Português | English

Cartas

 MORRI PARA A RELIGIÃO PARA PODER VIVER PARA CRISTO

MORRI PARA A RELIGIÃO PARA PODER VIVER PARA CRISTO



----- Original Message ----- From: MORRI PARA A RELIGIÃO PARA PODER VIVER PARA CRISTO To: Caio Fabio Sent: Sunday, July 31, 2005 6:46 PM Subject: "Morri" para a religião para viver em Cristo. Amado Pastor Caio Fábio, Este é o desabafo de alguém que conheceu a Verdade. Disse Jesus: "Eu sou o Caminho a Verdade e a Vida, ninguém vem ao Pai senão por mim." Estou certo agora mais do que nunca, de que somente Cristo é o Caminho, a Verdade e a Vida, conforme o texto bíblico. Porém a religião tem sido uma pedra na vida dos cristãos. Hoje o que vemos em várias "igrejas" são praticamente os mesmos religiosos (Doutores da lei) que julgavam, apedrejavam e castigavam aqueles que eram apanhados em suposto delito. Hoje de forma mais sutil, os neo-doutores da lei negam o fato de que Deus é Amor, que seu amor é incondicional, e que somos salvos exclusivamente pela graça; e isto não vem de nós, mas é dom de Deus. Antes preferem até mesmo vender a salvação e a graça do nosso Deus, criando verdadeiros mercados da fé, para satisfazer os desejos pessoais dos supostos "pastores". Assim negam até mesmo a mensagem da cruz, onde tudo já está consumado! e onde somos justificados pela fé em Cristo. Afinal, não existe nenhum justo, nenhum sequer, conforme diz em Romanos, mas pelo sacrifício do único Justo (Jesus) muitos são justificados. Criam-se regras como "Não toques", "não proves", "não manuseies", como leis a serem seguidas...; onde, diferentemente, a Palavra diz que se conhecemos a Verdade, verdadeiramente somos livres; e que "Nenhuma coisa em si é imunda, a não ser para aquele que a tem por imunda, para esse é imunda."(Rom. 14:14). Com o pretexto de discipulado, querem controlar totalmente a vida das pessoas, impedindo assim que a pessoa caminhe de acordo com sua consciência e que seja transformada naturalmente de glória em glória pelo Espírito Santo. Hoje o que vemos são "evangélicos" sorridentes, mas que por dentro estão cheios de perturbação, pois vivem aprisionados pelas doutrinas dos homens, e não conhecem Aquele que realmente liberta e que permite que sejamos nós mesmos; antes preferem fazer da vida um teatro e estarem feridas por dentro. Tudo isso graças ao que foi ensinado pelos Neo-Doutores da lei... Enfim..., é o mesmo que um cego guiando outro cego. O pior de tudo é que muitos enxergam, mas mesmo assim não querem enxergar; tudo para alimentar um sistema já criado e os sofismas que tem. É por estas e outras que morri para a religião para viver somente em Cristo, e para Cristo, pois somente Ele é a vida e Nele temos liberdade de caminhar com as nossas próprias pernas segundo a nossa consciência e sem neuroses. Hoje sou uma nova criatura, livre para adorar a Deus e fazer aquilo que quero e gosto, guiado apenas pela consciência. Deixo aqui a minha gratidão a Deus pela sua vida, e o seu site, que foram bênção de Deus para a minha vida. Agora vou seguir rumo ao alvo que é Cristo, e esperar que algo novo aconteça aqui em minha cidade. Como eu gostaria que o trabalho maravilhoso do Caminho da Graça estivesse aqui...!, mas, enquanto isto, vou caminhando, e espalhando para todos esta mensagem. Nele, que é a Vida abundante Luciano Costa ____________________________________________________________ Resposta: Amado amigo no Caminho: Graça e Paz! Ele é o Caminho, a Verdade e a Vida; porém, a experiência Dele como Caminho, é no caminho; a experiência Dele como Verdade, acontece nas verdades do coração; e a experiência Dele como Vida, se realiza na existência que é vida e na vida que é existência; ou seja: no cotidiano. Assim, Ele é o Caminho, a Verdade e a Vida, mas só se O conhece desse modo, e pela fé, se nossa existência for consciente da Graça, e acontecer no caminho (indo...), na verdade (sendo...) e na vida (existindo...). Ou seja: a gente só conhece o Caminho no caminho, só conhece a Verdade em verdade, e só conhece a Vida se tiver coragem se ser e existir pela fé. Ora, isto não é um manual de doutrinas, mas um ato de entrega e confiança, e que se renova em fé todos os dias, e que se nutre da Palavra que é dinamizada (dunamis) pelo Espírito. Isto, todavia, não acontece num banco de escola dominical (ajudas podem até vir daí...), mas sim nos bancos de ônibus, em filas de espera, em encantamentos e desencantamentos, em aprendizados e tribulações; em amores e perdas; em conquistas e fracassos; em medos e superações; em virtudes que se seguem de desvirtudes... Ou seja: tais realidades maiores do Caminho, Verdade e Vida (que é e são Jesus), são construídas dentro das realidades menores de nossos pequenos caminhos, verdades e vidas, em Jesus, e conforme vivemos. A “igreja” nunca entendeu isto! Jamais! Mesmo que eles vejam Jesus mandar o Gadareno para casa sem controle humano; ou que percebam como Jesus não mandou que alguém seguisse o Centurião da Fé, ou a mulher Siro-Fenícia para ver se eles não se “desviavam da fé”; ou que saibam que o Espírito Santo é promessa de Jesus para cada um de nós, e não apenas para os que “controlam os demais” (que no nosso caso são os pastores, os bispos e os apóstolos feitos nas linhas de produção da indústria evangélica); ou que creiam e até ensinem que Jesus mandou que “fôsemos”, não que “ficássemos”...; e que “indo... fizéssemos discípulos”...—ainda assim eles insistem em que alguém que não esteja sob seus “cobertores de discipulado conjugal”, em razão de sua própria maturidade de consciência, é um “desviado”. A única “reunião” boa e sadia de qualquer coisa que se chame igreja, é aquela que acontece como resultado de cada um estar andando com Jesus no caminho, na verdade e na vida, com as próprias pernas e em crescimento da consciência; e que vêm (tais pessoas) ao “ajuntamento” para encontrar os irmãos e para adorarem juntos, Aquele a Quem eles adoram no secreto também. Do contrário, é o ajuntamento dos culpados e paralizados, e que vão à “casa de Deus” como quem vai a uma “cachoeira encantada”; ou ao “fisco espiritual”; ou a um “lugar de poder” de uma tribo indigna. A perplexidade da “igreja” é que ela já percebeu que seu “modelo” está morto e sepultado; e não sabe o que fazer em contrário. Já apelaram para tudo. Já se vestiram de “Carmem Miranda”, e já “rodaram todas as baianas”... Mas sabem que somente as almas pedradas conseguiram e conseguirão ficar nela; ou somente os incautos em fase de auto-engano-piedoso é que ainda podem ficar paralisados em seus bancos de penitêcia. Ou seja: ou a “igreja” se rende, e depõe as armas; ou ela vai ficar “igreja” para sempre. Mas o Caminho do Reino não se deterá nela! Eu, pessoalmente, creio que uma aqui... outra ali... as consciências vão se acendendo. Mas, como um todo, não creio que o “Templo de Jerusalém” se converta ao Evangelho do Reino. Não! Eles jamais renunciaram ao poder. Por que renunciarão agora? Pelo contrário, eles se armam, e, com todas as forças, tentam segurar os seus lugares, ao invés de dizerem: “Convém que Ele cresça; e que eu (igreja, doutrinas, dogmas, pastores, etc...) diminua”. E mais: enquanto o Templo de Jerusalém estava erguido (ano 70 d.c.) a maioria dos apóstolos continuavam a ter aquele lugar como “lugar santo”, e somente Paulo já dele estava liberto desde sempre. Somente a destruição do Templo acabou por “espalhar” de vez a igreja, o que era ordem de Jesus desde o início. Templos de religiosos são Lugares de Poder. São Potestades. São Entes maiores que o homem! Jesus, todavia, não só é o Caminho, mas é do caminho... Foi assim que ele existiu entre nós. Este é também um essencial legado existencial do Evangelho! Assim, convém que o Evangelho faça seu próprio Caminho, e que a “igreja” tenha ciúmes; pois, pode ser que assim, pela via dos “ciúmes” (Rm 9 e 10), ela venha lembrar-se que é apenas “oliveira brava”, e que foi “enxertada” pelas misericórdias de Deus numa história de Graça da qual todos nós estávamos alienados. E saiba: o Caminho da Graça não é uma coisa-lugar; antes é uma mensagem, é um espírito, é um entendimento, é um modo de ser, é uma busca permanente de viver o Caminho, no caminho; a Verdade, na verdade; e a Vida, na vida-existência de cada um de nós. Nesse caso, o caminho vai conforme você anda com Jesus, no Caminho!... embora isto só aconteça no caminho humano de cada um de nós. Todavia, em breve, como já tenho dito, estaremos podendo, pela Graça de Deus, ajudar a muitos e muitos, que, à sua semelhança, gostariam de ter um ponto de contato e de comunhão com muitos outros que já discerniram qual é o espírito do Evangelho de Jesus. Receba meu abraço e meu carinho! Nele, que é o Caminho, Caio