Português | English

Cartas

A REVOLUÇÃO COMEÇOU!

A REVOLUÇÃO COMEÇOU!



 

 

----- Original Message -----
From: A REVOLUÇÃO COMEÇOU!
To: Caio Fabio
Sent: Thursday, May 18, 2006 9:32 AM
Subject: A REVOLUÇÃO COMEÇOU...!!!


Companheiro do Caminho:
Graça e Paz!


Tudo blz por aí? Espero que já tenha conseguido descansar depois da jornada de quatro dias... Que Deus te restaure!


Gostei muito do Encontro... Foi um momento de profunda revelação do espírito do Evangelho e de encontro humano. Saí edificado... renovado... liberto... e cheio da Graça! E com uma certeza cada vez maior no coração: a de estar no Caminho em Cristo e certo de quem sou Nele! Saiba que tudo me fez um grande bem!


Pena que alguns foram ali com outras expectativas... Acho que uns esperavam a exposição de uma “metodologia pragmática” de como estabelecer e se dar bem com uma Estação... coisas do tipo: “10 passos para montar uma Estação” ou “Como ser bem sucedido em sua Estação”. Que pena! Se frustraram!


Diante de toda a simplicidade com que as palavras foram colocadas, tive a confirmação daquilo que já estava no meu coração... “A metodologia de Deus tem sua síntese pragmática em Jesus de Nazaré: O Verbo (método) se fez carne (prática)...!” Tudo é muito simples; basta olhar pra JESUS!

Vejo o Caminho da Graça como um movimento “profético-revolucionário” – uma voz profética iconoclasta – que surge num momento sério da nossa história de igreja, marcado pelo “eclesiocentrismo narcisista” e pelo “clericalismo manipulador”. Por todo lado o que se vê é a sacralização da igreja (e de seus líderes) como lugar fixo da “legítima” representação de Deus na terra. Há a elevação da igreja como ícone, tornando-a um ambiente que promove a clausura na alma do povo. Com o Caminho da Graça retoma-se a esperança de ser em Cristo um povo livre e consciente de seu papel no mundo... Rompe-se com todo enclausuramento da alma humana, deixando-nos no chão seguro da fé, o que abre diante de nossos olhos um caminho existencial a ser trilhado por um povo – um ajuntamento de sacerdotes – em profunda unidade dinâmica, tendo a Jesus como modo de SER.
 
Como você sempre afirma: é preciso uma DOCE REVOLUÇÃO DO EVANGELHO...! E esta revolução já começou...! Pela Graça de Deus, fui incluido nela e dela faço parte... Portanto, quero servir a Deus nesta geração com todo o meu ser! Conte comigo e com a Estação de BH...
 

Um beijo,
 

"Agnus Dei qui tollis peccata mundi"


Chico

___________________________________________

Amado Chico: Que bom viver na Graça e na Paz!


Na realidade fiquei feliz que quem quer que tenha ido naquela de ver “o que tirar” a fim de “se dar bem”, tenha voltado frustrado para casa; pois, é assim que voltarão todos os que forem nesse espírito.

Isto porque esbarram na Lei da Graça, a qual é desconcertante!

Se é Lei, não é Graça; e se é Graça, não é Lei — diria alguém.

Entretanto, existe a Lei da Graça!

Como então existe algo a que se possa chamar de Lei da Graça?

Ora, tudo o que é, é. Portanto, aquilo que é em-si-mesmo (como a Graça), pela sua própria existência, é Lei.

Tudo o que é em-si-mesmo é Lei.

Deus é Graça, pois Deus é amor!

A Graça de Deus e o Deus da Graça não são separáveis. Aliás, um Deus que não fosse Graça não seria Deus, e nem criaria coisa alguma, posto que o ato de chamar à existência aquilo que não existe é um ato de Graça.

Se o Universo foi criado, então, nele tudo é Graça, visto que nada havia nele a partir do que criar, pois, caso houvesse, essa coisa pré-existente seria a razão essencial de si mesma, sendo, portanto, algo a existir fora da Graça.

O Universo, porém, é um derrame cósmico de Graça, pois, nada há nele que não tenha sido chamado à existência do nada.

Se nada havia, então, tudo o que há é Graça. Pois se o que não é passa a ser por um ato de vontade de Quem é, então, tudo o que daí decorre é Graça, posto que somente a Graça fornece o material que a inexistência necessita para existir, que é amor.

Amor é vontade essencial de ser e criar. Amor é o motor de qualquer existência. Amor é o mantenedor da vida.

Amor é Graça e Graça é amor!

A Lei da Graça, portanto, é o Amor.

O Amor está no Principio de todas as coisas, pois, o Deus que é Amor, é também Aquele que se fez Cordeiro Imolado antes da Fundação do Mundo.

Nenhuma energia vibrou no Cosmos antes do Amor. É o Amor que emula a vida em seu destino na direção da Vida.
 
Assim, eis a Lei da Graça para os Humanos:

 

1o Ama a Deus com a plenitude de teu ser.

2o Ama o teu próximo como a ti mesmo.

3o Ama teu próximo fazendo a ele tudo aquilo que tu mesmo queres que os outros façam a ti.

4o Jamais faças ao teu próximo aquilo que tu mesmo não queres que seja feito a ti.

5o Sê justo com a Justiça que faz o bem e que é capaz de perdoar o erro.

6o Sê misericordioso conforme a misericórdia que tu queres receber de Deus e dos homens.

7o Sê grato em todas as coisas de acordo com a consciência que tens de que nada te é devido, posto que tudo que és e tens te foi dado.

8o Sê cheio da fé que opera pelo amor e que realiza o fruto da justiça, que é paz e alegria no Espírito Santo.

9o Perdoa sempre, e sempre serás perdoado, posto que assim confirmas com atos a fé que tens de fato acerca de que tudo Está Consumado, pois quem perdoa, também está confessando que crê na Cruz.

10o Segue o verdadeiro amor e não te preocupes com o pecado.

 

Esta é a Lei da Graça conforme o ensino do Evangelho.

Ora, tal Lei não vem de fora, mas nasce dentro, e não é algo que se alcance por esforçado-esforço, mas sim com o supremo esforço-da-entrega que se traduz em Confiança Total na Graça de Deus.

Na Lei da Graça a obediência é gerada pelo descanso, e não o descanso pela obediência.

Na Lei da Graça as obras sucedem a fé, embora a fé que não produza obras de amor esteja morta.

Na Lei da Graça o trabalho é confiar e descansar no que Está Feito, pois daí que o ser capta sua energia para realizar eficazmente aquilo que é Lei do Amor.

Assim é o Caminho-Lei-da-Graça. Bem-aventurado aquele que o segue em confiança.

Sim, Cristo é tudo: o Evangelho, a Interpretação, a Prática, o Modo, e o Método — o qual, como métedo, é tão sem método, que de fato vem a ser o Método da Surpresa; no qual somente os hebreus da fé estão dispostos a caminhar.

Ora, isto é verdade de sempre. Mas hoje é pura revolução se praticada!


Outra grande revolução no Caminho é a sua única chave hermenêutica!

Certa vez Lutero disse:

“Cristo é o Mestre, as Escrituras são apenas o servo. A verdadeira prova a submeter todos os Livros é ver se eles operam a vontade de Cristo ou não. Nenhum Livro que não prega Cristo pode ser apostólico, muito embora sejam Pedro ou Paulo seu autor. E nenhum Livro que prega a Cristo pode deixar de ser apostólico, sejam seus autores Judas, Ananias, Pilatos ou Herodes”.

Assim, Lutero acabava com os ídolos-autorais; e dizia que o que é Evangelho é exclusivamente aquilo que é de acordo com o espírito de Jesus; e o que não é, deve ser posto fora; independentemente de quem o tenha escrito. Ora, com toda a simplicidade das palavras de Lutero, o que ele diz é que o Evangelho é Jesus; e que o que não for como e segundo Ele encarnou, venha de quem vier, já não é Evangelho!

Ora, se Lutero dizia isto, e com tal vêemencia acerca até de Paulo ou Pedro, que não diria ele hoje quando visse placas com o nome de “igreja evangélica” para todo lado, enquanto, do lado de dentro, o que prevalece é um espírito de negação e manipulação do evangelho mais sofisticado do aquele contra o qual ele lutou em seus dias?

Saiba: o Lutero real e histórico, ou estaria no Caminho conosco ou nós estaríamos com ele. O fato é que não tenho dúvida de que estaríamos juntos!

Também creio que chegou a hora de se confrontar os “cristãos”, e com eles todos os homens, acerca da VEREDA DESPREZADA. Sim, porque sem que entendam isto eles jamais discernirão a beleza e grandeza do chamado do Evangelho para com todos ós.


É hora de dizer que a Porta é Estreita porque ela é a porta do Caminho do amor. O que pode haver de mais divino que o amor, e, ao mesmo tempo, tão pouco escolhido quanto ele? O que pode haver de mais duradouro e eterno que o amor, e que seja mais rejeitado do que ele? Que há que possa ser antes do amor, e, apesar disto, possa ser deixado tão para depois quanto ele?

É sabido que quanto mais uma pessoa cede, mais abusada ela é. É sabido que quanto mais generoso alguém for, mais abusado será. É sabido que tanto mais quanto uma pessoa seja longânima, paciente e misericordiosa, tanto mais levada aos extremos de cada uma dessas coisas ela será, visto que por sua paciência, grande será sempre o abuso que ela sofrerá de quase todos.

Assim, a Porta é Estreita porque ela leva para o caminho do amor. E nada há que os nossos instintos mais aborreçam do que o amor. Quem gosta de ser abusado? Quem aceita ser provocado? Quem está disposto a perdoar sempre? Quem se oferece para assumir responsabilidades mesmo sabendo que o preço será ser sempre cobrado?

A maioria foge. E muitos praticam o mal apenas para não serem importunados. Esse é o perverso controlado e pragmático. Ele não quer é ser importunado. Por isto ele não quer se envolver com a bondade e a misericórdia, pois sabe que todo aquele que se deixa enlaçar nas redes do amor e seus frutos, certamente muito sofrerá; visto que a maioria apenas sabe demandar, e adora passar por mal apenas para não ter o trabalho de responder com o bem. Os preguiçosos existenciais tornam-se maus porque têm preguiça de amar.

Portanto, se alguém não quiser ser importunado, seja pragmático, grosso, estúpido, intolerante, aprenda a capacidade de surtar, de fazer xixi na sala pelo menos uma vez..., que é para que todos tratem você como um rei maluco, fazendo de tudo para você não se sentir molestado de modo alguém.

Se alguém não quiser ser molestado não cometa nenhuma bondade, e não se vicie nela, pois os resultados não serão em seu favor; isso se a pessoa não gostar de ser importunado pela vida.

Esta é a trilha mais escolhida, pois são muitos os que andam por esse caminho, pois ele é largo. 

Se você, no entanto, quiser ser agido pelo amor, então, saiba: você será sempre aquele que deve, e será sempre aquele que pensa no melhor para todos; e todos esperarão que você faça tudo pelo bem deles; de modo que você nunca estará isento, pois de você todos esperarão todas as coisas que eles detestam praticar como bem, como tolerância, como misericórdia, e como empenho pela paz.

Esta é a trilha menos percorrida, pois são poucos os que acertam com ela. Isto porque a porta é estreita; e poucos são os que se deixam seduzir pelo encanto do amor pela vida, que é também paz e alegria simples. É muito estreita a vereda do contentamento. E a maioria se sente otária quando anda por ela.

Só que a Porta Larga pedra o ser, e gera morte; a Porta Estreita, porém, cria o ser, e gera vida.

E saiba, amado Chico, eu me alegro em ver na sua face que essa é a sua trilha e que seu caminho acontece na busca da verdade no chão do amor. Este é o princípio operante na base da revolução, cuja natureza é sempre de natureza pessoal e existencial.

O que me alegra muito também na experiência da jornada no Caminho, é que estamos reaprendendo a chance de termos amizades não-pagãs entre nós.

Isto porque no meio cristão, em geral, existe a forma de amizade mais pagã possível. E que forma de amizade é esta? É aquele que ama moralmente.

Amar moralmente significa amar enquanto a pessoa se comporta “como a gente”, e não necessariamente como gente. Se ela for diferente ou se tornar diferente, ou mesmo tiver um comportamento diferente, mesmo que tal coisa seja apenas na área particular e privada, ou envolva apenas uma decisão de fôro intimo, nesse dia, tal pessoa perderá todos os seus “amados”, pois era amada apenas moralmente.

Para esses o irmão é o igual, e o próximo é apenas aquele que lhe é semelhante.

Ora, Jesus mandou amar até o inimigo, quanto mais o diferente!?

Além disso, Ele disse que amar os que nos amam, e tratar bem os que nos tratam bem, é apenas um comportamento pagão, posto que é assim que qualquer pagão, minimamente, trata um ao outro.

Jesus disse que deveríamos buscar amar e ser amigos do jeito do Pai Celeste, que é bom para com maus e bons, e derrama Graça sobre todos.

Acontece que entre os cristãos, em geral, não se alcança nem mesmo o nível pagão. A sociedade pagã é capaz de aceitar e defender o diferente, mas a igreja não é.

Desse modo, enquanto este “pequeno detalhe” for assim, os cristãos não terão o respeito da humanidade, posto que até os bárbaros os superam no trato de uns para com os outros.

O cristão, como é, não passa de ser o bebê da humanidade.

No dia que o cristão amar a todos os homens e for misericordioso para com todos os homens, e não se separar de outros cristãos apenas porque eles se expressam de modo diferente, nesse dia a sociedade que nos cerca verá a nossa luz, e glorificará o nosso Pai Celestial.


Mas jamais antes desse dia... e, nisto, posso dizer que profetizo sobre a certeza das certezas, pois é conforme a Palavra de Jesus.

Assim, querido companheiro, temos o privilégio de desprezar os poderes do Altar que está levantado “dentro dos portões”, conforme Hebreus 13; e sairmos dos Portões, indo ao encontro de Jesus, fora do arraial, levanto o abuso e o desprezo dos que ministram no altar “de dentro”, mas que não é o nosso; posto que Jesus sofreu fora do Portão. Nosso altar está fora!

E que o Senhor nos proteja daqueles que já nos olham como um bom negócio ou como um interessante NOVIDADE!

Eles que não venham; pois os conheço; e só os quero ter andando juntos se tiverem deixado as arrogâncias do “altar de dentro” — o de bodes e touros — e estiverem dispostos a carregar o vitupério de Jesus, fora do Portão da Jerusalém da Religião da Escravidão.


Nele, sempre seu mano de Caminho,


Caio