Português | English

Reflexões

UMA PÍLULA DE ALMA

UMA PÍLULA DE ALMA

 

 

 

 

UMA PÍLULA DE ALMA

 

 

A alma é força vital sem autodeterminação consciente.

 

Ela fala, pede, implora, demanda, impõe — mas nada tem a ver necessariamente com verdade e realidade; pois, a alma não é um ente da verdade e da realidade; mas sim da impressão e da fantasia.

 

Por isso Paulo diz que o Homem Psíquico [Natural, na tradução de Coríntios] não discerne as coisas do Espírito de Deus, pois, estas só são discerníveis espiritualmente; não psiquicamente.

 

Assim, o Homem Natural [ou psíquico] é como uma rolha no oceano dos desejos, dos medos, das fobias, dos caprichos, das fantasias, e das escolhas do instante...

 

Tal homem [psíquico] é um ser-resposta; sem proposta que emane da escolha limpa, livre, sóbria, sábia e simples do espírito.

 

A alma só decide à revelia da consciência; e, mesmo assim, ela é sempre decidida por outras forças.

 

Na alma não habita nenhuma sabedoria!

 

Isto porque aquele que vive da alma existe para as circunstâncias!

 

Sim! Tal pessoa não existe-em-si, mas apenas sob os impactos bons e maus que lhe vêm de fora; ou, outras vezes, existe para cumprir carmas de caprichos feitos de insegurança + fantasia = existência almática.

 

O espírito não é catastrófico, mas a alma é acidente em estado puro.

 

Daí as grandes catástrofes da existência nascerem da alma. A alma em estado livre é tragédia.

 

Esta é a razão porque as fantasias artísticas da alma se imortalizaram como tragédias.

 

No Éden os apelos à alma precederam à tentação ao espírito.

 

Primeiro vem o olhar estético [... vendo que era agradável aos olhos...]; depois vem o gosto desejável [... boa para se comer...]; e só então vem a tentação ao espírito: “... e árvore boa para dar entendimento...”.

 

O campo fértil para a semeadura das tentações é a alma; até porque somente gente que já passou desse estágio almático é que começa a ficar exposta às tentações do espírito.

 

Transformar pedras em pães quando se está com fome é uma tentação para a alma.

 

Pular do Pináculo do Templo com uma grande assembléia de expectadores é um apelo de sedução para a alma.

 

Todavia, e na ausência da fome e de pessoas, num alto monte, que surge a tentação ao espírito.

 

Na fome do corpo e na carência das emoções, todas as angustias são da alma; e todas as tentações são a ela dirigidas.

 

Somente quando a alma está sem fome e não sente necessidade de gente como segurança e afirmação, é que se inicia a fase da tentação ao espírito.

 

Ora, digo isto para quem tem uma alma ainda viva, mesmo que louca; e digo-o também aos que estão vivos no espírito; pois, ter um espírito não significa ainda que se o tem “vivo” em nós.

 

A maioria tem alma sem espírito. Então, o que sobra é a existência da rolha no oceano dos desejos loucos e sem porto de serenidade.

 

 

Pense nisso!

 

 

Caio

 

05/09/07

Manaus

AM