra todo o sentir em contrário. E isto só lhe será possível se você fizer algumas coisas em seu favor:

 

1. Você lerá, como terapia, este site inteiro. É! Estou falando sério. Se você quer minha ajuda, creia, eu a estou dando. Mas você tem que querer. Leia tudo. Seque os conteúdos. E duvido se você não chegará do outro lado, resolvido em tudo isto. Eu creio, por isto é que falo a você.

 

2. Você vai sair dessa igreja e vai procurar uma igreja calma, tranqüila, e onde haja lugar para o louvor, a oração, o silêncio, a Palavra, a confissão, a gratidão, e a renovação das certezas na Graça, conforme o Evangelho. Essa igreja jamais será perfeita; mas será, com certeza, um ambiente que lhe favorecerá, em muito, a alma.

 

O que você está fazendo é mais ou menos como quem sendo um bibliotecário, quer se casar com a sambista mais aloprada da Mangueira. Não dá certo. Ou ele morre de raiva ou ela sucumbe ao tédio.

 

3. Você não mais tratará deste assunto com Deus. E também nunca mais orará tentando fazer a oração passar do telhado ou da parede. Aliás, para atingir tal feito, basta gritar. Sua oração agora não será mais para fora, mas para dentro.

 

E quando você orar para dentro — na direção de seu coração —, fale com Deus, pois Ele mora aí nesse lugarzinho. Então, seja meigo, amoroso, carinhoso, verdadeiro, sem frescura, limpo no dizer a verdade que Ele conhece; e sem nenhuma necessidade de ouvir nada, sentir nada, ou coisa alguma. Lembre que você está ali para um encontro de amor, não para uma Luta de Vale Tudo. Ninguém agüenta lutar com um anjo todos os dias. Jacó só lutou uma vez.

 

4. Você também vai parar de se comparar com quem quer que seja. Você só está sofrendo isto tudo, porque você está numa igreja de clones, não de indivíduos únicos e singulares. É porque tudo é clonado, que até as emoções são iguais. É a Lei do Lugar. Todo mundo tem que pular.

 

Mas para você não será mais assim. Deus pode estar na brisa, não no fogo e nem no vento, e nem no terremoto. Por isso, seja apenas você, diante de Deus.

 

Numa família, um pai tem filhos que pulam e tem os que ficam quietos; os que falam alto, e os que amam o silêncio; os emotivos, e os mais frios; os extrovertidos e os introvertidos. Além disso, assim como há muitas formas de amar os homens, há também muitos modos de amor a Deus.

 

E se eu sei disso, que não se dirá do Pai que está nos céus?

 

Por enquanto, fico por aqui. Receba meu abraço e minhas orações.

 

 

 

 

 

Nele, em Quem há um jeito de ser para cada filho,

 

 

 

Caio

 

18 de maio de 2004

 

Copacabana

 

RJ